Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘escola bíblica dominical’

“E ao anjo da igreja que está em Filadélfia escreve: Isto diz o que é santo, o que é verdadeiro, o que tem a chave de Davi; o que abre, e ninguém fecha; e fecha, e ninguém abre: Conheço as tuas obras; eis que diante de ti pus uma porta aberta, e ninguém a pode fechar; tendo pouca força, guardaste a minha palavra, e não negaste o meu nome. Eis que eu farei aos da sinagoga de Satanás, aos que se dizem judeus, e não são, mas mentem: eis que eu farei que venham, e adorem prostrados a teus pés, e saibam que eu te amo. Como guardaste a palavra da minha paciência, também eu te guardarei da hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo, para tentar os que habitam na terra. Eis que venho sem demora; guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa. A quem vencer, eu o farei coluna no templo do meu Deus, e dele nunca sairá; e escreverei sobre ele o nome do meu Deus, e o nome da cidade do meu Deus, a nova Jerusalém, que desce do céu, do meu Deus, e também o meu novo nome. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas”, Ap 3.7-13.

Informações gerais 

Abrangência/época: A partir de 1750 (Ap 3.7-13).

Significado: Igreja do amor fraternal.

Fato crítico: Não tem.

Elogio: Guardaste a minha Palavra e não negaste o meu nome – v10.

Exortação: Venho em breve, guarda o que tens para ninguém tome – v11.

Galardão ao que vencer: Coluna do Templo divino terá o nome de Deus e de sua cidade, e o novo nome de Cristo – v12.

Significado histórico: Igreja do Arrebatamento.

Identificação

Hoje Alaseher, na Turquia, Filadelfia era uma cidade pequena, localizada na zona de terremotos a 45 quilômetros a sudeste de Sardes. Fundada em 154aC por Attalos II, rei de Pérgamo.

O nome dessa igreja vem de phileo (grego) que significa amor fraterno. É o amor de uma pessoa para outra, amor recíproco. Esse amor contrasta com as orgias sexuais, propostas pelas doutrinas balaonista e jezabelista, centradas no amor sensual (grego heros). Daí as palavras derivadas erótica e erotismo.

Santo e Verdadeiro

Quem diz a Filadelfia é o Santo e Verdadeiro, nomes que representam atributos divinos, conforme Jeremias

“Mas o Senhor Deus é a verdade; ele mesmo é o Deus vivo e o Rei eterno; ao seu furor treme a terra, e as nações não podem suportar a sua indignação” e João 17.3: “E a vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só, por único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste” e especificamente a Jesus (Jo 14.6) e o que tem a chave de Davi, conforme Isaías 22.22: “E porei a chave da casa de Davi sobre o seu ombro, e abrirá, e ninguém fechará; e fechará, e ninguém abrirá”.

Jesus, sucessor do Trono de Davi

Filadélfia, além de não ter reprovação tem elogios, somente é exortada a resistir aos que se proclamam judeus e não o são. Enquanto Pérgamo mantinha o culto imperial, constituindo-se o “trono de Satanás”, enquanto em Filadelfia havia a “Sinagoga de Satanás”, em função de os `falsos` judeus. Estes epítetos diabólicos, indicam inimigos dos verdadeiros cristãos e, portanto, de Deus.

Porém, nela o Todo-Poderoso tem a chave: que abre e ninguém fecha; que fecha e ninguém abre, e a bênção de ter diante de si uma porta aberta.

Nesta passagem, a mensagem quer mostrar, inclusive à resistência judaica, que Jesus é o verdadeiro sucessor do trono de Davi:

“E porei a chave da casa de Davi sobre o seu ombro, e abrirá, e ninguém fechará; e fechará, e ninguém abrirá. E fixá-lo-ei como a um prego num lugar firme, e será como um trono de honra para a casa de seu pai. E nele pendurarão toda a honra da casa de seu pai, a prole e os descendentes, como também todos os vasos menores, desde as taças até os frascos. Naquele dia, diz o Senhor dos Exércitos, o prego fincado em lugar firme será tirado; e será cortado, e cairá, e a carga que nele estava se desprenderá, porque o Senhor o disse”, Is 22.22-25.

Caracteriza verdadeiro convite aos judeus a se converterem a Cristo e passarem, a partir de então, a perceberem a realidade da revelação divina a respeito do sucessor de Davi – o Messias já enviado e não esperado, conforme prega o Judaísmo, por não acreditar em Cristo.

Pouca força

Esta era uma das principais características da Igreja de Filadelfia, pois não mantinha a mesma influência das demais cidades-fortes, mas os crentes eram pobres e sem influência temporal, social ou humana.

A leitura do texto do versículo 8 deve submeter-se à pontuação, pois, caso contrário, emite outra ideia: “… diante de ti pus uma porta aberta, e ninguém a pode fechar”… Aqui o primeiro período se completa e segue, a partir de um ponto-e-vírgula – quase um ponto-final – o com outro período: “… sei que dispões de poucas forças” (outra tradução), e segue: “… e, contudo, tens guardado a minha palavra, e não negaste o meu nome”. Coisa gloriosa essa contraste, não é mesmo?!

Ainda que pobre, no sentido restrito e humano, essa igreja permanecia totalmente na dependência do Senhor e confiante Nele e nas suas gloriosas promessas e exaltação, conforme texto subseqüente: “farei que venham, e adorem prostrados a teus pés, e saibam que eu te amo” (v9).

Limites e vitórias

Outro fato relevante na mensagem a Filadélfia é o limite suportável das últimas coisas, que cremos ser desgastes como desvios morais e sociais no mundo e de não deixá-la passar pela Grande Tribulação ou provocação universal, que precede a Volta de Jesus:

“Como guardaste a palavra da minha paciência, também eu te guardarei da hora da tentação que há de vir dobre todo o mundo, para tentar os que habitam na terra”, v10 (cf Ap 7.14).

Unicamente nela está a promessa do Retorno (em breve) do Senhor:

“Eis que venho sem demora, guarda a tua coroa para ninguém a tome”.

Como coroa fala de domínio, parece indicar o lugar dado pelo Senhor – o nome escrito no Livro da Vida. Como diz Provérbios 5.9: “para que não dês a outros a tua honra”.

Portanto, cremos ser a Igreja do Arrebatamento, conforme vemos pelas próprias profecias e história das sete igrejas. Todas têm um período, em que a história descrita pela Bíblia, casa perfeitamente com suas respectivas épocas. Sendo assim, não haveria mais tempo tanto para regredir e focar outra igreja, para a época em que vivemos, quanto para prosseguir e chegar a Laodicéia.

A promessa aos vencedores é de receber o nome eterno do Senhor, entre outras bênçãos:

“A quem vencer, eu o farei coluna do templo do meu Deus, e dele nunca sairá; e escreverei sobre ele o nome de meu Deus e o nome da cidade do meu Deus, a nova Jerusalém, que desce do céu, do meu Deus, e também o meu novo nome”, 3.12.

O nome eterno do Senhor está descrito em Isaías 56.5: “Também lhes darei na minha casa e dentro dos meus muros um lugar e um nome, melhor do que o de filhos e filhas; um nome eterno darei a cada um deles que nunca se apagará”.

Read Full Post »

“E ao anjo da igreja que está em Esmirna, escreve: Isto diz o primeiro e o último, que foi morto, e reviveu: Conheço as tuas obras, e tribulação, e pobreza (mas tu és rico), e a blasfêmia dos que se dizem judeus, e não o são, mas são a sinagoga de Satanás. Nada temas das coisas que hás de padecer. Eis que o diabo lançará alguns de vós na prisão, para que sejais tentados; e tereis uma tribulação de dez dias. Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: O que vencer não receberá o dano da segunda morte” (Ap 2.8-11).

Abrangência/época: De100 a 312 (Ap 2.8-11).

Significado: Anestésico (Sofrimento).

Fato crítico: Não há.

Elogio: Suporta a perseguição.

Exortação: Sê fiel até a morte.

Galardão ao que vencer: Não morrerá.

Significado histórico: Auge da perseguição romana.

Identificação – Esmirna localizava-se na Ásia Menor, a cerca de 40 quilômetros ao norte de Éfeso e constituía-se rival desta. Possuía o principal porto da Ásia, voltado para o comércio do Mar Egeu. Fundada por volta do ano 1000aC e destruída 4 séculos depois pelos Lídios. Reconstruída por volta de 300aC, por Alexandre, o Grande. Pode-se ver ainda hoje as ruínas da antiga cidade, na moderna Izmir (de Smyrna), na Turquia.

Nela, segundo comentários da Bíblia de Estudo – Aplicação pessoal, havia uma luta interna entre judeus, que se opunham aos cristãos, e cidadãos que eram simpáticos ao domínio romano e à adoração ao imperador. Dado essa identidade peculiar, as perseguições eram frequentes.

Seu principal e talvez primeiro bispo fora Policarpo (de 70 a 160dC), natural da cidade e discípulo de João e, segundo a história, morto pela perseguição romana.

Por outro lado judeus, com uma grande colônia, ao se ajuntaram à adoração em suas sinagogas, serviam aos propósitos de Satanás e não aos de Deus, e acabavam por formar a “sinagoga de Satanás”, conforme a mesma fonte acima, que afirma ainda que a cidade era famosa por suas competições esportivas, mas a coroa final que o Senhor oferece – a coroa da vida (v10) – está acima do laurel que os competidores ganhavam – a coroa corruptível.

Em oposição a essa fidelidade, muito discutida na época, em função do domínio romano, o Senhor diz:

– “Sê fiel até à morte”, e dar-te-ei a coroa da vida” (2.10).

Esmirna mantinha inúmeros cultos e deuses com seus templos instalados no Monte Pagos – Apolo, Dionísio (Baco), Cibele: Representada em uma moeda e com uma coroa; Afrodite: a deusa da promiscuidade, da fecundação; Esculápio: Protetor da Medicina. Todos formavam uma verdadeira ‘sinagoga’ de Satanás, nome usado para nomear os judeus que se davam a tal adoração e, por conseguinte, perseguiam os cristãos.

Mirra – Esmirna deriva-se de mirra. Segundo Aurélio mirra é palavra de origem semítica; do grego myrrha. “Designação comum a duas árvores da família das burseráceas (Commiphora mallis e C. myrrha), originárias da África, cuja resina dimana por incisão e se usa como incenso e em perfumes, unguentos”. Também para embalsamar. Daí tem-se o contraste com o Cristo vivo:

– “E ao anjo da igreja que está em Esmirna escreve: Isto diz o Primeiro e o Último, que foi morto e reviveu”, 2.8.

Analgésico – Alguns preferem afirmar que Esmirna tem que ver com analgésico – que elimina a dor, elemento protetor natural ao homem. A dor faz com que fujamos daquilo que machuca, causa ferimentos e, portanto, dói. Se a criança coloca a mão no fogo, sentirá a dor da queimadura e a tendência natural é a de não fazer o mesmo novamente. O corte de uma faca, por exemplo, faz com que o cérebro humano emita reação semelhante.

Portanto, as pessoas acometidas de doença que elimina a dor necessitam de cuidadoso e constante acompanhamento para que não quebrem ossos, por exemplo. Quem não sente dor ao quebrar um órgão do corpo, poderá ser acometido de gangrena, em função da fratura e suas consequências não curadas, e morrer.

Pobreza – Esmirna era pobre, e conforme comentário de rodapé da Bíblia de Estudo Pentecostal (CPAD), o termo no original para designar a pobreza dessa cidade é ptocheia (que não possui nada). Esse termo indica alguém miserável, pobre por completo. O outro termo para pobreza no grego é peniah, que ou quem já possuí o essencial. “A pobreza dos cristãos em Esmirna era geral; economicamente, não tinham recursos, pois havia muitos escravos na igreja. Mas Jesus diz que eram ricos espiritualmente”. Enquanto Esmirna, uma igreja pobre é vista como rica; Laodicéia, que vivia em meio à riqueza é tida como pobre.

Perseguição – A Igreja naquela cidade vivia sobre constante perseguição, tribulação (aperto, pressão). Essa igreja passou pelo pior período da perseguição romana:

– “Não temas as coisas que hás de padecer. Eis que o diabo lançará alguns de vós na prisão, para que sejais tentados; e tereis uma tribulação de 10 dias. Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida”, 2.10.

Parece que essa perseguição de 10 dias, faz referência a 10 imperadores ou ao período compreendido de seus governos que abrangeu o tempo de aproximadamente 200 anos – período dessa igreja. Para Esmirna o conselho é: “Sê fiel até a morte”.

Tentação (Provação) – Testados como se testa metal (dokimazetô), cf  1Co 11.28: “Examine-se a si mesmo”, para ser aprovado, no grego dokimos (conversão real, sinceros, 1Co 11.19), em oposição a adokimos (reprovado).

APLICAÇÃO

I – JESUS, ÚNICO DEUS – É (o único) Deus Eterno e Criador (“o primeiro e o último”);

II – RESSUSCITOU – O único que foi morto e ressuscitou (“que foi morto, e reviveu”);

III – UNISCIENTE – (“Conheço as tuas obras, e tribulação, e pobreza”);

IV- SENHOR ‘DONO’ DE TUDO – (“mas tu és rico”);

V – TODO-PODEROSO – (“Nada temas das coisas que hás de padecer”);

VI – LEAL – (“Sê fiel até à morte”);

VII – VIDA ETERNA – (“dar-te-ei a coroa da vida”);

VIII – VITORIOSO – (“O que vencer não receberá o dano da segunda morte”).

A maioria das informações foi extraída do livro Fronteira Final (Escatologia), MESQUITA, Antônio, 2007, Fronteira Final, A Terra geme e chora, CPAD.

Read Full Post »