Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘arrebatamento’

FINAL DE TODAS AS COISAS

Subsídio para a ESCOLA DOMINICAL

Futuro e o Arrebatamento

Desta vez tomamos uma parte de um capítulo do livro FRONTEIRA FINAL-CPAD, para ilustrar este assunto tão glorioso.

TEXTO BÍBLICO

“Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro. Depois, nós os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor. Portanto, consolai-vos uns aos outros com estas palavras”, 1Ts 4.16-18.

Esse glorioso dia ocorrerá de forma inesperada para muitos. O recrudescimento de crenças espúrias e da incredulidade humana atinge os que vivem à margem da fé e os que não desfrutam dos resultados de uma vida de comunhão com o SENHOR. Entretanto, para os fiéis, será um dia que soará desde o amanhecer como o momento mais esperado. O mesmo Espírito, que está no crente, dará a este um ouvido afinado com as intenções divinas e disponíveis ao soar da Trombeta, e então acontecerá o que no latim significa raptus (Arrebatamento). Este evento ocorrerá num átomo de tempo, “num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados”, 1Co 15.52.

Neste capítulo, o apóstolo fala da Ressurreição e Arrebatamento quando assumiremos a imagem de Deus, perdida na queda do homem (15.44-58). Após transformados seremos iguais a anjos – filhos de Deus e da ressurreição (Lc 20.35-36). Somente a mancha do pecado poderá impedir que sejamos revestidos da imortalidade por meio da transformação em corpo espiritual no Arrebatamento.

As mudanças registradas no mundo, a maioria com efeitos irreparáveis e irreversíveis, em especial no que diz respeito à degradação do meio ambiente e da moralidade humana, pedem que levantemos os “olhos e vede as terras, que já estão brancas para a ceifa”, Jo 4.35.

O resgate do homem transformado por meio do Arrebatamento ou Ressurreição reflete a vitória divina e a derrota do Diabo. Como ser espiritual o homem passará a ser (único) no SENHOR, como o próprio Jesus disse: – Eu e o Pai somos um. O homem transformado por Cristo receberá os atributos eternidade e incorruptibilidade, partes da essência divina, sem obstante ser Deus ou igual a Ele.

Ao alcançar esta fase, o homem estará apto a habitar ao lado do divino, como consequência do reflexo do crescimento (para baixo), quando a carne chega ao pó, se desfaz e permite que o espiritual se evidencie. É o processo de humilhação da carne em busca do equilíbrio dado pelo espírito. Por meio de um processo de decomposição do barro, dá-se início ao nascimento de outra essência dentro daquele mesmo ser, com a mesma imagem e semelhança, mas não igual. Aí temos o espelho do exemplo da semente que apóstolo Paulo evoca. Ela morre ao germinar, e dá forma a outra vida.

O método progressivo divino (“A vereda do justo é como a luz da aurora que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito”, Pv 4.18), caminho à Ressurreição ou Arrebatamento, é comentado pelo apóstolo Paulo em Filipenses 3: “Para conhecê-lo, e à virtude da sua ressurreição, e à comunicação de suas aflições, sendo feito conforme à sua morte; para ver se de alguma maneira posso chegar à ressurreição dos mortos. Não que já tenha alcançado, ou que seja perfeito; mas prossigo para alcançar aquilo para o que fui também preso por Cristo Jesus. Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão diante de mim, prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus. Pelo que todos quantos já somos perfeitos sintamos isto mesmo; e, se sentis alguma coisa doutra maneira, também Deus vo-lo revelará. Mas, naquilo a que já chegamos, andemos segundo a mesma regra, e sintamos o mesmo… Mas a nossa cidade está nos céus, donde também esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo, que transformará o nosso corpo abatido, para ser conforme o seu corpo glorioso, segundo o seu eficaz poder de sujeitar também a si todas as coisas”, 3.10-16, 20-21.

Nisso se efetivará a redenção do corpo (Rm 8.23) espiritual, semeado no corpo material (Semeia-se na terra e esta dá um novo corpo – a planta) – 1Co 15.44. Os salvos estão selados para esse dia (Ef 4.30).

Para que pudéssemos alcançar tamanha graça, o Senhor mostrou-se por meio do que denominamos de o Primeiro Retrato, registrado em Isaías 53 (“Não tinha parecer nem formosura”). Essa figura foi registrada em sua obra expiatória, que envolve desde sua preparação (manifestação em carne); a rejeição dos judeus (Jo 1.11); seu julgamento pelo homem; a crucificação; morte; ressurreição e glorificação.

VISÃO EQUIVOCADA

A segunda carta aos tessalonicences foi escrita em função da má interpretação da primeira. Os tessalonicences pensavam que Jesus estava para chegar e pararam suas atividades esperando tão-somente a Volta do SENHOR.

Apóstolo Paulo exorta àquela igreja para não deixar-se influenciar, movendo sua posição por meio de fábulas humanas, tomando cuidado com o ‘espírito opositor’, que se opõe a tudo que vem do SENHOR (2Ts 2.1-11).

A COLHEITA DIVINA

Arrebatamento é um termo equivalente à colheita. Quando o fruto amadurece está pronto para ser arrancado, colhido, cortado, tirado da terra. O SENHOR falou disso em João 4.35: “… Levantai os vossos olhos e vede as terras, que já estão brancas para a ceifa”.

A melhor tradução conforme entendemos seria: “os campos brancos”, visto ser o retrato de uma plantação pronta para a colheita. É hora da colheita.

O fruto deve estar no ponto, como se usa na linguagem do campo – nem verde, nem maduro demais. Se o homem é pó, terra, carne, e Deus essencialmente espiritual deve buscar essa essência se quiser unir-se a Ele, se envolvendo no processo de depuração.

Deve despir-se do que é essencialmente humano, carne, pó. O terroso – aquele que é feito da terra – Adão pendeu mais para a matéria-prima, perdendo o equilíbrio, formando um segundo ser. Não mais foi o homem do Jardim do Éden. Ele se corrompera. E mais, a partir da “mãe da vida” – Eva.

Como consequência o homem foi expulso do local onde estava para não transmitir sua contaminação. Foi tirado do Paraíso para ser submetido a um processo de descontaminação.

O SENHOR preparou o resgate do homem, tirando-o da limitação carnal para colocá-lo acima de qualquer perigo de queda, em qualquer circunstância ou tempo.

Esse resgate reflete a vitória divina e a derrota do Diabo. Isto se dá por meio do Arrebatamento ou Ressurreição dos salvos, a partir do arrependimento.

VEREDA DO JUSTO

Provérbio fala da vida crescente do cristão. Seguindo a santificação ele chega à estatura de varão perfeito: “A vereda dos justos é como a luz da aurora que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito”, Pv 4.18

O método progressivo divino, caminho à Ressurreição ou Arrebatamento é comentado pelo apóstolo Paulo em Filipenses 3:

“Para conhecê-lo, e à virtude da sua ressurreição, e à comunicação de suas aflições, sendo feito conforme à sua morte; para ver se de alguma maneira posso chegar à ressurreição dos mortos. Não que já tenha alcançado, ou que seja perfeito; mas prossigo para alcançar aquilo para o que fui também preso por Cristo Jesus. Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão diante de mim, prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus. Pelo que todos quantos já somos perfeitos sintamos isto mesmo; e, se sentis alguma coisa doutra maneira, também Deus vo-lo revelará. Mas, naquilo a que já chegamos, andemos segundo a mesma regra, e sintamos o mesmo… Mas a nossa cidade está nos céus, donde também esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo, que transformará o nosso corpo abatido, para ser conforme o seu corpo glorioso, segundo o seu eficaz poder de sujeitar também a si todas as coisas”, 3.10-16, 20-21.

CONFISSÃO

Crer no arrebatamento não é somente falar dele ou dizer que nele cremos. A Palavra fala de sua existência com exemplos ou testemunhos de homens que foram arrebatados.

Equivale dizer que devemos nos aproximar do SENHOR para receber a revelação de seus mistérios e não pensar que a palavra mistério é para falarmos quando não compreendemos o que está acontecendo, como se ela fosse um poço de coisas não compreendidas. O cristão deve ter discernimento de espírito. A presença do Espírito Santo em sua vida o faz sentir espiritual.

Tiago fala de uma série de coisas que nos faz carnais. Veja Tiago 4.1-12. As paixões carnais nos leva à Teologia da Prosperidade. Buscamos coisas para o nosso deleite pessoal. Por isso Tiago diz: “Pedis e não recebeis, porque pedis mal, para o gastardes em vossos deleites”, 4.3. Leia o contexto.

Nem sempre desejamos partir deste mundo. Às vezes, tentamos enganar a nós mesmos dizendo que desejamos o Arrebatamento. Não é incomum observar crentes que ao saírem de uma crise de doença, gritam um tremendo “graças a Deus”, “ufa!” ou um “até que enfim escapei!” Lançam com isso a ideia de uma Eternidade não seria tão desejável!

CONVICÇÃO

Que convicção temos do Arrebatamento ou da Vida após esta existência humana? Só os que têm uma vida plena com o Senhor, regada de provas (e vitórias, obviamente) podem dar a resposta.

Para subir ao Céu precisamos antes descer, “sentir as nossas misérias”, lamentar, chorar e converter o nosso riso em pranto e o gozo em tristeza (Tg 4.9-10).

Apóstolo João, por exemplo, quando fala da ressurreição dá mais ênfase que à declaração do Reino de Deus, e prova mostrando a ressurreição de Lázaro. João fala com convicção. Seu texto faz parte daquilo que ele viu, testemunhou e sentiu. Por isso a Bíblia diz que a nossa pregação deve estar misturada com a fé.

Devemos falar e evidenciar aquilo que falamos. Viver e crer naquilo que pregamos. Quando João fala da Vida Eterna, dá a ideia de uma coisa futura, mas também insere a questão da eternidade divina, da qual devemos nos apossar, vivendo desde já sua realidade.

Esta convicção nos dá outro sinal – o de sentirmos como um peixe fora da água. Quando vivenciamos o bem futuro, sentimos que não somos deste mundo – como o SENHOR também confessou não ser – e passamos a desejar o Céu – a Eternidade, sair o mais breve possível daqui.

Mas para aqueles que desejam ter o gozo do Arrebatamento (sem provar a morte, como Paulo afirma: “Nem todos provaremos a morte”), resta à consagração, com meditação na Palavra e oração, e a evangelização para que a contagem dos salvos seja completada.

Mundo une-se contra Igreja – a Eclesiofobia!

Quando rejeitamos o mundo e sua concupiscência, também passamos a sofrer perseguições, como forasteiros, estrangeiros, pessoas em terras estranhas (1Pd 2.11). Nossos direitos passam a não ser mais iguais. Somos rejeitados. Isso é muito comum para um cidadão de uma pátria distante.

Não estamos tão distantes dessa realidade. As imposições mundanas, que querem nos empurrar goela-abaixo, analisadas em Os Sinais da Vinda do SENHOR, deixa isso muito claro!

Assim foi com o SENHOR. Os judeus não o aceitavam como seu líder ou rei, e muito menos os romanos que não queriam ver um novo líder ser levantado para provocar uma insurreição do povo contra César. Então, os dois reinos inimigos – judeus e romanos – se uniram para a morte do SENHOR.

Herodes e Pilatos, que não se falavam, voltaram a ter amizade. O tema: Morte do SENHOR provocou uma festa e a amizade entre inimigos. Sua morte foi um grande alívio para aqueles dois reinos da época.

Assim também estamos nós, que caminhamos na contramão do mundo e do Inimigo, atrapalhando suas ações. Se de um lado percebemos a aproximação da Volta do SENHOR, aproximando-nos mais Dele, a rejeição, por sua vez, aumenta. Então, quando arrebatados, daremos alívio e motivo de festa aos homens naturais ou carnais.

TEMPO ABREVIADO

Hoje podemos perceber que o tempo está sendo abreviado. Cremos nisso. O tempo está correndo. A Palavra diz que se Deus não abreviasse os dias, nenhuma carne se salvaria (Mt 24.22). Isso está acontecendo “por causa dos escolhidos”.

Veja que nesta passagem o SENHOR está falando de acontecimentos futuros, do fim. E logo na sequência, fala de como será o arrebatamento dos escolhidos: “Porque, assim como o relâmpago sai do oriente e se mostra até ao ocidente, assim será também a vida do Filho do homem” (Mt 24.27).

SINAIS

Cremos que vamos perceber a aproximação pouco antes do Arrebatamento do Corpo de Cristo – a verdadeira Igreja. A brisa do Espírito deve soprar, num ato repentino e, em seguida, ocorrerá o grande acontecimento para os fiéis.

Assim como os pássaros cantam quando a chuva se aproxima, penso que haveremos de sentir a aproximação da Volta do Senhor. Nem todo o olho o verá, mas somente os salvos.

Atualmente os filhos do Reino já sentem as mudanças no comportamento humano. O homem vai perdendo sua identidade, se misturando cada vez mais com o pecado, se envolvendo cada vez mais nas estratégias do Diabo, de forma gradativa, pois o Diabo não tem pressa. Lúcifer tentou eliminar o homem, desde a Criação, fazendo-o corromper e sua doutrina diz que o homem é pior que um animal, não obstante ter sido o homem criado à imagem e semelhança divinas.

A Bíblia diz que Deus fez o homem perfeito, “mas ele buscou muitas invenções”. Os avanços provocam o homem a buscar mudanças tentando mudar tudo o que é natural. Se o homem não permanecer como Deus o fez, como poderá ser transformado? Tudo isso aponta para a brevidade da Vinda do SENHOR à Igreja.

Estamos vivendo momentos semelhantes àquele antes do Dilúvio e ao que precedeu a destruição de Sodoma e Gomorra. É perfeitamente assimilável afirmar que o mundo de hoje esteja pior que a tais épocas.

AMÉM!

“E o Espírito e a esposa dizem: Vem. E quem ouve diga: Vem. E quem tem sede, venha; e quem quiser, tome de graça da água da vida… Aquele que testifica estas coisas diz: Certamente cedo venho. Amém. Ora vem, Senhor Jesus”, Ap 22.17, 20.

Uma vez ouvi um pastor, já velho, dizer que pedia para que o Senhor demorasse mais porque sua filha estava fora da Igreja. Conforme o que confessara, ele hesitava em dizer o Amém, no sentido que a Palavra estabelece, conforme o texto bíblico acima. E amém significa que concordamos com uma verdade dita, expressa, escrita. É uma expressão de aprovação ou confirmação daquilo que foi falado.

A Bíblia manda que entreguemos nossos caminhos ao SENHOR e Nele confiemos, descansando em sua providência (Sl 37.4-5,7).

Cuidado

Quando se trata do espiritual temos a tendência de especular. Ora espiritualizamos o carnal, ora materializamos o espiritual. Conjeturamos ideias, muitas notadamente longe do racional, que dirá do espiritual. A verdade é que quando mais tentamos, mais falhamos porque o que é carne não pode perscrutar o espiritual. Os olhos humanos não podem enxergar e nem poderia entender o espiritual.

Só podemos ver o espiritual sendo espirituais. Portanto, resta-nos andar pelas beiradas, com muito cuidado e temor até ‘chegarmos à estatura de varão perfeito’, ao ponto de sermos colhidos porque não mais compatibilizaremos com este mundo. Por ora, alcançamos o conhecimento somente daquilo que nos é revelado (Dt 29.29).

Todo o cuidado é pouco uma vez que nem sempre (e nem todos) conhecemos o que é da mente e o que é do espírito. Segundo a Bíblia, somente a Palavra conhece esta divisão. Precisamos distinguir o que é emoção e o que é comoção espiritual.

O que vem de Deus é real e não místico, utópico ou sombra. Essa realidade deve ser compreendida no espírito à medida que vamos recebendo a revelação do Senhor, conforme o texto de Efésios 4.13: “Até que todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a varão perfeito, à medida da estatura completa de Cristo”.

Quando alcançarmos tal estágio de vida de fé, sem dúvida chegaremos compreender aquilo que hoje temos dificuldade de assimilação. É difícil explicar a transformação do corpo carnal em corpo de glória, porque as coisas espirituais são discernidas espiritualmente, conforme 1Coríntios 2.13, uma vez que “o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente.

Mas o que é espiritual discerne bem tudo, e ele de ninguém é discernido. Porque, quem conheceu a mente do Senhor, para que possa instruí-lo? Mas nós temos a mente de Cristo”, 1Co 2.14-16.

NOVO CORPO

O exemplo mais próximo foi dado pelo apóstolo Paulo, em 1Coríntios 15. E um exemplo de aproximação daquilo que Paulo é a germinação de uma semente.

Pegue uma semente e coloque-a para germinar. Quando nascer uma planta, a semente não mais existirá. Um corpo dará lugar a outro.

Você notará, neste exemplo, que a planta vai crescer para o lado da luz – buscando a luz –, como a oliveira faz deixando seu tronco todo retorcido porque ela vai se movendo de acordo com a direção da luz.

Interessante também notar ainda que a oliveira para dar bons frutos, precisa ser podada e enxertada. O primeiro corpo é cortado, mantendo a estrutura, e outro é enxertado para que os frutos sejam aproveitados.

Caso queira experimentar, pegue uma semente (de preferência de feijão) e coloque-a em um pires ou prato, envolvendo-a em uma mecha de algodão. Em seguida, embebede-a em água. Após alguns dias, você terá a figura da transformação de nosso corpo no Arrebatamento: um corpo dará lugar a outro.

Poderá notar também que a semente murcha, quebrada ou que tenha sofrido qualquer alteração em seu estado natural, não germinará e apodrecerá, mesmo estando na água ou em solo fértil.

Se o homem não manter seu estado natural, se pervertendo indo atrás das abominações humanas, será dominado pela carne não alcançando a misericórdia divina (veja Oséias 11.5).

“Porque sabemos que, se a nossa casa terrestre deste tabernáculo se desfizer, temos de Deus um edifício, uma casa não feita pôr mãos, eterna, nos céus. E por isso também gememos, desejando ser revestidos da nossa habitação, que é do céu; se, todavia, estando vestidos, não formos achados nus. Porque também nós, os que estamos neste tabernáculo, gememos carregados: não porque queremos ser despidos, mas revestidos, para que o mortal seja absorvido pela vida… Mas temos confiança e desejamos antes deixar este corpo, para habitar com o Senhor”, 2Co 5.1-4,8.

(mais…)

Anúncios

Read Full Post »

Senti-me compelido a escrever este artigo depois de ler a carta de um leitor desta revista, que teceu comentários a respeito do artigo O arrebatamento da Igreja, por mim escrito meses antes. Achei que o artigo estava fraco e sem profundidade. Após a publicação fiquei me cobrando. Na carta o irmão diz, que ao ler o artigo, sentiu a presença do Espírito Santo, foi renovado e passou a falar em línguas. Nem por isso mudei a minha idéia, mas pude perceber o que o Senhor realiza, quando temos propósitos naquilo que fazemos. Mesmo quando a nossa pequenez é notória, o Senhor manifesta a sua grandeza, para glória de seu nome.

Não pretendia falar tão cedo sobre o mesmo assunto. Entretanto, o Senhor revelou-me algo para minha edificação, e, ao passar para o arquivo, comecei a engrossar as informações, pela graça do Senhor.

Um dia minha mente se abriu, e passei a compreender a relação do casamento  e o mistério do arrebatamento da Igreja, conforme ensino do apóstolo Paulo, em Efésios 5.31-32.

O mistério do casamento dito pelo apóstolo, cremos estar ligado à atração natural da mulher pelo homem e vice-versa. Do homem ela saiu e para ele quer voltar; enquanto o homem busca esta realização; do mesmo modo como saímos de Deus e para Ele queremos voltar. Nisto temos o mistério do arrebatamento comparado ao do casamento. Pela união conjugal o homem é arrebatado do abrasamento para uma vida sem paixões carnais.

A Bíblia fala ainda do casamento mostrando o varão (macho), unindo-se à varoa (fêmea), formando os dois uma só carne (homem-Adão). “E criou Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; macho e fêmea os criou”, Gn 1.27.

Ao ser criado, o varão precisava completar-se na mulher, que dele saiu, e para ele volta. “Portanto, deixará o varão a seu pai e a sua mãe e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne”, Gn 2.24.

No sexto dia, o Senhor conclui o círculo da Criação. E como dizia meu professor de Escatologia, pastor João de Oliveira, o 6 é o número do homem. É divisível e multiplicativo.

Este círculo nos remete para a idéia de conclusão, de completo, de obra final.

O mesmo acontece em relação à Igreja. Quando o círculo se fechar, e a obra de restauração do Senhor se completar, no resgate da Igreja, o mistério será revelado.

Tudo isso não pode ser compreendido pelo homem carnal ou natural. Os que não alcançam a revelação da promessa divina, vivem na superfície, fazendo da obra do Senhor um comércio. Sobre estes Paulo alerta dizendo que são “privados da verdade, cuidando que a piedade seja causa de ganho e ainda… Tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela”, 1Tm 6.5 e 2Tm 3.5. A fé não é para todos. Muitos são chamados, mas os escolhidos, são poucos.

Retrato 

A essência divina que está em nós é o espírito, soprado no homem, que permanece e é eterno, enquanto a carne volta ao pó. Ele efetua a materialização do caráter, e por ela o homem constrói o tabernáculo ou corpo para a eternidade por meio de suas obras. Para que isso ocorra, o vaso de barro deve portar a excelência do poder de Deus, e não da carne (2Co 4.7).

No caminho desse processo de restauração, “gememos, desejando ser revestidos da nossa habitação que é o céu”, para que a carne, que se acaba, seja absorvida pela vida (5.4), derrotando a morte, pois seria uma contrariedade ter a Vida e morrer. O Senhor deixa bem claro que quem receber a Vida (crer Nele), ainda que esteja morto, viverá.  Por isso, “desejamos deixar este corpo, para habitar com o Senhor”, 5.8.

O Senhor diz: “O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito”. Daí a necessidade do novo nascimento, com o segredo do vento que assopra (pnei pneuma), ouve-se a sua voz, “mas não se sabe de onde vem, nem para onde vai; assim é todo aquele que é nascido do Espírito”, Jo 3.6-8.

Assim como o homem deixa a seu pai e a sua mãe para se unir a sua mulher, para serem uma só carne (Ef 5.31), taxado por Paulo como um grande mistério, e refletindo a sombra da união da Igreja a Cristo; o homem precisa despir-se de seu corpo natural,  para revestir-se do corpo espiritual, refletido pela sombra do material, pelas obras nele, para edificação do tabernáculo ou corpo eterno.

Como para a eternidade não se leva obras carnais, assim como o homem deixa por completo sua família, formando outra com a esposa, tudo o que conquistamos na terra passará pelo fogo. As obras humanas, de palha ou madeira, serão queimadas. Mas ficarão as de metal, prata e ouro. A madeira, que simboliza as obras humanas, pode ser usada para a sustentação das obras espirituais, mas não subsistirão ao fogo.

Temos o exemplo na construção da Arca da Aliança. A madeira acácia – por ser dura e resistente, rechaça a presença de traças –, foi revestida de ouro. Quando a madeira sai, o ouro, embora oco, fica e mantém o formato. A madeira dá lugar ao ar – o vento. Lembra-se do “vento assopra onde quer…”?

Cumpri-se então o segredo dito por Paulo, que a carne e o sangue não podem herdar o Reino de Deus. “Num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos arrebatados. Porque convém que isto que é corruptível se revista da incorruptibilidade, e que isto que é mortal se revista da imortalidade. E, quando isto que corruptível se revestir da incorruptibilidade, e isto que é mortal se revestir da imortalidade, então cumprir-se-á a palavra que está escrita: Tragada foi a morte na vitória”, 1Co 15.52-54. 

*Artigo Publicado na Revista Pentecostes (CPAD) – maio/2000

 

Read Full Post »

capafronteira1.jpg

Fronteira Final

Antônio Mesquita

O nosso planeta está em colapso. Você está preparado para agir, como servo de Deus, diante desta ameaça?
A obra retrata de diversos assuntos em voga, referentes ao meio ambiente, como: derretimento das calotas polares, superaquecimento, destruição da camada de ozônio e catastrofes. Ainda ensina como o cristão deve se comportar, segundo a Bíblia, de modo a estar atento para os sinais da volta de Cristo e ser exemplo para o mundo, se utilizando dos seguintes temas: Mordomia (obrigações) quanto ao meio ambiente, as Sete Igrejas, o Arrebatamento, o líder Mundial, a queda do sistema financeiro, entre outros.
O livro possui várias ilustrações, fotos, gráficos de dados científicos da ONU, impérios e épocas, acompanhadas ainda por um gráfico das Setenta Semanas de Daniel, a partir do qual pode-se estruturar um longo estudo bíblico junto à igreja sobre o tempo do fim.

Formato: 14x21cm / 201 págs
ISBN 85-263-0892-0

 btcomprar_cpad.gif

Read Full Post »

shalom_taylor2.jpg

Tomo a indagação de Jesus aos soldados que o buscavam para prendê-lo, no Monte das Oliveiras, para falar da corrida impelente pela paz no mundo atual, e a divergência entre a Paz advinda dos Céus e a paz que o homem produz. Esta é a paz da “Ausência de lutas, violências ou perturbações sociais; tranqüilidade pública; concórdia, harmonia.” (Aurélio).

Portanto, a paz que procede de Deus e a paz que o mundo almeja são bem distintas. Isso fica claro quando buscamos seus significados na etimologia das palavras que traduzem-nas. A acepção de paz muda de acordo com a cultura onde seu significado-histórico passou a ser domínio da referida civilização.

Pax romana, por exemplo, indicava a pausa das campanhas de guerra, do avanço por novas conquistas do império. A ausência de campanhas de guerras promovia a pax romana. Dentro das áreas dominadas pelo império, as legiões romanas jamais admitiam ataque à pax romana. Mas o porco, símbolo da pax na Galiléia – insígnia da 10ª Legião romana – representava impureza e perseguição aos judeus.

Para os gregos, o significado de paz estava na palavra eirene que indicava harmonia nas relações entre os homens, ausência de incômodo, sentimento de amizade entre as pessoas ou ainda uma forte sensação de descanso.

Dos romanos, a idéia que se tem é que a pax atingia o homem a partir do estereótipo – a ausência de batalha. Era a tranqüilidade exterior mantida pelo poderio militar. Os gregos descansavam o psiquê durante o tempo de eirene.

Aos judeus não existia paz fora de sua essência conforme estabelece as Escrituras Sagradas. Ela não ocorre sem a efetivação da paz espiritual que tem papel fundamental dentro da concepção tricotomista que forma a complexidade humana – espírito, alma e corpo.

A palavra hebraica shalom significa primeiramente inteireza, paz completa, em tudo (kalokleros), que aparece como sõteria (salvação), na Septuaginta. Então a pessoa que possui shalom tem paz a partir do espírito, o interior – de dentro para fora.

Shalom Adonai completou-se com a obra redentora do Soteros – o Salvador, preconizada na promessa de Gênesis 3.15, pois quando Jesus transmite as últimas instruções aos discípulos fala de sua paz dizendo: “Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração e nem se atemorize”, Jo 14.27. Jesus enfatizou duas coisas: 1) a minha paz; 2) não é igual a do mundo.

Ora, a concepção da paz do ponto de vista judaico, que se efetiva entre os seguidores de Cristo, é abrangente e tem a idéia de inteireza, completamente, salvação, pois nela estão contidos a graça, a saúde, o amor, a prosperidade, a esperança, o descanso (na fé), e a alegria.

Portanto, se o homem quer shalom, deve passar por sõteria – a salvação que só Cristo tem, enquanto pax é efêmera, pois outra batalha poderá vir depois.

O sumo sacerdote Caifás, nomeado junto ao governo de César Tibério para manter a paz, tanto a romana quanto a do Templo, prendeu Jesus porque o Senhor da Paz (Adonai Shalom) passou a ser interpretado como ameaça à pax romana. Depois Ele foi “trocado” por Barrabás.

Os homens continuam atrás de Barrabás – filho (bar) do pai (abba). É possível que Barrabás tenha sido um opositor ao domínio imperialista de Roma, daí a opção por ele, enquanto o verdadeiro Filho do Pai – Jesus Cristo, fora rejeitado.

A pergunta ainda paira no ar, desde o momento em que foram prender Jesus: “A quem buscais?” Quando Jesus ouviu a resposta completou: “Sou Eu”. Ao confessar seu atributo divino os guardas caíram. E assim ocorre até hoje. O homem cai, mas não se prostra diante de Adonai Shalom! e ainda opta por Barrabás.

Qual é a paz que buscais?

Read Full Post »

Não se sabe o dia nem a hora da Volta do Senhor, entretanto Jesus alertou a Igreja para que ficasse atenta aos sinais dos tempos. Embora presenciamos momentos dos “tempos difíceis” ou “selvagens”, fazemos parte de uma geração privilegiada. Estamos dentro de uma época de suma importância para a Igreja de Cristo. 

Os sinais são tantos que não mais alertamos para aquilo que acontece ao nosso redor, talvez dormindo o sono da incredulidade, desprevenidos como as cinco virgens loucas, que tinham lamparinas e azeite, mas não mantinham a reserva necessária para as bodas. Suas lâmpadas eram intermitentes. Nesta parábola, a Palavra alerta para o momento inesperado, quando o Noivo virá – “Ouve-se um grito: aí vem o noivo!”

 A Bíblia fala disso alertando que o Senhor virá na hora em que não estaríamos pensando, e ainda diz: “Porventura quando o Senhor vier achará fé na terra?”.  

Tentamos reproduzir alguma coisa, que segundo vemos, aproxima de toda essa realidade, com fortes sinais da brevidade da Volta do Senhor. Vemos isso nas declarações, matérias publicadas em jornais e revistas, opiniões e textos bíblicos. Tudo nos mostra que Cristo já volta. 

Quando se agravou a incidência de acontecimentos no mundo, que podiam ser catalogados como sinais dos últimos tempos, pregava-se muito sobre Volta do Senhor. Hoje as igrejas buscam a contextualização. Esta parece até palavra de ordem. A declaração, com o ímpeto da época, Jesus vem breve!, já não causa o mesmo efeito de outrora.

Temas-sinais do fim 

Os temas que refletem os últimos tempos se perdem de vista, especialmente se dermos uma olhadela para trás, há pouco mais de duas décadas, mais precisamente no início da década dos sessentas. Logo em seguida, implantou-se no mundo a Revolução Cultural, com os Beatles, os hyppies, o apogeu do rock, das drogas… Os filhos das gerações de 60 e 70 – a época dos hippies e beatles geraram os pais liberais de hoje. 

Os líderes mundiais perderam as rédeas, aliás, onde estão grandes nomes? O mundo clama por um líder, como tínhamos décadas atrás, não é mesmo? Um dos remanescentes na política brasileira, Mário Covas, é prova desse clamor. Milhares de pessoas foram prestar as últimas homenagens no velório do governador paulista. O homem tem necessidade de reverenciar ícones.      

Alguns temas chamam a minha atenção para a corrida de sinais:

1. Falência do sistema financeiro;

2. Globalização;

3. O homem já pede por um líder mundial – governo único (A Estátua de Nabucodonossor dá sinais de retorno);

4. A Figueira já brotou, em 5 de maio de 1948;

5. Degradação – Sodoma e Gomorra estariam desatualizadas hoje;

6. A tevê leva a degradação moral aos lares;

7. O homem se coisifica;

8. Terremotos – um sinal que já não tem tanto valor;

9. Catástrofes – furacões, tufões, vulcões, maremotos, enchentes, tempestades…

10. Superaquecimento – O mundo já registra mortes por causa do calor;

11. Espiritismo e satanismo avançam;

12. Explosão de conhecimento – A multiplicação da ciência;  

13. Fome em vários lugares… 

Troca de valores

“Árvores doentes: Remédio verde”. Este foi o título usado pelo jornal O Globo, 20/10/00, página 17/Rio (com foto), para noticiar o cuidado especial que uma árvore recebeu… “uma das frondosas árvores da Praia do Botafogo infectadas por fungos, bactérias ou cupins; e medicada por um técnico de Fundação Parques e Jardins da Prefeitura. O tratamento fitossanitário inclui o descascamento e a aplicação de remédios por dentro do caule”.

Determinadas leis rígidas protegem árvores e animais, mas o mesmo não tem acontecido com relação ao homem, numa flagrante inversão de valores. ONGs estão em todo o mundo atentas aos mais diferentes direitos da fauna e da flora. 

Por outro lado, existem uma forte tendência entre mulheres, que buscam a independência e tentam ser iguais ao homem (aqui grifo e enalteço a conscientização do valor da mulher). A família sofre conseqüência, especialmente a criança, que se torna agressiva. Nos Estados Unidos escolas e creches estão dando comprimidos para acalmar as crianças e amenizar a agressão entre elas.  

O consumismo arranca o homem do contentamento e o leva para o egoísmo e inquietação.A gana de estar em destaque faz com que o homem atravesse suas pre�prias barreiras e agrida o próximo, enquanto mulheres se transformam em mero produto e se coisifica. 

A televisão faz a cultura e modela a educação dos filhos, nivelando sempre por baixo, expondo o sexo e banalizando-o, enquanto o ridículo se expõe. Os próprios governos institucionalizam a liberdade sexual com a distribuição oficial de preservativos, sem dizer das seringas descartáveis para que se droguem, “com segurança”. 

Declarações sobre o fim do mundo 

Simultaneamente aos acontecimentos, o homem fala o que sente e já fala no fim do mundo. Isso não traduz nenhum tipo de sentimento religioso, mas de expressão natural daquilo que se tem ou se vê. 

Estima-se que 10 milhões de norte-americanos acham que a hora está próxima. 

Eu acho que o mundo vai acabar e espero que seja pela vontade de Deus, mas acho que a cada dia nos sobra menos tempo”, Caspar Weinberger, ex-secretário de Defesa dos EUA.

“Necessidade de cooperação no sentido de redirecionar nossos hábitos e costumes para que entremos no século 21 juntos como os pioneiros do no mundo”, professora Célia Regina Zaduski, presidente Nacional da FMPM.

É tempo de Teshuvá (arrependimento e reencontro). Neste caso arrebatamento significa livramento. Leia Lamentações de Jeremias 5. 

“Eis que venho sem demora, guarda o que tens para que ninguém tome a tua coroa” (o teu lugar). 

Este artigo poderá ser reproduzido por completo ou em partes, quando citada a fonte.

Read Full Post »

miolo-costurado2.jpg

Na última semana, o gerente de Produção da CPAD, Ruy Bergsten, já estava com o miolo do livro impresso e costurado, conforme se vê na foto de Solmar Garcia (Jornalismo da Casa).    

analise-da-capa2.jpg

A capa do livro em impressão e análise no sistema computadorizado da impressora Speedymaster da gráfica/CPAD, na semana passada.  

capas-impressas2.jpg

A capa já impressa. Só restam o tratamento final, dobra, encadernação ao miolo e refile (aparo das pontas da capa e do miolo), tudo feito em uma única máquina, também na CPAD (Fotos: Solmar Garcia/Jornalismo-CPAD).

Read Full Post »

Homem reza em meio a escombros das casas destruäas pelo Sidr, em Bangladesh
da Folha Online

As catástrofes em 2007 ligadas ao clima, como inundações, secas, tempestades e ondas de calor, fizeram mais vítimas principalmente na Ásia, de acordo com um relatório publicado nesta sexta-feira por um centro de pesquisas colaborador da ONU.

As inundações, que representaram a grande maioria das catástrofes climáticas, mataram 8.382 pessoas em 2007, ou seja, muito mais que a média dos sete anos precedentes (5.407 mortes), segundo o Centro de Pesquisa sobre Epidemiologia dos Desastres (Cred, na sigla em inglês) da Universidade católica de Louvain (Bélgica).

As catástrofes naturais em geral –climáticas, mas também terremotos, etc– fizeram no total 16.517 mortes no ano passado, menos que em 2006 (21.342 mortes). O número de pessoas atingidas, em contrapartida, aumentou consideravelmente, sendo quase 200 milhões contra 135 milhões em 2006, de acordo com o estudo anual do Cred.

Sobre este total, a grande maioria (164 milhões) foi vítima de inundações, sendo metade na China durante as cheias dos meses de junho e julho, afirmou a diretora do Cred, Debarati Guha-Sapir. Entre 2000 e 2006, cerca de 95 milhões de pessoas foram atingidas por inundações.

Sem citar os efeitos da mudança climática, Guha-Sapir assinalou que os fenômenos meteorológicos matam cada vez mais: as tempestades provocaram 5.970 mortes no ano passado contra 3.127 em média desde o início da década.

Este aumento de vítimas parece também estar ligado ao crescimento sem planejamento nos grandes países emergentes da Ásia.

“Está diretamente relacionado com as políticas de desenvolvimento ou com a ausência delas”, declarou a diretora do centro. No futuro, “a China e a Índia vão certamente sofrer um aumento” das inundações, acrescentou.

No ano passado, as dez catástrofes mais mortíferas estavam ligadas ao clima, exceto uma –o tremor de terra de agosto no Peru (519 mortes).

Bangladesh sofreu as duas catástrofes mais graves, com o ciclone Sidr em novembro (4.234 mortes) e as inundações do verão (1.110 mortes).

A Ásia, portanto, foi de longe a área mais atingida pelas catástrofes. O continente sofreu oito dos dez acontecimentos mais graves, sendo os outros dois no Peru e na Hungria, que foi vítima de uma onda de calor que matou 500 pessoas.

Os Estados Unidos sofreram o maior número de catástrofes naturais (22), na frente da China (20) e da Índia (18).

Com France Presse

http://www1.folha.uol.com.br/folha/mundo/ult94u365009.shtml

*Foto: Air Abdullah/Efe (extraída do FolhaOnline)

Read Full Post »

Older Posts »