Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘apocalipse’

images-5

Artigo adaptado do Wall Street Jornal (Nina Adam e William Wilkes, 18/9/16)

Instalados sob a pele, implantes minúsculos podem substituir chaves, cartões de loja de negócios e dados médicos e muito mais. Os chips RFID sob a pele podem ser  programados para executar várias tarefas

images-7

Pode se usar até vários desses implantes ou tags, embutidos no tecido gorduroso das mãos e braço. São tags usados para desbloquear não apenas a porta do apartamento, com um acena de mão, mas também escritório e portão. Outro armazena informações como o nome da empresa, detalhes de contato e ainda outro contém informações semelhantes para encontros não comerciais.

Os implantes podem ser ativados e verificados pelos leitores que usam tecnologia de identificação de rádio frequência, ou RFID. Incluem smartphones comuns e leitores já instalados em edifícios de escritórios para permitir a entrada com um cartão de identificação comum.

RÁPIDO E EFICAZ

3033417-slide-s-4-when-wearable-tech-saves-your-life-you-wont-take-it-off

Não há dados abrangentes sobre quantas pessoas têm implantes RFID em seus corpos, mas os varejistas estimam o total de 30 mil a 50 mil pessoas no mundo.

O fato de que as etiquetas não podem ser perdidas é uma atração. Outra, dizem os usuários, é que as tags não operam sob seu próprio poder, mas sim são ativados quando são lidas por um scanner. Isso significa que eles nunca podem ser inutilizados por uma bateria morta como smartphones.

O QUE A BÍBLIA DIZ

‘Por causa dos sinais que lhe foi permitido realizar em nome da primeira besta, ela enganou os habitantes da terra. Ordenou-lhes que fizessem uma imagem em honra à besta que fora ferida pela espada e contudo revivera.

Foi-lhe dado poder para dar fôlego à imagem da primeira besta, de modo que ela podia falar e fazer que fossem mortos todos os que se recusassem a adorar a imagem.

Também obrigou todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e escravos, a receberem certa marca na mão direita ou na testa, para que ninguém pudesse comprar nem vender, a não ser quem tivesse a marca, que é o nome da besta ou o número do seu nome.

Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento calcule o número da besta, pois é número de homem. Seu número é seiscentos e sessenta e seis’, Ap 13.14-18.

FORMA DE DOMÍNIO

A marca da Besta será uma forma de domínio sobre o ser humano, incluindo o mercado, isto é, ninguém poderá subsistir sem a marca, para fazer qualquer tipo de compra, incluindo as básicas.

BESTA

A Besta diz respeito a um sistema de Governo humano, mas com representação de cunho espiritual e em oposição ao SENHOR.

Dessa representação uma imagem/ídolo porta como centro de adoração (v15). Hoje temos clareza para entender isso. A cibernética mostra essa possibilidade, em que a mistura do barro ao ferro, cremos ser uma construção parabólica de Daniel:
‘Quanto ao que viste do ferro misturado com barro de lodo, misturar-se-ão com semente humana, mas não se ligarão um ao outro, assim como o ferro não se mistura com o barro’, Dn 2.43.

ROBÔS MAIS INTELIGENTES

Segundo o físico britânico Stephen Hawking, da Universidade de Cambridge, afirma que as formas primitivas de inteligência criadas até agora por computadores foram um sucesso e mostraram-se úteis.

A voz dele, por exemplo, é em parte robótica, mas ele teme as consequências dos avanços. Os robôs podem superar os homens no futuro. Quando? Em menos de 100 anos, diz ele.

Os humanos, cuja evolução é lenta, seguindo o ritmo biológico, não teriam condições de competir com suas próprias criações.

Outros cientistas acreditam que, com a atual velocidade dos supercopmputadores, em três decadas, as máquinas vão chegar à inteligencia artificial. Computadores já derrotam campeões de xadrez

A MARCA DA BESTA

Os números 666 é a representação em numeros de um nome. Também pode representar a capacidade máxima humana: o número do homem é 6, ampliado na máxima da trindade humana.

Essa marca pode ser representada por meio de tatuagem, como as usadas para marcar escravos e ainda soldados.

Ainda na época dos escritos bíblicos do NT, devotos religiosos se tatuavam com seus ídolos-deuses protetores.

3Macabeus descreve a marca do deus Dionísio usada por Ptolomeu IV Filopátor (221-203aC). São formas colocadas em oposição pelo apóstolo Paulo, conforme Gálatas 6.17, pois os escravos eram tatuados com o nome de seu dono.1

1) Robert L. Thomas, Revelation 8-22: An Exegetical Commentary (Chicago: Moody Press, 1995), pp. 179-80.Thomas, Revelation 8-22, p. 181. Revista Chamada da Meia-noite  (jan/2004)

 

 

Read Full Post »

“E ao anjo da igreja que está em Pérgamo escreve: Isto diz aquele que tem a espada aguda de dois fios: Conheço as tuas obras, e onde habitas, que é onde está o trono de Satanás; e reténs o meu nome, e não negaste a minha fé, ainda nos dias de Antipas, minha fiel testemunha, o qual foi morto entre vós, onde Satanás habita. Mas algumas poucas coisas tenho contra ti, porque tens lá os que seguem a doutrina de Balaão, o qual ensinava Balaque a lançar tropeços diante dos filhos de Israel, para que comessem dos sacrifícios da idolatria, e se prostituíssem. Assim tens também os que seguem a doutrina dos nicolaítas, o que eu odeio. Arrepende-te, pois, quando não em breve virei a ti, e contra eles batalharei com a espada da minha boca. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: Ao que vencer darei a comer do maná escondido, e dar-lhe-ei uma pedra branca, e na pedra um novo nome escrito, o qual ninguém conhece senão aquele que o recebe”, Ap 2.12-17.

Imagem

Abrangência/época: De 312 a 600 (Ap 2.12-17).

Significado: Casamento.

Fato crítico: Segue as doutrinas de Balaão e dos Nicolaítas – v14-15.

Elogio: Honra o nome de Cristo – v13.

Exortação: Buscar o arrependimento – v16.

Galardão ao que vencer: Maná escondido e uma pedra branca com um novo nome – v17.

Significado histórico: Casamento com o Estado.


Identificação

Pérgamo era uma cidade localizada em cima de uma colina com cerca de 300m acima do nível do mar e a 70km ao norte de Esmirna e a 26km do mar Egeu. Uma fortaleza natural e chegou a ser capital do reino dos atálidas, por volta de 241 a 133aC, reino herdado pelos romanos. Desde então, passou a fazer parte do Império Romano e por cerca de 200 anos, figurou como capital da província romana na Ásia.

A moderna cidade contava ainda com uma boa cultura predominantemente grega e, portanto, avançada e uma biblioteca com cerca de 200 mil volumes, segundo comentários da Bíblia de Estudo – Aplicação Pessoal. Constituiu-se na maior biblioteca fora de Alexandria. Também de lá saiu o mais moderno produto para a escrita da antiguidade, o pergaminho (de pele de carneiro), substituto do frágil papiro.

Hoje tem o nome de Bergama e segundo a Wikipédia, “é uma cidade e distrito na província de Esmirna, na região do Egeu da República da Turquia. Conhecida por sua produção de algodão, ouro e tapetes, a cidade foi, durante a Antiguidade, o importante centro cultural greco-romano de Pérgamo, cujas ruínas continuam a atrair considerável interesse turístico até os dias de hoje”.  A cidade está junto ao Rio Caicus e sua população chega a 55 mil habitantes, contra cerca de 150 mil no auge do domínio romano, por volta do século 1dC. As ruínas da antiga cidade estão ao norte e a oeste.

Mas, o deus principal de Pérgamo possuía a forma de uma serpente e tinha um santuário na cidade. Era o deus da saúde, o Esculápio (o deus da Medicina), representado também por serpentes. Além desse deus Pérgamo possuía três outras seitas que veneravam Dionísio, Zeus e Atenas.

Em 29aC, um templo ao imperador chegou a ser erguido na cidade, corroborando para a fama de cidade onde estava o “trono de Satanás” (v13). O templo de Augusto e de Roma juntava-se ao grandioso altar de Júpiter, tido como o salvador, pois foi o patrono da vitória na invasão dos celtas em 278aC.

Com isso, Pérgamo exaltava seus deuses com festas religiosas, que conclamavam multidões às peregrinações.

Nela também estava presente a imoralidade e sexualidade, com sacrifícios à idolatria e prostituição, conforme os meios preestabelecidos pela doutrina de Balaão, que se constituía em levar o povo a pecar por meio da prostituição, e assim, destruir-se pela força da imoralidade. Balão ensinou a tática de infiltração para minar a fé, a crença.

Uma das formas de prostituir-se contra o Senhor é participar das festas e cerimônias realizadas em menção (louvor) e/ou adoração a outros imagens-deuses.

A tolerância e a participação de tais formas de adoração, mesmo que indiretamente são abomináveis ao Senhor, como diz:

“Mas tenho contra ti o tolerares que Jezabel, mulher que se diz profetisa, ensine e engane os meus servos, para que se prostituam e comam dos sacrifícios da idolatria”, Ap 2.20.

Formas de Idolatria

Conforme publicamos na revista Resposta Fiel (8, abr-maio-jun-2003), “A origem das celebrações juninas remonta aos antigos rituais pagãos. No Hemisfério Norte, o mês de junho é o período de solstício de verão. Nessa época, especialmente nos dias 21 a 24,egípcios, sumérios, romanos, bascos e celtas invocavam a fertilidade através de rituais.

Na mitologia romana, pagãos prestavam culto à deusa Juno, cujos festejos eram denominados junônias, adaptado no Brasil para junina.

Os historiadores registram que os rituais de colheita e fertilidade eram tão fortes na Idade Média que a Igreja Católica Romana resolveu aproveitá-la, adaptando-a para seu calendário. Ela foi trazida ao Brasil pela colonização portuguesa.

Já o culto pirolátrico, próprio da festividade junina, teve início em Portugal, onde, acreditava-se que o estrondo de bombas e rojões tinha a finalidade de espantar o Diabo e seus demônios na noite de ‘São João’.

Os fogos de artifício e as fogueiras são formas de culto da Antiguidade, ovacionando as imagens. Além de conterem o elemento idolátrico, os fogos são perigosos e extremamente poluentes. “Um estudo feito por pesquisadores da Universidade Jawaharlal Nehru, em Nova Déli, Índia, mostrou que fogos de artifício disparados no país em uma festa nacional no ano passado liberaram grande quantidade de ozônio. Esse gás é tóxico e apenas beneficia a vida na alta atmosfera, onde reflete os raios ultravioletas do Sol. O trabalho está publicado na revista Nature’” (Folha de São Paulo, Ciência, A6, 28/6/2001).

No Brasil, o uso de fogos de artifício aumenta consideravelmente em junho e julho, em virtude das comemorações dos romanistas a seus santos protetores. Muitas pessoas têm sido mutiladas pelo manuseio do produto, enquanto balões têm causado inúmeros incêndios. A prática dos balões, tão comum nessa época, se vincula à ideia de que, se este subir sem nenhum problema, os desejos de quem os solta serão atendidos. Caso não suba, seria azar.

Em várias regiões do país, com ênfase no Nordeste, religiões como o candomblé homenageiam os orixás, misturando suas práticas ao ritual católico romano’”.

Comer as iguarias características dessas festas pagãs, tais como milho cozido e pipoca, vai de encontro ao que Paulo ensina: “Antes digo que as coisas que os gentios sacrificam, as sacrificam aos demônios, e não a Deus. E não quero que sejais participantes com os demônios. Não podeis beber o cálice do Senhor e o cálice dos demônios; não podeis ser participantes da mesa do Senhor e da mesa dos demônios”, 1Co 10.20-21.

Essa ignorância espiritual produz consequências, às vezes irreparáveis. “Mas nem em todos há conhecimento; porque alguns até agora comem, no seu costume para com o ídolo, coisas sacrificadas ao ídolo; e a sua consciência, sendo fraca, fica contaminada”, 1Co 8.7. Por isso a Bíblia diz que há na Igreja muitos fracos e doentes e outros que dormem, em função da ignorância espiritual (1Co 11.28).

Contraste

A exortação é tão veemente que o Senhor diz que em Pérgamo estava o trono de Satanás, mas chama a atenção para um personagem: “Antipas, minha fiel testemunha”, v13. Que coisa gloriosa, um simples mortal ser anunciado como fiel ao Senhor! Segundo uma tradição, Antipas fora bispo de Pérgamo e morto dentro de um touro em brasas.

Pérgamo aceitou o esquema idólatra procedente do paganismo, que precede a tolerância a tudo (v14-15). É o reflexo de uma igreja passiva, politicamente correta.

O Senhor alertou a Igreja e temos isso na História conforme já comentamos acima. Mas ainda há uma esperança a Pérgamo:

“Arrepende-te ou em breve virei a ti”, v16.

Nicolaítas

Nicolaítas vem do grego nikos, que significa subjugar e laos (povo). Não formavam propriamente uma seita, mas um sistema de domínio muito forte no seio da igreja, que subjugava o povo. Alguns dizem que nicolaítas constituíam-se no esforço humano para se conquistar o que de Deus se perdeu.

Outros interpretam os nicolaítas como pessoas que trocavam o espiritual por influências humanas, como forma de alcançarem seus objetivos – a humanização ou materialização do espiritual. Aquilo que o Espírito faz, tenta-se imitar, fazendo por meio de formas humanas. Neste caso, o Espírito torna-se, com o tempo, descartável no centro de adoração, substituído por esforços meramente humanos (mentais e psicológicos).

Mas interessante que esta igreja colocava em prova os que se diziam “ser apóstolos e o não são e tu os achaste mentirosos”, v2. Ora, se naquele tempo já tínhamos tais homens, será que hoje estão alardeando algum novo esquema, ou estariam tentando novamente sem serem notados? Se bem que os obreiros eram provados antes de a igreja recebê-los.

Cristãos Em contraste com a idolatria viviam os cristãos fiéis, possivelmente evangelizados pelo apóstolo Paulo, conforme Atos 19.8-10:

“E, entrando na sinagoga, falou ousadamente por espaço de três meses, disputando e persuadindo-os acerca do reino de Deus. Mas, como alguns deles se endurecessem e não obedecessem, falando mal do Caminho perante a multidão, retirou-se deles, e separou os discípulos, disputando todos os dias na escola de um certo Tirano. E durou isto por espaço de dois anos; de tal maneira que todos os que habitavam na Ásia ouviram a palavra do Senhor Jesus, assim judeus como gregos”.

Os Nicolaítas não distinguiam o alimento comum do sacrificado a ídolos, conforme se estabelece no Concílio da Igreja em Atos 15:

“Que vos abstenhais das coisas sacrificadas aos ídolos, e do sangue, e da carne sufocada, e da prostituição, das quais coisas bem fazeis se vos guardardes. Bem vos vá” (v29). Leia também sobre o mesmo assunto, mas com detalhes doutrinários, 1Coríntios 10.14-21.

Naquela época, muita sobra de sacrifícios a deuses eram exposta em açougues para a venda. Então, havia a recomendação bíblica para que, quando sabedores do fato, que os crentes não comessem daquilo.

Também, dado a isto, os pregadores itinerantes eram encaminhados para casas de irmãs dedicadas, que se prontificavam a cozinhar para esses homens e, assim, fossem livres de comer alimentos impuros no comércio local, por desconhecimento.

Pedra Branca

Na lista de galardões para os vencedores de Pérgamo está a pedra branca com um novo nome ao eleito pelo Senhor. Existem algumas afirmações sobre o significado de pedra branca. Seu uso era costumeiro na cultura da época. Um deles diz respeito ao julgamento, em que no veredito pró-réu, quando esse era absolvido, recebia uma pedra branca como sinal de liberdade. Mas se condenado, recebia uma pedra escura.

Outra explicação diz respeito a uma eleição, em que o candidato escolhido pelo eleitor tinha o seu nome gravado na pedra branca que iria para a urna. Temos ainda a indicação dessa pedra (ficha), a indicar um pequeno mosaico com a cor branca, com o significado de aprovação (dokimos, no grego, aprovado) – pedra da vitória.

De qualquer forma, tanto a eleição quanto o prêmio, diz respeito à eleição em Cristo:

“Mas devemos sempre dar graças a Deus, por vós, irmãos amados do Senhor, por vos ter Deus elegido desde o princípio para a salvação, em santificação do Espírito e fé da verdade, para o que, pelo nosso Evangelho, vos chamou, para alcançardes a glória de nosso Senhor Jesus Cristo”, 2Ts 2.13-14.

Igreja aprovada

Pérgamo tinha crentes aprovados pelo Senhor, dignos de receber a pedra branca, por suas

– Obras em Cristo;

– Não negar o nome de Cristo (Senhorio);

– Não negar a fé em Cristo.

A maioria das informações foram extraídas do livro Fronteira Final (Escatologia), MESQUITA, Antônio, 2007, Fronteira Final, A Terra geme e chora, CPAD.

Read Full Post »

“E ao anjo da igreja que está em Esmirna, escreve: Isto diz o primeiro e o último, que foi morto, e reviveu: Conheço as tuas obras, e tribulação, e pobreza (mas tu és rico), e a blasfêmia dos que se dizem judeus, e não o são, mas são a sinagoga de Satanás. Nada temas das coisas que hás de padecer. Eis que o diabo lançará alguns de vós na prisão, para que sejais tentados; e tereis uma tribulação de dez dias. Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: O que vencer não receberá o dano da segunda morte” (Ap 2.8-11).

Abrangência/época: De100 a 312 (Ap 2.8-11).

Significado: Anestésico (Sofrimento).

Fato crítico: Não há.

Elogio: Suporta a perseguição.

Exortação: Sê fiel até a morte.

Galardão ao que vencer: Não morrerá.

Significado histórico: Auge da perseguição romana.

Identificação – Esmirna localizava-se na Ásia Menor, a cerca de 40 quilômetros ao norte de Éfeso e constituía-se rival desta. Possuía o principal porto da Ásia, voltado para o comércio do Mar Egeu. Fundada por volta do ano 1000aC e destruída 4 séculos depois pelos Lídios. Reconstruída por volta de 300aC, por Alexandre, o Grande. Pode-se ver ainda hoje as ruínas da antiga cidade, na moderna Izmir (de Smyrna), na Turquia.

Nela, segundo comentários da Bíblia de Estudo – Aplicação pessoal, havia uma luta interna entre judeus, que se opunham aos cristãos, e cidadãos que eram simpáticos ao domínio romano e à adoração ao imperador. Dado essa identidade peculiar, as perseguições eram frequentes.

Seu principal e talvez primeiro bispo fora Policarpo (de 70 a 160dC), natural da cidade e discípulo de João e, segundo a história, morto pela perseguição romana.

Por outro lado judeus, com uma grande colônia, ao se ajuntaram à adoração em suas sinagogas, serviam aos propósitos de Satanás e não aos de Deus, e acabavam por formar a “sinagoga de Satanás”, conforme a mesma fonte acima, que afirma ainda que a cidade era famosa por suas competições esportivas, mas a coroa final que o Senhor oferece – a coroa da vida (v10) – está acima do laurel que os competidores ganhavam – a coroa corruptível.

Em oposição a essa fidelidade, muito discutida na época, em função do domínio romano, o Senhor diz:

– “Sê fiel até à morte”, e dar-te-ei a coroa da vida” (2.10).

Esmirna mantinha inúmeros cultos e deuses com seus templos instalados no Monte Pagos – Apolo, Dionísio (Baco), Cibele: Representada em uma moeda e com uma coroa; Afrodite: a deusa da promiscuidade, da fecundação; Esculápio: Protetor da Medicina. Todos formavam uma verdadeira ‘sinagoga’ de Satanás, nome usado para nomear os judeus que se davam a tal adoração e, por conseguinte, perseguiam os cristãos.

Mirra – Esmirna deriva-se de mirra. Segundo Aurélio mirra é palavra de origem semítica; do grego myrrha. “Designação comum a duas árvores da família das burseráceas (Commiphora mallis e C. myrrha), originárias da África, cuja resina dimana por incisão e se usa como incenso e em perfumes, unguentos”. Também para embalsamar. Daí tem-se o contraste com o Cristo vivo:

– “E ao anjo da igreja que está em Esmirna escreve: Isto diz o Primeiro e o Último, que foi morto e reviveu”, 2.8.

Analgésico – Alguns preferem afirmar que Esmirna tem que ver com analgésico – que elimina a dor, elemento protetor natural ao homem. A dor faz com que fujamos daquilo que machuca, causa ferimentos e, portanto, dói. Se a criança coloca a mão no fogo, sentirá a dor da queimadura e a tendência natural é a de não fazer o mesmo novamente. O corte de uma faca, por exemplo, faz com que o cérebro humano emita reação semelhante.

Portanto, as pessoas acometidas de doença que elimina a dor necessitam de cuidadoso e constante acompanhamento para que não quebrem ossos, por exemplo. Quem não sente dor ao quebrar um órgão do corpo, poderá ser acometido de gangrena, em função da fratura e suas consequências não curadas, e morrer.

Pobreza – Esmirna era pobre, e conforme comentário de rodapé da Bíblia de Estudo Pentecostal (CPAD), o termo no original para designar a pobreza dessa cidade é ptocheia (que não possui nada). Esse termo indica alguém miserável, pobre por completo. O outro termo para pobreza no grego é peniah, que ou quem já possuí o essencial. “A pobreza dos cristãos em Esmirna era geral; economicamente, não tinham recursos, pois havia muitos escravos na igreja. Mas Jesus diz que eram ricos espiritualmente”. Enquanto Esmirna, uma igreja pobre é vista como rica; Laodicéia, que vivia em meio à riqueza é tida como pobre.

Perseguição – A Igreja naquela cidade vivia sobre constante perseguição, tribulação (aperto, pressão). Essa igreja passou pelo pior período da perseguição romana:

– “Não temas as coisas que hás de padecer. Eis que o diabo lançará alguns de vós na prisão, para que sejais tentados; e tereis uma tribulação de 10 dias. Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida”, 2.10.

Parece que essa perseguição de 10 dias, faz referência a 10 imperadores ou ao período compreendido de seus governos que abrangeu o tempo de aproximadamente 200 anos – período dessa igreja. Para Esmirna o conselho é: “Sê fiel até a morte”.

Tentação (Provação) – Testados como se testa metal (dokimazetô), cf  1Co 11.28: “Examine-se a si mesmo”, para ser aprovado, no grego dokimos (conversão real, sinceros, 1Co 11.19), em oposição a adokimos (reprovado).

APLICAÇÃO

I – JESUS, ÚNICO DEUS – É (o único) Deus Eterno e Criador (“o primeiro e o último”);

II – RESSUSCITOU – O único que foi morto e ressuscitou (“que foi morto, e reviveu”);

III – UNISCIENTE – (“Conheço as tuas obras, e tribulação, e pobreza”);

IV- SENHOR ‘DONO’ DE TUDO – (“mas tu és rico”);

V – TODO-PODEROSO – (“Nada temas das coisas que hás de padecer”);

VI – LEAL – (“Sê fiel até à morte”);

VII – VIDA ETERNA – (“dar-te-ei a coroa da vida”);

VIII – VITORIOSO – (“O que vencer não receberá o dano da segunda morte”).

A maioria das informações foi extraída do livro Fronteira Final (Escatologia), MESQUITA, Antônio, 2007, Fronteira Final, A Terra geme e chora, CPAD.

Read Full Post »

João, às sete igrejas que estão na Ásia: Graça e paz seja convosco da parte Daquele que é, e que era, e que há de vir, e da dos sete espíritos que estão diante do seu trono. E da parte de Jesus Cristo, que é a fiel testemunha, o primogênito dos mortos e o príncipe dos reis da terra. Àquele que nos ama, e em seu sangue nos lavou dos nossos pecados… Eu sou o Alfa e o Ômega, o princípio e o fim, diz o Senhor, que é, que era, e que há de vir, o Todo-Poderoso”… Escreve as coisas que tens visto, e as que são, e as que depois destas hão de acontecer”.

Ap 1.3-5,8,19.

O mistério das Sete Igrejas foi dado por revelação divina ao apóstolo João, exilado pelos romanos, na Ilha de Patmos, localizada no Mar Egeu. O livro do Apocalipse foi escrito por volta do ano 96dC, época de intensa perseguição aos cristãos da Igreja Primitiva, orquestrada pelo imperador Domiciano.

AS SETE CIDADES-IGREJAS
 

ÉFESO

Abrangência/época: Primeiro século (Ap 2.1-7).

Significado: Desejável.

Fato crítico: Distanciou-se do primeiro amor – v4.

Elogio: Perseverança (trabalho incansável) e rejeição do mal – v2-3. 

Exortação: Buscar a renovação espiritual – v5.

Galardão ao que vencer: Fruto da Árvore da Vida – v7.

Significado histórico: Época da Igreja Primitiva – até o fim da era apostólica.

 
Identificação

Éfeso é a igreja do primeiro século (início do esfriamento). Essa igreja ainda se reunia nas casas dos irmãos, como de Áquila e Priscila. Naquela época, a igreja não contava com templos. Apóstolo Paulo faz menção de nomes e saudações pessoais, demonstrando que havia muita aproximação, comunhão, amor e alegria entre os crentes. O cristão viajante tinha hospedagem familiar no mundo de então, “entre os da casa”, conforme indica a linguagem cristã: “Para que os recebais no Senhor…”, Rm 16.2.

 

ESMIRNA

Abrangência/época: De100 a 312 (Ap 2.8-11).

Significado: Anestésico (Sofrimento).

Fato crítico: Não há.

Elogio: Suporta a perseguição.

Exortação: Sê fiel até a morte.

Galardão ao que vencer: Não morrerá.

Significado histórico: Auge da perseguição romana.

 
Identificação

Esmirna localizava-se a cerca de 40 quilômetrosao norte de Éfeso. Possuía um famoso porto voltado para o comércio do Mar Egeu. Nela, segundo comentários da Bíblia de Estudo – Aplicação pessoal (CPAD), havia uma luta interna entre judeus, que se opunham aos cristãos, e cidadãos que eram simpáticos ao domínio romano e à adoração ao imperador. Dado essa identidade peculiar, as perseguições eram frequentes.

Por outro lado judeus, ao se ajuntaram à adoração em suas sinagogas, serviam aos propósitos de Satanás e não aos de Deus, e acabavam por formar a “sinagoga de Satanás”, conforme a mesma fonte acima, que afirma ainda ter sido uma cidade famosa por suas competições esportivas, mas a coroa final que o Senhor oferece – a coroa da vida (v10) – está acima do laurel que os competidores ganhavam – a coroa corruptível.

 

PÉRGAMO

Abrangência/época: De312 a 600 (Ap 2.12-17).

Significado: Casamento.

Fato crítico: Segue as doutrinas de Balaão e dos Nicolaítas – v14-15.

Elogio: Honra o nome de Cristo – v13.

Exortação: Buscar o arrependimento – v16.

Galardão ao que vencer: Maná escondido e uma pedra branca com um novo nome – v17.

Significado histórico: Casamento com o Estado.

 

Identificação

Pérgamo era uma cidade localizada em cima de uma colina com cerca de 300m acima do nível do mar. Uma fortaleza natural. A moderna cidade contava ainda com uma boa cultura predominantemente grega e, portanto, avançada, e uma biblioteca com cerca de 200 mil volumes, segundo comentários da Bíblia de Estudo – Aplicação pessoal (CPAD). O deus principal de Pérgamo possuía a forma de serpente. Era o deus da saúde, talvez o Esculápio – o deus da Medicina, representado também por serpentes. Mas, além desse deus Pérgamo possuía três outras seitas que veneravam Dionísio, Zeus e Atenas. Em 29aC um templo ao imperador chegou a ser erguido na cidade, corroborando para a fama de cidade onde estava o “trono de Satanás” (v13).

 

TIATIRA

Abrangência/época: De600 a 1517 (Ap 2.18-29).

Significado: Relaxada (Mulher opressora).

Fato crítico: Líder feminina que ensina a tolerância ao pecado – v20.

Elogio: Crescimento nas obras – v19.

Exortação: Reter o que tem – v25.

Galardão ao que vencer: 1) Poder sobre as nações; 2) a Estrela da Manhã – a Luz Eterna (Cristo) – v26-28.

Significado histórico: Decadência da Igreja.

 
Identificação

Na época de Tiatira a Igreja viveu a escuridão do conhecimento. Isso ocorreu durante o período da Idade Média. Triunfou em Tiatira a doutrina baloanista, nicolaitista e jezabelista, a ponto de constituírem a “profundeza de Satanás” (v24).

Jezabel é a mulher que fundamentou certa doutrina herege. É o nome que se dá a quem está no meio, no sistema, mas não faz parte originalmente dele. E por meio de sua doutrina são introduzidos todos os deuses regionais, como a própria esposa de Acabe fez em Israel.

 

SARDES

Abrangência/época: De1517 a 1750 (Ap 3.1-6).

Significado: Pedra que brilha.

Fato crítico: Tem fama de igreja avivada, mas está morta – v1.

Elogio: Pessoas que não se contaminaram – v4.

Exortação: Vigiai – v5.

Galardão ao que vencer: Andarão de branco com o Senhor – v5.

Significado histórico: Igreja Remanescente.

 
Identificação

Essa igreja se encaixa dentro da época da Reforma Protestante, que tem como data histórica 31 de outubro de 1517. Sardes ou Sardo é uma pedra que brilha em contato com o corpo. É uma figura que deixa claro a necessidade de o crente estar unido ao Corpo de Cristo, por meio da comunhão.

Embora indique uma igreja surrada por tudo quanto veio antes dela, culminando com a prática idolátrica, que grassava em seu meio e já bastante distante dos preceitos bíblicos-cristãos, nela são contadas algumas pessoas que não contaminaram suas vestes.

Estes remanescentes que dariam vazão à Reforma Protestante, pois recebem a promessa gloriosa do Senhor: “…e comigo andarão de branco”, v4. Este é o contraste das vestes brancas (3.18) oferecidas pelo Senhor com o psicodelismo comercial (Ap 17.4), que fazia da indústria de lã e de tintura, o orgulho de Sardes.

 

FILADELFIA

Abrangência/época: A partir de 1750 (Ap 3.7-13).

Significado: Igreja do amor fraternal.

Fato crítico: Não tem.

Elogio: Guardaste a minha Palavra e não negaste o meu nome – v10.

Exortação: Venho em breve, guarda o que tens para ninguém tome – v11.

Galardão ao que vencer: Coluna do Templo divino terá o nome de Deus e de sua cidade, e o novo nome de Cristo – v12.

Significado histórico: Igreja do Arrebatamento.

 

Identificação

O nome dessa igreja vem de phileo (grego) que significa amor fraterno. É o amor de fraternidade entre as pessoas, amor recíproco. Esse amor contrasta com as orgias sexuais, centradas no amor sensual (grego heros). Filadélfia, além de não ter reprovação, tem elogios. Nela o Todo-Poderoso tem a chave da porta que abre e ninguém fecha; que fecha e ninguém abre e a proposta da bênção de pôr diante do crente uma porta aberta.

 

LAODICEIA

Abrangência/época: Pós-arrebatamento (Ap 3.14-22).

Significado: Justiça do Povo.

Fato crítico: Igreja morna (da atualidade).

Elogio: Não tem.

Exortação: Adquirir os valores espirituais.

Galardão ao que vencer: Assentará com o Senhor em seu trono.

Significa histórico: Igreja que congrega tudo e todos (democrática).

 
Identificação

O nome Laodicéia deriva-se do grego laos, que significa povo, mais dikaios que quer dizer justiça. Portanto é a igreja da justiça do povo. É a igreja da democracia, justamente o direito do povo de participar de decisões, fazendo frente à Teocracia (domínio divino). Paulo fala dessa igreja em Colossences 4.13,16. Ele cita também os irmãos de Hierápolis (v13), uma das cidades que forneciam água a Laodicéia. Esta cidade orgulhava-se de seu progresso industrial e riqueza que lhe dava a pompa de independência econômica.

Alguns historiadores dizem que Laodicéia possuía um forte sistema financeiro, destacados laboratórios de remédios, com produção especial de um famoso colírio, completando-se com uma escola de medicina, e ainda indústrias têxteis. Era próspera e se orgulhava de não necessitar de ajuda externa. A cidade era progressiva e rica.

(Resumo extraído do livro FRONTEIRA FINAL, CPAD, Antônio Mesquita)

Read Full Post »

Em Nota do Pontifício Conselho Justiça e Paz com o subtítulo Para uma reforma do sistema financeiro e monetário internacional na perspectiva de uma autoridade pública de competência universal, o líder da Igreja Católica Apostólica Romana, de forma indireta, evoca o Governo do Anticristo, por meio de argumentos humanistas. A extensa exposição papal corrobora com os intentos preconizados pelo Apocalipse, com indiscutível semelhança e está publicada no site do Vaticano – A Cúria Romana.

Os argumentos católicos romanos são convincentes do ponto de vista do humanismo – o homem em primeiro lugar: “Ninguém, conscientemente, pode aceitar o desenvolvimento de alguns países em desvantagem de outros”, porém, agride a mensagem cristã que coloca Deus em primeiro lugar. Ao cristão segue o chamamento do Senhor de buscar o Reino de Deus em primeiro, pois “Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de odiar um e amar o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e a Mamom” e “…buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas”, Mt 6.24,33.

“…o caminho rumo à construção de uma família humana mais fraterna e justa e, antes ainda, de um renovado humanismo (grifo nosso) aberto à transcendência, parece ainda muito actual o ensinamento do Beato João XXIII. Na profética Carta encíclica Pacem in terrisde 1963, ele previa que o mundo se ia encaminhando rumo a uma unificação cada vez maior. Portanto, reconhecia o facto de que, na comunidade humana, faltava uma correspondência entre a organização política, «no plano mundial, e as exigências objectivas do bem comum universal».(11) Por conseguinte, desejava que um dia se pudesse criar «uma Autoridade pública mundial”.

A ideia do bem coletivo nada tem que ver com os projetos do Reino, pois sabemos da inviabilidade de se misturar óleo e água, mesmo quando “Face à unificação do mundo, favorecida pelo complexo fenómeno da globalização; perante a importância de garantir, para além dos demais bens colectivos, o bem representado por um sistema económico-financeiro mundial livre, estável e ao serviço da económica real, hoje o ensinamento da Pacem in terris parece ainda mais vital e digno de urgente concretização.”

“O próprio Bento XVI, no sulco traçado pela Pacem in terris, manifestou a necessidade de constituir uma Autoridade política mundial. (…) Pensemos, por exemplo, na paz e na segurança; no desarmamento e no controle dos armamentos; na promoção e na tutela dos direitos fundamentais do homem; no governo da economia e nas políticas de desenvolvimento; na gestão dos fluxos migratórios e na segurança alimentar; e na salvaguarda do meio ambiente. Em todos estes âmbitos, é cada vez mais evidente a crescente interdependência entre Estados e regiões do mundo, e a necessidade de respostas, não apenas sectoriais e isoladas, mas sistemáticas e integradas, inspiradas pela solidariedade e pela subsidiariedade, e orientadas para o bem comum universal.”

Paz e Segurança

Sobre a frase “na paz e na segurança”, analise a semelhança com o alerta bíblico a respeito do acordo entre o Anticristo e os judeus: “Haverá paz e segurança” (1Ts 5.3). O texto todo diz: “Mas, irmãos, acerca dos tempos e das estações, não necessitais de que se vos escreva; Porque vós mesmos sabeis muito bem que o dia do Senhor virá como o ladrão de noite; Pois que, quando disserem: Há paz e segurança, então lhes sobrevirá repentina destruição, como as dores de parto àquela que está grávida, e de modo nenhum escaparão. Mas vós, irmãos, já não estais em trevas, para que aquele dia vos surpreenda como um ladrão; Porque todos vós sois filhos da luz e filhos do dia; nós não somos da noite nem das trevas”, 5.1-5.

Não obstante ser uma argumentação plausível, somente ao homem natural resta à busca, com vistas à construção de um paraíso terrestre conforme desígnios do Anticristo, justamente por opor-se ao Paraíso celestial, proposto pelo Senhor. No contexto da Salvação em Cristo está o alerta paulino: “Tende cuidado, para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo”, Cl 2.8.

Quando o papa fala em direito universal, “recorda Bento XVI, se não percorrermos este caminho, também «o direito internacional, não obstante os grandes progressos realizados nos vários campos, correria o risco de ser condicionado pelos equilíbrios de poder entre os mais fortes», trata da unificação do próprio direito, hoje sob entraves de algumas barreiras ‘retrógadas’ como o aborto, pesquisa com células embrionárias, união estável entre pessoas do mesmo sexo etc. A ONU busca essa unificação. Ela deverá ocorrer ainda que seja pela truculência do poder dominante, como ocorreu no Brasil, recentemente, com respeito à desconstrução da Constituição pelo STF.

A ONU constitui-se um dos starts e que já tem figura reconhecida para a “Autoridade pública de competência universal” é a “Organização das Nações Unidas, em virtude da extensão mundial das suas responsabilidades, da sua capacidade de reunir as Nações da terra e da diversidade das suas tarefas e das suas Agências especializadas.”

Com proximidade muito tênue, a Bíblia diz o seguinte, sobre o Governo Único: “E foi-lhe permitido fazer guerra aos santos, e vencê-los; e deu-se-lhe poder sobre toda a tribo, e língua, e nação. E adoraram-na todos os que habitam sobre a terra, esses cujos nomes não estão escritos no livro da vida do Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo. Se alguém tem ouvidos, ouça”, E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas, Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome. Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule o número da besta; porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis”, Ap 13.7-9, 16-18.

“Ela deverá surgir de um processo…”

Por sua vez, o papa diz que essa “autoridade supranacional deve possuir uma delineação realista e ser realizada com gradualidade, com o objectivo de favorecer também a existência de sistemas monetários e financeiros eficientes e eficazes, ou seja, mercados livres e estáveis, disciplinados por um adequado quadro jurídico, funcionais para o desenvolvimento sustentável e para o progresso social de todos, inspirados nos valores da caridade na verdade.”

Quando o papa trata de fases preliminares para a instalação do que o catolicismo romano define como “Autoridade política mundial”, “Governo da Globalização” ou “Comunidade das Nações”, fala da possibilidade de emergir de “uma instituição legitimada, capaz de oferecer uma guia eficaz e, ao mesmo tempo, de permitir que cada país expresse e persiga o próprio bem particular”, parece-me que o papa tenta indicar sua organização religiosa.

Também não faltou a filosofia do traidor Judas, que condena o uso do aroma caríssimo empregado em Jesus por Maria, pois na mente de Judas, o produto deveria ser ‘leiloado’ e os 300 dinheiros usados para distribuição de cestas básicas. Os pobres constituem o trunfo de sempre dessas mentes férteis, mas eles sempre os mantêm.

Segundo o papa, essa Autoridade supranacional deve ser “colocada ao serviço do bem de todos” sem a supremacia de “dos países mais desenvolvidos sobre os países mais débeis.”, pois as políticas “mais urgentes” são “as relativas à justiça social global: políticas financeiras e monetárias que não danifiquem os países mais débeis; políticas destinadas à realização de mercados livres e estáveis e a uma distribuição equitativa da riqueza mundial através também de formas inéditas de solidariedade fiscal e global”.

A autoridade desse governo, mostrada pela Palavra: “E faz que a todos” não é esquecida pelo líder do catolicismo romano, ao afirmar que “a liberdade das pessoas e das comunidades de pessoas” serão respeitadas.

Quando o líder católico fala em “nações, pequenas ou grandes”, até soa como proposital, quando enfatiza os domínios do Governo do Anticristo, sobre sua urgência e tempo oportuno, dada à similaridade com o texto bíblico.

“Os tempos para conceber instituições com competência universal chegam quando estão em jogo bens vitais e partilhados por toda a família humana, que os Estados individualmente não são capazes de promover e proteger sozinhos.” e ainda impele o povo a aceitar de forma consciente o que é denominada de “nova dinâmica mundial rumo à realização de um bem comum universal.” E ainda do surgimento “de uma nova sociedade”, a construir “novas instituições com vocação e competência universais”, pois “Está em jogo o bem comum da humanidade e o próprio futuro.”

Embora use a família para introduzir a mente milenar de domínio, sabe-se que essa base da sociedade humana tem sido deixada para trás, quando o assunto é humanismo. E na mensagem cristã o homem deve ser primeiramente regenerado para, depois, poder receber a bênção do Senhor e manter-se estável quanto à vida humana, conforme 1Pd 1.23-24: “Sendo de novo gerados, não de semente corruptível, mas da incorruptível, pela palavra de Deus, viva, e que permanece para sempre. Porque Toda a carne é como a erva, E toda a glória do homem como a flor da erva. Secou-se a erva, e caiu a sua flor”.

Governança Global

Em A reconstrução do mundo (Clovis Rossi, FSP, Opinião, 4/4/03), o articulista diz o seguinte: “Fala-se de uma tarefa nada trivial: reconstruir o mundo ou mais propriamente a governança global, a cargo das Nações Unidas.” Ele cita declaração do chanceler Celso Amorim, que defende uma ação mais efetiva da ONU, não somente com a incumbência de prestar “auxílio humanitário e da reconstrução do Iraque. É preciso reconstituir a barganha inicial, em que cada um cede um pouco, para reconstruir a governança global’, diz o então chanceler brasileiro.” (Fronteira Final, CPAD, livro de minha autoria)

Esse sistema seria à moda Robin Woody e, neste caso, todos teriam, em tese, os mesmos direitos, sempre sendo controlados por uma central.

Para o ‘santo padre’ além de ser de “grande importância para o reino de Deus”, conforme Concílio do Vaticano 2, “uma Autoridade mundial torna-se o único horizonte compatível com as novas realidades do nosso tempo e com as necessidades da espécie humana” e conclama a que a “humanidade seja autenticamente uma única família, chegando a conceber um novo mundo com a constituição de uma Autoridade pública mundial, ao serviço do bem comum” (Fonte: Vaticano – A Cúria Romana, site da Igreja Católica Apostólica Romana:

Que Besta é essa?

Os adventistas dizem que o papa é a própria Besta. Isto com base em argumentos visíveis, pois o mesmo número desse homem-líder mundial – o 666 – aparece na frase em latim da tiara papal: Representante do Filho de Deus, que, se somados os números em algarismo romano dá justamente 666, dentre outras indicações! Também porque o papa representa hoje o lado religioso do Império Romano, uma vez que a Igreja Católica Apostólica ROMANA (grifo nosso) tem sua matriz em Roma, a mesma cidade sede do Império dos Césares, que mataram centenas de nossos irmãos da Igreja Primitiva.

Mesmo que ela não seja a Besta, seus ideários estão em acordo com a profecia: “Estes têm um mesmo intento, e entregarão o seu poder e autoridade à besta”, Ap 17.13.

Por outro lado, a mesma associação tida como cristã – definição mais sociológica que propriamente representativa – também matou milhares de cristãos em especial na Idade Média. Somente na Noite de São Bartolomeu, milhares de huguenotes (nome pejorativo dado aos cristãos pelo catolicismo) foram mortos na França.

É certo que em países de Primeiro Mundo o catolicismo romano não tem expressado tanta idolatria (culto aos ídolos), como em países miseráveis por ela colonizados, como todos os povos da América Latina – mas, paira sobre ela a doutrina das tradições que ‘suplantam’ a Palavra.

O governo mundial passou a ter a predominância religiosa num misto de poder humano e influência religiosa, sob o auspício do paganismo misturado ao cristianismo formando uma nova visão dominante do mundo refletido na mulher do capítulo 17 de Apocalipse.

A nova visão forma outra imagem do domínio do mundo, ao descaracterizar tudo em busca de um novo modelo: os impérios, o paganismo e o cristianismo, se fundem e formam a nova visão mundial.

Tudo isso foi preconizado por Constantino a partir de 313. Ao ganhar o império, cumpriu com o que prometeu dando liberdade aos cristãos, devolvendo suas terras confiscadas, outorgando a eles prestígio, mas acabou assumindo o domínio da Igreja como um imperador-papa.

Após o fim do Império Romano, depois da divisão entre Roma e Constantinopla, em 419, os papas – agora já instituídos oficialmente –, perceberam a forma de domínio assumindo-a conforme nos mostra a profecia bíblica escrita mais de dois séculos antes, e a própria História.

Coincidência ou fato?!

“E veio um dos sete anjos que tinham as sete taças e falou comigo, dizendo-me: Vem, mostrar-te-ei a condenação da grande prostituta que está assentada sobre muitas águas, com a qual se prostituíram os reis da terra; e os que habitam na terra se embebedaram com o vinho da sua prostituição. E levou-me em espírito a um deserto, e vi uma mulher assentada sobre uma besta de cor escarlate, que estava cheia de nomes de blasfêmia e tinha sete cabeças e dez chifres. E a mulher estava vestida de púrpura e de escarlata, adornada com ouro, e pedras preciosas, e pérolas, e tinha na mão um cálice de ouro cheio das abominações e da imundícia da sua prostituição. E, na sai testa, estava escrito o nome: MISTÉRIO, A GRANDE BABILÔNIA, A MÃE DAS PROSTITUIÇÕES E ABOMINAÇÕES DA TERRA. E vi a que mulher estava embriagada do sangue dos santos e do sangue das testemunhas de Jesus. E, vendo-a eu, maravilhei-me com grande admiração. E o anjo me disse: Por que te admiras? Eu te direi o mistério da mulher e da besta que a traz, a qual tem sete cabeças e dez chifres. E disse-me: As águas que viste onde se assenta a prostituta, são povos, e multidões, e nações, e línguas. E os dez chifres que viste na besta são os que aborrecerão a prostituta, e a porão desolada e nua, e comerão a sua carne, e a queimarão no fogo. Porque Deus tem posto em seu coração que cumpram o seu intento, e tenham uma mesma idéia, e que dê, à besta o seu reino, até que se cumpram as palavras de Deus. E a mulher que vista é a grande cidade que reina sobre os reis da terra”, Ap 17.1-7, 15-18.

Essa grande cidade é Roma e a Prostituta do Apocalipse (17) é o sistema religioso dominante.

Um grande líder – novidade bem-vinda ao mundo

Há dezenas de anos, o mundo não conhece líderes de influência mundial como cientistas, imperadores, presidentes norte-americanos, líderes russos, revolucionários, e mesmo no setor político. O mesmo acontece aos demais setores da sociedade como esportes, artes e até na religião. Não temos mais homens que se destacam por suas afinidades ou qualidades extraordinárias. O que vemos hoje são destaques que se alinham entre si e não se sobrepõem.  Portanto, um líder no mundo hoje seria uma novidade aplaudida e recebida como um “renovo” e o que surgir, com certeza dominará o mundo.

Declarações pró-governo único

Veja algumas declarações que dão mostra da realidade que nem todos enxergam:

– Uma pesquisa indica que “Sessenta por cento dos alemães são favoráveis a um presidente continental”.

– “A aliança é boa, mas não é uma ‘santa’ aliança”, já dizia François Mitterrand.

– “É preciso acertar o relógio com o mundo”, Giovani Spadolini, então presidente do Senado italiano, que esperava por um “governo mundial da humanidade”.

– “Está emergindo a possibilidade de um administrador global do planeta”, violonista Yehudi Menuhin.

 O Sistema dominado pela Mente Milenar

Diferente do significado de cosmo, conforme alguns textos indicativos na Bíblia, mundo diz respeito ao sistema dominante, retratado pela Palavra como algo dominado pelo maligno (1Jo 5.19). Esse é o que provoca as circunstâncias aflitivas aos cristãos, conforme disse o Senhor: “… no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo” (Jo 16.33). “… mundo é uma instituição perversa, contrária ao seu espírito e aos seus ensinamentos” (Novo Testamento, tradução dês textos originais, com notas, dirigida pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma, 1967 by Edições Paulinas – São Paulo), mas vencido pelo Senhor.

Obs: Mantive a grafia original dos textos aspados, conforme grafia da usada em Portugal.
Textos compilados do livro de minha autoria: Fronteira Final-CPAD. 

Read Full Post »

Se o homem não deixar de consumir combustíveis fósseis também não terá como minimizar as consequências da braveza dos mares que, de imediato destruirá várias cidades costeiras. E se o consumo deixar de acontecer agora, o homem ainda sofrerá os danos provocados à atmosfera pelo período de 30 a 50 anos, até que o gás já emitido seja dissipado. 

Com o atual retrato a previsão é de que a água deverá subir entre 4 e 5m de altura. Nos Estados Unidos as principais cidades a serem atingidas são Baltimore, Miami, Nova Orleans, Nova Iorque e até Washington, além de Londres, na Inglaterra. 

Nova Orleans sofreu com o Katrina, mas nada foi feito para minimizar novas catástrofes, segundo cientistas, que prevêem outros furacões

Nova Orleans sofreu com o Katrina, mas nada foi feito para minimizar novas catástrofes, segundo cientistas, que prevêem outros furacões

Além dessas, outras cidades costeiras do mundo sofrerão o mesmo efeito, devido às alterações do derretimento das calotas polares e de grandes geleiras. À medida que as calotas derretem aparecerão áreas escuras (antes gélidas e claras), onde o sol ganhará força de impacto, fenômeno chamado pelos cientistas de Efeito Feedback. 

Esse desaparecimento também indica que o homem presenciará mudanças na Terra. Mas, atualmente, já se registra o desaparecimento de geleiras em todo o mundo. Nas últimas 3 décadas, cerca de 25% das geleiras peruanas desapareceram. 

Esse registro ocasiona outro efeito nas regiões afetadas. As mudanças, por serem radicais, exigem alterações e respostas rápidas do homem na questão da sobrevivência. Os exemplos registrados até hoje mostram que a segunda parte não acontece.

Ao nível dos oceanos que aumentam junte-se o calor nos mares. No ano 2000, um acontecimento jamais visto deixou cientistas perplexos. Uma barreira de 11 mil metros quadrados de gelo desprendeu-se da calota da Antártida e em torno de 3 trilhões de toneladas de gelo seguiram mar adentro. 

Caso somente o gelo da Antártida e da Groelândia se derreta, o nível do mar aumentará até 9m, segundo previsão científica.  

Programa Grace 

A seriedade da situação fez com que a entidade científica de influência global, a Nasa, se unisse a outra agência alemã, para juntas construírem o Programa Grace, com o objetivo de ‘bisbilhotar’ os efeitos do degelo. O programa lançou os satélites Tom e Jerry, que há cinco anos medem as alterações gravitacionais ocasionadas pelo derretimento de gelo na Groelândia e na Antártida. Toda a água compactada em blocos de gelo ao derreter, ocasiona mais pressão por ocupar mais volume no espaço. 

Satélites monitoram os efeitos do degelo na pressão atmosférica

Satélites monitoram os efeitos do degelo na pressão atmosférica

Segundo cientistas o calor derrete entre 100 e 200 bilhões de toneladas de gelo por ano. 

Invasão de mares 

Em muitos lugares do mundo o mar é o responsável pela perda de terra seca em função ao aumento de seu nível. Em Bangladesh fazendeiros perderam áreas de plantação de arroz por causa da invasão de água salgada do mar. Além de causar sérios problemas sócio-econômicos, provocando a mudança de comportamento de animais e migrações em massa para países desenvolvidos, o risco da falta de água potável é outro grande problema a enfrentar. 

No Rio de Janeiro 

Em São João da Barra, no norte fluminense, uma maré alta destruiu um prédio de quatro andares, em 5 de abril de 2008. Nos últimos 35 anos, o mar avança a média de 3m a cada 12 meses. Mais de 200 casas já foram destruídas pelas ondas, desabrigando moradores. 

Segundo pesquisas do Departamento de Engenharia Cartográfica da Universidade do Estado de Rio de Janeiro (Uerj), nos últimos meses a erosão tem se acelerado, além do previsto e avançou 7m, o dobro da média anual, medida desde a década de 50. 

Nos Estados Unidos 

A cada dia a água do mar invade 30cm de área da cidade de Luziânia (EUA) e grandes áreas de terra são consumidas pelo mar. Na mesma região, 13 ilhas desapareceram nos últimos 100 anos e a remanescente Ilha Robert já perdeu 8m de terra desde junho de 2008. 

No século passado, os Estados Unidos sofreram a ação devastadora provocada por 167 furacões. Os mais violentos foram o Vilma, Rita e o Katrina. 

O Projeto Argo, lançado para medir o estado físico dos oceanos, mostra por meio de 3 mil bóias distribuídas pelos oceanos, que o aquecimento ocorre com velocidade alarmante. 

E somente neste século, os cientistas prevêem a elevação do nível do mar entre 30 a 90cm. 

Cidades vulneráveis 

As cidades norte-americanas ameaçadas por furacões do nível 2 (como o Isabel), são Baltimore, Nova Orleans, Miami, Nova Iorque e até Washington. Londres não fica fora da lista. Elas são vulneráveis a furacões que podem provocar o aumento do nível do mar e inundações de 4 a 5m. 

Segundo previsões, os furacões continuarão e com maior incidência

Segundo previsões, os furacões continuarão e com maior incidência

Na Europa 

Em fevereiro de 1953, a força dos ventos e a maré alta destruíram diques na Holanda, desenvolvidos desde a Idade Média. O resultado foi desastroso, pois 300 fazendas e 3 mil casas foram destruídas e 1,8 mil pessoas morreram. Em 2007 o mar invadiu a capital da Finlândia. 

Destruição de efeito dominó 

Os pântanos, ao lado das ilhas, são acidentes geográficos que minimizam a ação de furacões, por desgastar por fricção, a velocidade do vento. Mas, também, ao lado das ilhas, segundo pesquisa, os pântanos estão desaparecendo.

O aumento da temperatura dos oceanos também ocasiona tempestades violentas. O oceano mais quentes e o aquecimento que provoca o degelo de calotas polares, causará destruição sem limites. 

Leia mais no livro Fronteira Final

Fonte: TV

Read Full Post »

 

 

A crise que atingiu as finanças mundiais partiu da “quebradeira” nos EUA. A Bolsa norte-americana levou também outras ao poço, uma vez que o dólar ainda permanece como moeda mais forte do mundo.

Logo após os desdobramentos do resultado da falta de solidez de representações financeiras norte-americanas, com a crise do calote de imóveis financiados pelos bancos do país, sem o cuidado de obter garantias em troca, a caldo entornou. Tornou-se pior ainda a partir da recusa de injeção de 700 bilhões de dólares do Tesouro nacional, pelo Congresso norte-americano, forma de atenuar os efeitos colaterais. Interferências políticas, com vistas à eleição deste mês de outubro, quando o novo presidente deve ser eleito, incluindo manobras “fantásticas”, engendradas por mentes maquiavélicas, interferiram na “salvação” financeira. O pior de tudo isso é que o mundo todo começa a sentir os efeitos drásticos dessa amarração e algumas empresas já contabilizam perdas, não só as Bolsas.

Os “espirros” pelo mundo, a partir da contaminação do vírus estadunidense, se percebe em bancos na Islândia, Bélgica, Alemanha, Inglaterra, Holanda e no próprio EUA.

 
Na verdade, todos os ecônomos estão cientes que não existe sustentação viável para que o sistema financeiro atual, que regula os mercados, o fluxo de capitais, a compra e a venda, agüente por muito tempo. Esse sistema está praticamente falido e clama por outro mais eficaz. Além disso, o próprio tempo e o avanço tecnológico pedem isso. Por exemplo, o sistema atual de troca e medida de valor, representado na moeda, é uma invenção de milhares de anos… Ela substituiu a simples troca de mercadorias – o boi pelos grãos, o cabrito pelo serviço, o alimento pela vestimenta… Com ela vieram os bancos, que absorveram os riscos de a pessoa guardar o seu tesouro debaixo do colchão. Porém, hoje, a sociedade conta com meios muito mais eficientes, além de digitais. Há muito tempo, o dinheiro plástico trafega paralelamente ao comum, ao lado do acionamento da riqueza simplesmente por meio da voz, de sinais digitais, que deixam para trás, séculos, esse sistema.

Junte-se a isso os apelos sociais de combate à miséria, para um mundo mais justo, a busca do equilíbrio sócio-econômico, os apelos do homem pós-moderno, a convergência em busca da harmonia…

 
O próprio sistema pede sua substituição, pois não consegue mais andar com suas próprias pernas, enquanto a sociedade não consegue ver seus anseios atendidos.

O que deve ocorrer? Bem, o mundo tem um palco montado e propício para receber um novo meio de governo e distribuição de suas riquezas. Os ricos não mais estão seguros de que permanecerão ricos para sempre. Os miseráveis – não mais tão ignorantes como antes, com acesso a todos os meios de conhecimento, após a invenção dos meios modernos de comunicação, intensificado pela globalização –, querem parte do bolo. Acumulado a tudo isso está a força política que leva o mundo (todo) rumo à social-democracia. E este regime político-administrativo busca o acesso de classes chamadas excluídas ao centro, para a participação efetiva da distribuição de riquezas produzidas pelo mundo. Observo aqui as sociais-demagogias, que usam o nome democracia como verdadeiro engodo.

Temos um circo armado. O que falta ainda?

A pessoa capaz de gerir o novo processo de mudança.

Como ela será inserido?

Simultaneamente ao apelo por um novo sistema de câmbio (barganha) percebe-se claramente que há outra crise paralela: a de ausência de líderes no mundo. E isso ocorre em todos os segmentos humanos, porém, o que mais atrai a atenção é o político. Os últimos foram vistos até a década dos anos oitentas, e, depois disso…

O mundo clama por um líder, tem sede, pede, necessita…

Por fim, recorremos à profecia bíblica, que trata desses dois momentos: O de um líder que irá governar o mundo, com poder legítimo concedido a ele por seus “pares”, e que o mesmo vai implantar um sistema de débito-crédito perfeito, do ponto de vista humano, a partir da viabilidade oferecida a partir do advento da informática: “E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na mão direita ou na testa, para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número de seu nome”, Ap 13.16-17.

Perfeito, não?! Mas não se iluda. Ele não será a salvação e tampouco o Fim!

Read Full Post »

Older Posts »