Feeds:
Posts
Comentários

Archive for novembro \26\UTC 2011

Em Nota do Pontifício Conselho Justiça e Paz com o subtítulo Para uma reforma do sistema financeiro e monetário internacional na perspectiva de uma autoridade pública de competência universal, o líder da Igreja Católica Apostólica Romana, de forma indireta, evoca o Governo do Anticristo, por meio de argumentos humanistas. A extensa exposição papal corrobora com os intentos preconizados pelo Apocalipse, com indiscutível semelhança e está publicada no site do Vaticano – A Cúria Romana.

Os argumentos católicos romanos são convincentes do ponto de vista do humanismo – o homem em primeiro lugar: “Ninguém, conscientemente, pode aceitar o desenvolvimento de alguns países em desvantagem de outros”, porém, agride a mensagem cristã que coloca Deus em primeiro lugar. Ao cristão segue o chamamento do Senhor de buscar o Reino de Deus em primeiro, pois “Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de odiar um e amar o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e a Mamom” e “…buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas”, Mt 6.24,33.

“…o caminho rumo à construção de uma família humana mais fraterna e justa e, antes ainda, de um renovado humanismo (grifo nosso) aberto à transcendência, parece ainda muito actual o ensinamento do Beato João XXIII. Na profética Carta encíclica Pacem in terrisde 1963, ele previa que o mundo se ia encaminhando rumo a uma unificação cada vez maior. Portanto, reconhecia o facto de que, na comunidade humana, faltava uma correspondência entre a organização política, «no plano mundial, e as exigências objectivas do bem comum universal».(11) Por conseguinte, desejava que um dia se pudesse criar «uma Autoridade pública mundial”.

A ideia do bem coletivo nada tem que ver com os projetos do Reino, pois sabemos da inviabilidade de se misturar óleo e água, mesmo quando “Face à unificação do mundo, favorecida pelo complexo fenómeno da globalização; perante a importância de garantir, para além dos demais bens colectivos, o bem representado por um sistema económico-financeiro mundial livre, estável e ao serviço da económica real, hoje o ensinamento da Pacem in terris parece ainda mais vital e digno de urgente concretização.”

“O próprio Bento XVI, no sulco traçado pela Pacem in terris, manifestou a necessidade de constituir uma Autoridade política mundial. (…) Pensemos, por exemplo, na paz e na segurança; no desarmamento e no controle dos armamentos; na promoção e na tutela dos direitos fundamentais do homem; no governo da economia e nas políticas de desenvolvimento; na gestão dos fluxos migratórios e na segurança alimentar; e na salvaguarda do meio ambiente. Em todos estes âmbitos, é cada vez mais evidente a crescente interdependência entre Estados e regiões do mundo, e a necessidade de respostas, não apenas sectoriais e isoladas, mas sistemáticas e integradas, inspiradas pela solidariedade e pela subsidiariedade, e orientadas para o bem comum universal.”

Paz e Segurança

Sobre a frase “na paz e na segurança”, analise a semelhança com o alerta bíblico a respeito do acordo entre o Anticristo e os judeus: “Haverá paz e segurança” (1Ts 5.3). O texto todo diz: “Mas, irmãos, acerca dos tempos e das estações, não necessitais de que se vos escreva; Porque vós mesmos sabeis muito bem que o dia do Senhor virá como o ladrão de noite; Pois que, quando disserem: Há paz e segurança, então lhes sobrevirá repentina destruição, como as dores de parto àquela que está grávida, e de modo nenhum escaparão. Mas vós, irmãos, já não estais em trevas, para que aquele dia vos surpreenda como um ladrão; Porque todos vós sois filhos da luz e filhos do dia; nós não somos da noite nem das trevas”, 5.1-5.

Não obstante ser uma argumentação plausível, somente ao homem natural resta à busca, com vistas à construção de um paraíso terrestre conforme desígnios do Anticristo, justamente por opor-se ao Paraíso celestial, proposto pelo Senhor. No contexto da Salvação em Cristo está o alerta paulino: “Tende cuidado, para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo”, Cl 2.8.

Quando o papa fala em direito universal, “recorda Bento XVI, se não percorrermos este caminho, também «o direito internacional, não obstante os grandes progressos realizados nos vários campos, correria o risco de ser condicionado pelos equilíbrios de poder entre os mais fortes», trata da unificação do próprio direito, hoje sob entraves de algumas barreiras ‘retrógadas’ como o aborto, pesquisa com células embrionárias, união estável entre pessoas do mesmo sexo etc. A ONU busca essa unificação. Ela deverá ocorrer ainda que seja pela truculência do poder dominante, como ocorreu no Brasil, recentemente, com respeito à desconstrução da Constituição pelo STF.

A ONU constitui-se um dos starts e que já tem figura reconhecida para a “Autoridade pública de competência universal” é a “Organização das Nações Unidas, em virtude da extensão mundial das suas responsabilidades, da sua capacidade de reunir as Nações da terra e da diversidade das suas tarefas e das suas Agências especializadas.”

Com proximidade muito tênue, a Bíblia diz o seguinte, sobre o Governo Único: “E foi-lhe permitido fazer guerra aos santos, e vencê-los; e deu-se-lhe poder sobre toda a tribo, e língua, e nação. E adoraram-na todos os que habitam sobre a terra, esses cujos nomes não estão escritos no livro da vida do Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo. Se alguém tem ouvidos, ouça”, E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas, Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome. Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule o número da besta; porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis”, Ap 13.7-9, 16-18.

“Ela deverá surgir de um processo…”

Por sua vez, o papa diz que essa “autoridade supranacional deve possuir uma delineação realista e ser realizada com gradualidade, com o objectivo de favorecer também a existência de sistemas monetários e financeiros eficientes e eficazes, ou seja, mercados livres e estáveis, disciplinados por um adequado quadro jurídico, funcionais para o desenvolvimento sustentável e para o progresso social de todos, inspirados nos valores da caridade na verdade.”

Quando o papa trata de fases preliminares para a instalação do que o catolicismo romano define como “Autoridade política mundial”, “Governo da Globalização” ou “Comunidade das Nações”, fala da possibilidade de emergir de “uma instituição legitimada, capaz de oferecer uma guia eficaz e, ao mesmo tempo, de permitir que cada país expresse e persiga o próprio bem particular”, parece-me que o papa tenta indicar sua organização religiosa.

Também não faltou a filosofia do traidor Judas, que condena o uso do aroma caríssimo empregado em Jesus por Maria, pois na mente de Judas, o produto deveria ser ‘leiloado’ e os 300 dinheiros usados para distribuição de cestas básicas. Os pobres constituem o trunfo de sempre dessas mentes férteis, mas eles sempre os mantêm.

Segundo o papa, essa Autoridade supranacional deve ser “colocada ao serviço do bem de todos” sem a supremacia de “dos países mais desenvolvidos sobre os países mais débeis.”, pois as políticas “mais urgentes” são “as relativas à justiça social global: políticas financeiras e monetárias que não danifiquem os países mais débeis; políticas destinadas à realização de mercados livres e estáveis e a uma distribuição equitativa da riqueza mundial através também de formas inéditas de solidariedade fiscal e global”.

A autoridade desse governo, mostrada pela Palavra: “E faz que a todos” não é esquecida pelo líder do catolicismo romano, ao afirmar que “a liberdade das pessoas e das comunidades de pessoas” serão respeitadas.

Quando o líder católico fala em “nações, pequenas ou grandes”, até soa como proposital, quando enfatiza os domínios do Governo do Anticristo, sobre sua urgência e tempo oportuno, dada à similaridade com o texto bíblico.

“Os tempos para conceber instituições com competência universal chegam quando estão em jogo bens vitais e partilhados por toda a família humana, que os Estados individualmente não são capazes de promover e proteger sozinhos.” e ainda impele o povo a aceitar de forma consciente o que é denominada de “nova dinâmica mundial rumo à realização de um bem comum universal.” E ainda do surgimento “de uma nova sociedade”, a construir “novas instituições com vocação e competência universais”, pois “Está em jogo o bem comum da humanidade e o próprio futuro.”

Embora use a família para introduzir a mente milenar de domínio, sabe-se que essa base da sociedade humana tem sido deixada para trás, quando o assunto é humanismo. E na mensagem cristã o homem deve ser primeiramente regenerado para, depois, poder receber a bênção do Senhor e manter-se estável quanto à vida humana, conforme 1Pd 1.23-24: “Sendo de novo gerados, não de semente corruptível, mas da incorruptível, pela palavra de Deus, viva, e que permanece para sempre. Porque Toda a carne é como a erva, E toda a glória do homem como a flor da erva. Secou-se a erva, e caiu a sua flor”.

Governança Global

Em A reconstrução do mundo (Clovis Rossi, FSP, Opinião, 4/4/03), o articulista diz o seguinte: “Fala-se de uma tarefa nada trivial: reconstruir o mundo ou mais propriamente a governança global, a cargo das Nações Unidas.” Ele cita declaração do chanceler Celso Amorim, que defende uma ação mais efetiva da ONU, não somente com a incumbência de prestar “auxílio humanitário e da reconstrução do Iraque. É preciso reconstituir a barganha inicial, em que cada um cede um pouco, para reconstruir a governança global’, diz o então chanceler brasileiro.” (Fronteira Final, CPAD, livro de minha autoria)

Esse sistema seria à moda Robin Woody e, neste caso, todos teriam, em tese, os mesmos direitos, sempre sendo controlados por uma central.

Para o ‘santo padre’ além de ser de “grande importância para o reino de Deus”, conforme Concílio do Vaticano 2, “uma Autoridade mundial torna-se o único horizonte compatível com as novas realidades do nosso tempo e com as necessidades da espécie humana” e conclama a que a “humanidade seja autenticamente uma única família, chegando a conceber um novo mundo com a constituição de uma Autoridade pública mundial, ao serviço do bem comum” (Fonte: Vaticano – A Cúria Romana, site da Igreja Católica Apostólica Romana:

Que Besta é essa?

Os adventistas dizem que o papa é a própria Besta. Isto com base em argumentos visíveis, pois o mesmo número desse homem-líder mundial – o 666 – aparece na frase em latim da tiara papal: Representante do Filho de Deus, que, se somados os números em algarismo romano dá justamente 666, dentre outras indicações! Também porque o papa representa hoje o lado religioso do Império Romano, uma vez que a Igreja Católica Apostólica ROMANA (grifo nosso) tem sua matriz em Roma, a mesma cidade sede do Império dos Césares, que mataram centenas de nossos irmãos da Igreja Primitiva.

Mesmo que ela não seja a Besta, seus ideários estão em acordo com a profecia: “Estes têm um mesmo intento, e entregarão o seu poder e autoridade à besta”, Ap 17.13.

Por outro lado, a mesma associação tida como cristã – definição mais sociológica que propriamente representativa – também matou milhares de cristãos em especial na Idade Média. Somente na Noite de São Bartolomeu, milhares de huguenotes (nome pejorativo dado aos cristãos pelo catolicismo) foram mortos na França.

É certo que em países de Primeiro Mundo o catolicismo romano não tem expressado tanta idolatria (culto aos ídolos), como em países miseráveis por ela colonizados, como todos os povos da América Latina – mas, paira sobre ela a doutrina das tradições que ‘suplantam’ a Palavra.

O governo mundial passou a ter a predominância religiosa num misto de poder humano e influência religiosa, sob o auspício do paganismo misturado ao cristianismo formando uma nova visão dominante do mundo refletido na mulher do capítulo 17 de Apocalipse.

A nova visão forma outra imagem do domínio do mundo, ao descaracterizar tudo em busca de um novo modelo: os impérios, o paganismo e o cristianismo, se fundem e formam a nova visão mundial.

Tudo isso foi preconizado por Constantino a partir de 313. Ao ganhar o império, cumpriu com o que prometeu dando liberdade aos cristãos, devolvendo suas terras confiscadas, outorgando a eles prestígio, mas acabou assumindo o domínio da Igreja como um imperador-papa.

Após o fim do Império Romano, depois da divisão entre Roma e Constantinopla, em 419, os papas – agora já instituídos oficialmente –, perceberam a forma de domínio assumindo-a conforme nos mostra a profecia bíblica escrita mais de dois séculos antes, e a própria História.

Coincidência ou fato?!

“E veio um dos sete anjos que tinham as sete taças e falou comigo, dizendo-me: Vem, mostrar-te-ei a condenação da grande prostituta que está assentada sobre muitas águas, com a qual se prostituíram os reis da terra; e os que habitam na terra se embebedaram com o vinho da sua prostituição. E levou-me em espírito a um deserto, e vi uma mulher assentada sobre uma besta de cor escarlate, que estava cheia de nomes de blasfêmia e tinha sete cabeças e dez chifres. E a mulher estava vestida de púrpura e de escarlata, adornada com ouro, e pedras preciosas, e pérolas, e tinha na mão um cálice de ouro cheio das abominações e da imundícia da sua prostituição. E, na sai testa, estava escrito o nome: MISTÉRIO, A GRANDE BABILÔNIA, A MÃE DAS PROSTITUIÇÕES E ABOMINAÇÕES DA TERRA. E vi a que mulher estava embriagada do sangue dos santos e do sangue das testemunhas de Jesus. E, vendo-a eu, maravilhei-me com grande admiração. E o anjo me disse: Por que te admiras? Eu te direi o mistério da mulher e da besta que a traz, a qual tem sete cabeças e dez chifres. E disse-me: As águas que viste onde se assenta a prostituta, são povos, e multidões, e nações, e línguas. E os dez chifres que viste na besta são os que aborrecerão a prostituta, e a porão desolada e nua, e comerão a sua carne, e a queimarão no fogo. Porque Deus tem posto em seu coração que cumpram o seu intento, e tenham uma mesma idéia, e que dê, à besta o seu reino, até que se cumpram as palavras de Deus. E a mulher que vista é a grande cidade que reina sobre os reis da terra”, Ap 17.1-7, 15-18.

Essa grande cidade é Roma e a Prostituta do Apocalipse (17) é o sistema religioso dominante.

Um grande líder – novidade bem-vinda ao mundo

Há dezenas de anos, o mundo não conhece líderes de influência mundial como cientistas, imperadores, presidentes norte-americanos, líderes russos, revolucionários, e mesmo no setor político. O mesmo acontece aos demais setores da sociedade como esportes, artes e até na religião. Não temos mais homens que se destacam por suas afinidades ou qualidades extraordinárias. O que vemos hoje são destaques que se alinham entre si e não se sobrepõem.  Portanto, um líder no mundo hoje seria uma novidade aplaudida e recebida como um “renovo” e o que surgir, com certeza dominará o mundo.

Declarações pró-governo único

Veja algumas declarações que dão mostra da realidade que nem todos enxergam:

– Uma pesquisa indica que “Sessenta por cento dos alemães são favoráveis a um presidente continental”.

– “A aliança é boa, mas não é uma ‘santa’ aliança”, já dizia François Mitterrand.

– “É preciso acertar o relógio com o mundo”, Giovani Spadolini, então presidente do Senado italiano, que esperava por um “governo mundial da humanidade”.

– “Está emergindo a possibilidade de um administrador global do planeta”, violonista Yehudi Menuhin.

 O Sistema dominado pela Mente Milenar

Diferente do significado de cosmo, conforme alguns textos indicativos na Bíblia, mundo diz respeito ao sistema dominante, retratado pela Palavra como algo dominado pelo maligno (1Jo 5.19). Esse é o que provoca as circunstâncias aflitivas aos cristãos, conforme disse o Senhor: “… no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo” (Jo 16.33). “… mundo é uma instituição perversa, contrária ao seu espírito e aos seus ensinamentos” (Novo Testamento, tradução dês textos originais, com notas, dirigida pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma, 1967 by Edições Paulinas – São Paulo), mas vencido pelo Senhor.

Obs: Mantive a grafia original dos textos aspados, conforme grafia da usada em Portugal.
Textos compilados do livro de minha autoria: Fronteira Final-CPAD. 

Read Full Post »