Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘escatologia’

images-5

Artigo adaptado do Wall Street Jornal (Nina Adam e William Wilkes, 18/9/16)

Instalados sob a pele, implantes minúsculos podem substituir chaves, cartões de loja de negócios e dados médicos e muito mais. Os chips RFID sob a pele podem ser  programados para executar várias tarefas

images-7

Pode se usar até vários desses implantes ou tags, embutidos no tecido gorduroso das mãos e braço. São tags usados para desbloquear não apenas a porta do apartamento, com um acena de mão, mas também escritório e portão. Outro armazena informações como o nome da empresa, detalhes de contato e ainda outro contém informações semelhantes para encontros não comerciais.

Os implantes podem ser ativados e verificados pelos leitores que usam tecnologia de identificação de rádio frequência, ou RFID. Incluem smartphones comuns e leitores já instalados em edifícios de escritórios para permitir a entrada com um cartão de identificação comum.

RÁPIDO E EFICAZ

3033417-slide-s-4-when-wearable-tech-saves-your-life-you-wont-take-it-off

Não há dados abrangentes sobre quantas pessoas têm implantes RFID em seus corpos, mas os varejistas estimam o total de 30 mil a 50 mil pessoas no mundo.

O fato de que as etiquetas não podem ser perdidas é uma atração. Outra, dizem os usuários, é que as tags não operam sob seu próprio poder, mas sim são ativados quando são lidas por um scanner. Isso significa que eles nunca podem ser inutilizados por uma bateria morta como smartphones.

O QUE A BÍBLIA DIZ

‘Por causa dos sinais que lhe foi permitido realizar em nome da primeira besta, ela enganou os habitantes da terra. Ordenou-lhes que fizessem uma imagem em honra à besta que fora ferida pela espada e contudo revivera.

Foi-lhe dado poder para dar fôlego à imagem da primeira besta, de modo que ela podia falar e fazer que fossem mortos todos os que se recusassem a adorar a imagem.

Também obrigou todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e escravos, a receberem certa marca na mão direita ou na testa, para que ninguém pudesse comprar nem vender, a não ser quem tivesse a marca, que é o nome da besta ou o número do seu nome.

Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento calcule o número da besta, pois é número de homem. Seu número é seiscentos e sessenta e seis’, Ap 13.14-18.

FORMA DE DOMÍNIO

A marca da Besta será uma forma de domínio sobre o ser humano, incluindo o mercado, isto é, ninguém poderá subsistir sem a marca, para fazer qualquer tipo de compra, incluindo as básicas.

BESTA

A Besta diz respeito a um sistema de Governo humano, mas com representação de cunho espiritual e em oposição ao SENHOR.

Dessa representação uma imagem/ídolo porta como centro de adoração (v15). Hoje temos clareza para entender isso. A cibernética mostra essa possibilidade, em que a mistura do barro ao ferro, cremos ser uma construção parabólica de Daniel:
‘Quanto ao que viste do ferro misturado com barro de lodo, misturar-se-ão com semente humana, mas não se ligarão um ao outro, assim como o ferro não se mistura com o barro’, Dn 2.43.

ROBÔS MAIS INTELIGENTES

Segundo o físico britânico Stephen Hawking, da Universidade de Cambridge, afirma que as formas primitivas de inteligência criadas até agora por computadores foram um sucesso e mostraram-se úteis.

A voz dele, por exemplo, é em parte robótica, mas ele teme as consequências dos avanços. Os robôs podem superar os homens no futuro. Quando? Em menos de 100 anos, diz ele.

Os humanos, cuja evolução é lenta, seguindo o ritmo biológico, não teriam condições de competir com suas próprias criações.

Outros cientistas acreditam que, com a atual velocidade dos supercopmputadores, em três decadas, as máquinas vão chegar à inteligencia artificial. Computadores já derrotam campeões de xadrez

A MARCA DA BESTA

Os números 666 é a representação em numeros de um nome. Também pode representar a capacidade máxima humana: o número do homem é 6, ampliado na máxima da trindade humana.

Essa marca pode ser representada por meio de tatuagem, como as usadas para marcar escravos e ainda soldados.

Ainda na época dos escritos bíblicos do NT, devotos religiosos se tatuavam com seus ídolos-deuses protetores.

3Macabeus descreve a marca do deus Dionísio usada por Ptolomeu IV Filopátor (221-203aC). São formas colocadas em oposição pelo apóstolo Paulo, conforme Gálatas 6.17, pois os escravos eram tatuados com o nome de seu dono.1

1) Robert L. Thomas, Revelation 8-22: An Exegetical Commentary (Chicago: Moody Press, 1995), pp. 179-80.Thomas, Revelation 8-22, p. 181. Revista Chamada da Meia-noite  (jan/2004)

 

 

Anúncios

Read Full Post »

FINAL DE TODAS AS COISAS

Subsídio para a ESCOLA DOMINICAL

Jesus Cristo deixou vários sermões de alerta quanto a Sua Volta. O texto em estudo está em Lucas 17.24-3:

“Porque, como o relâmpago ilumina desde uma extremidade inferior do céu até à outra extremidade, assim será também o Filho do homem no seu dia. Mas primeiro convém que ele padeça muito, e seja reprovado por esta geração. E, como aconteceu nos dias de Noé, assim será também nos dias do Filho do homem. Comiam, bebiam, casavam, e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, e veio o dilúvio, e os consumiu a todos. Como também da mesma maneira aconteceu nos dias de Ló: Comiam, bebiam, compravam, vendiam, plantavam e edificavam; Mas no dia em que Ló saiu de Sodoma choveu do céu fogo e enxofre, e os consumiu a todos. Assim será no dia em que o Filho do homem se há de manifestar”.

ACIMA DE QUALQUER DÚVIDA

Fica claro que a promessa de Volta ao mundo, para resgatar a Sua Igreja foi dita por quem já demonstrou com clareza o caráter de Sua Palavra.

Por exemplo, há mais de 50 profecias no Velho Testamento, que falam da volta de Israel à sua Terra, portanto já cumpridas. Uma delas refere-se ao ‘vale de ossos secos’ (Ez 37), justamente como Israel estava representado do ano 70 a 1947!

A língua hebraica foi restaurada em 1948, depois de milênios fora do sistema oficial e de ter sido superado pelo latim, com o advento do Império Romano, e pela universalização do grego!

“O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não hão de passar”, Mt 24.35 (Is 40.8). Aleluia!

“Pois, gostariam de saber o que me sustentou ao longo de todos os anos de exílio entre pessoas cuja língua não entendia e cuja atitude para comigo era sempre incerta e frequentemente hostil? Foi isto: ‘Eis que estou convosco todos os dias até a consumação do século’ Sobre essas palavras arrisquei tudo, e elas nunca falharam. É a palavra de um Cavalheiro da mais estrita e sagrada honra”. David Livingstone, citação do livro O pastor Pentecostal (CPAD), Unidade 1 – Prioridades na vida do pastor (Pregação expositiva, George O. Wood).

REPENTINAMENTE

“Quem é esta que sobe do deserto, como colunas de fumo, perfumada de mirra, de incenso, e de toda a sorte de pós aromáticos?”, Ct 3.6.

A Volta do SENHOR Jesus se dará de forma repentina, pois é designada Arrebatamento. Este vocábulo indica ação repentina e ‘tirar com força, arrancar, levar, desprender, raptar’ e ainda a ação de veemência, e impetuoso’.

Note então que não será algo a demonstrar ação esperada, mas repentina, como rapto, isto é, com força, poder.

Por trás de uma piscada ou de um relâmpago há sempre um motivo. Pense nisto!, pois o Arrebatamento da Igreja (com inicial maiúscula, por ser único), ocorrerá num piscar de olhos, como ocorre um relâmpago.

TRÊS FRENTES DE SINAIS

Três grandes frentes de sinais estão à nossa vista e no contexto de nossos dias:

  1. ISRAEL. O SENHOR disse para ficarmos de olho na Figueira (Israel), em especial quando iniciasse o seu período de broto (depois nascem flores, seguida dos frutos e, finalmente, a colheita):‘Aprendei, pois, esta parábola da figueira: Quando já os seus ramos se tornam tenros e brotam folhas, sabeis que está próximo o verão’, Mt 24.32.

Israel voltou depois de 2000 mil anos em dispersão pelo mundo, a partir da Diáspora imposta pelo Império Romano no ano 70. Em 1948 foi declarado nação. Portanto, a Figueira já brotou!

2. A IGREJA. Temos muito para comentar sobre a Igreja do SENHOR da atualidade. Além dos modismos, como Teologia da Prosperidade; Confissão Positiva (eu declaro, eu não aceito, eu profetizo, eu abençoo etc); a auto-consagração, lustração do ego, com nomenclaturas absurdas e fora do contexto do ministério cristão; os shows, os ídolos, a glamour; os ministros-executivos; a atração desenfreada pelo sistema político etc, são registros claros da fragilidade doutrinal, em oposição ao legalismo, que, em detrimento da doutrina e da ética, muitas vezes, toma espaço e cria uma espécie de ‘egocentrismo da (falsa) perfeição’.

Todos são cristãos!?

“Grande número de cristãos acredita que a unidade visível do Corpo de Cristo diante do mundo é muito mais importante do que a verdade doutrinária”, e “Se a doutrina bíblica não é o padrão final, então onde traçar os limites do que é ou não é cristão? O que fica então, no final, é apenas uma compreensão falsa ou superficial do cristianismo e é isso (e a teologia errada) que promove divisão entre os cristãos” (John Ankerberg, Os Fatos Sobre o Movimento, citado Obra Missionária Chamada da Meia Noite, 1996).

Dessas doutrinas loucas, divorciadas da racionalidade de Romanos 12, escrito para impor limites no embate entre gentios e judeus, na disputa de poder na Igreja em Roma, surgem os falsos Cristos (enviados de Deus), líderes que se autodenominam eleitos e cheios de jeitos e trejeitos, a brindarem com a simonia.

3. O MUNDO. Os sinais são incontáveis e não mais distantes e ocorridos em determinados e específicos lugares. Estão por todas as partes, incluindo o seu ambiente, a sua cidade, o seu lugarejo.

Os costumes e hábitos humanos mudaram; tentam mudar até mesmo a natureza dos seres criados, como no caso do Casamento, da Família, dos Gêneros humanos (macho e fêmea), incluindo o crescimento desenfreado e jamais registrado na história humana, do Homossexualismo.

Temos isto muito claro no Brasil, como advento da política da Esquerda, em especial com o partido do Governo federal. Eles são determinantes para que tais sistemas e padrões sejam alterados.

Pense nisto: Eles querem eliminar toda a influência à sociedade humana, da crença em um Ser Eterno, Deus, Criador, bases da cultura judaico-cristã.

Vários costumes e sistemas socioculturais partem da cultura judaico-cristã, como:

– FAMILIA (constituída de pai, mãe e filhos);

– CASAMENTO (de acasalamento, obviamente entre macho e fêmea, assim como ocorre no reino animal; não se conhece outro, pois não existe);

– Menino e menina (querem mudar a definição desse tipo de gêneros nas escolas);

– Domingo (de domínio – isto é, SENHOR, Aquele ou Quem domina –, então, literalmente Dia do SENHOR. É o sétimo dia da semana, quando o SENHOR descansou da Criação, portanto, é o dia de descanso.

– HOMEM (No sentido da palavra indica todo o ser humano, mas está implícito ser macho e fêmea, conforme Gênesis 1.27: “E criou Deus o homem… macho e fêmea os criou”, dentre outros padrões da própria natureza humana, a indicar a Criação divina.

Além disto, temos fatos interessantes que foram ditados por iniciativa cristã, na questão do direito, como: Proteção ao Idoso; à Criança; à Mulher; Pai e Mãe; direitos trabalhistas; abolição da escravatura (pelo inglês protestante William Wilberforce. Depois de sua campanha contra, o Parlamento Inglês, aprovou o fim da escravatura em 25 de marco de 1807, e forçou o mundo a acabar com a mesma) etc.

Caso eles consigam somente retirar a ideia de um Ser Supremo, SENHOR e Criador terão o seu intento garantido, pois tudo o que está acima, cairia por terra e seria implantado um Estado mundial de libertinagem, promiscuidade e, então, a ideia de Guevara: Se há governo sou contra!: a Anarquia. Neste sistema está implícito o amor livre (sem respeitar idade ou grau de parentesco, por mais próximo que possa ser incluindo pai e mãe!

O ALERTA DOS PÓLOS

Volto ao subsídio desse Estudo Bíblico para a Escola Dominical, que diz respeito ao estado de alerta da Igreja, pois sua Volta será repentina.

Insiro também tópico ALERTA DOS POLOS, de meu livro sobre Escatologia, editado pela CPAD: FRONTEIRA FINAL.

“Sob o título O Alerta dos Pólos, repetido neste capítulo, a revista Veja (abril/2007) publicou matéria especial sobre o degelo nos pólos. Até parecia uma revista evangélica, clamando ao arrependimento, conforme conclama Joel. O destaque foi nas mesmas proporções dos estragos verificados nas calotas polares: “…estragos causados pelo aquecimento global. A notícia não é boa: as calotas polares estão no limite da resistência”.

A Veja fala em grito de agonia e diz que as mudanças ocorrem com mais rapidez e intensidade que se pode sentir em qualquer outra região do planeta. “No Ártico, o ritmo da elevação da temperatura na atmosfera é o dobro da média global”.

A previsão de seu desaparecimento fica a seis anos mais próximos de nós que a prevista em 2005, conforme inserimos no início deste capítulo, ou seja, de 2066 para 2060. Parece longe demais, mas a considerar a idade da Terra, seja do ponto de vista da Criação, e muito mais do da Evolução, é muitíssimo pouco tempo. Equivale a uma existência, uma geração. “A calota gelada do Oceano Ártico deve desaparecer totalmente durante o verão a partir de 2060. Na escala geológica, meio século é um piscar de olhos”.

Embora a grande conseqüência deverá ser colhida por nossas crianças, a influência desse perda ainda hoje pode ser registrada em todo o mundo, pois não passa de um reflexo do desequilíbrio climático do planeta todo, e não somente dos pólos e para os pólos, pois, devido a baixa temperatura, eles acabam influenciando a temperatura global com um clima equilibrado. Com o degelo, várias cidades deverão sumir do mapa do mundo, prevêem os cientistas.

Para se ter idéia da preocupação com o que está ocorrendo nos pólos, onde se vê ursos branquinhos, parecendo àqueles grandalhões de pelúcia, farejando lixo, conforme mostra a revista, 66 países se envolveram em pesquisas. Serão investidos US$ 1,5 bilhão para patrocinar mais de 200 projetos, com dedicação de 10 mil cientistas.

Tudo isso por causa de um fato: aquecimento global. E o que a Bíblia diz: “E será a luz da lua como a luz do sol, e a luz do sol sete vezes maior, como a luz de sete dias, no dia em que o Senhor ligar a quebradura do seu povo, e curar a chaga da sua ferida”, Is 30.26.

Para estudar a questão a mostrar caminhos, foi criado o Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática da ONU, sob a abreviatura IPCC. Um dos relatórios indica o Ártico como principal alvo do aquecimento global, por causa da elevação da temperatura acima da média mundial. As reações não serão nada boas. Segundo disse Veja o cientista oceanógrafo norte-americano Paul Berkman, da Universidade da Califórnia, “As regiões polares são como gigantes adormecidos: seu despertar será sentido com violência em toda a parte”.

Não seria melhor o homem começar o estudo a partir de outro ponto de partida? Não seria o pecado do homem a principal causa? Sim! E todo mundo fala disso, mas ninguém tem a ousadia de decidir pelo Caminho que realmente resolverá a situação. E o que a Bíblia diz novamente?: “E os homens foram abrasados com grandes colores, e blasfemaram o nome de Deus, que tem poder sobre estas pragas; e não se arrependeram para lhe darem glória”, Ap 16.8-9.

Aumento do nível dos oceanos

A cada ano que passa os oceanos estão ganhando 3mm em seu nível, em função da água que sai do derretimento das geleiras polares. Do total de degelo, somente a Groelândia e a Antártida respondem com 30% da elevação dos níveis marítimos.

Agora a tentativa dos glaciologistas é ainda mais alarmante. Segundo a revista, eles estão estudando esses gigantes de gelo, que funcionam como imensos reservatórios de água, prontos a liberá-la a qualquer momento, na tentativa de saber quando essa liberação chegará a ser medida em metros, na elevação do nível dos mares.

No quadro de comparação de emissão de CO² na atmosfera, do glaciologista Jefferson Cardia Simões, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), e divulgado pela Veja, “O manto de gelo da Antártida se acumulou em camadas sucessivas à razão média de 5cm por ano”. Ele informa que a camada de mais de 3 mil metros é perfurada para medir a concentração de amostras de ar no decorrer do tempo. Assim, pode-se chegar à conclusão sobre a emissão de gases no decorrer dos anos, medindo a presença da poluição em cada camada correspondente.

O efeito estufa mostrou-se alarmante quando a concentração de gases na atmosfera, somou-se à emissão natural, os produzidos por erupções vulcânicas e pelo avanço tecnológico.

QUEM NEUTRALIZA TAIS AÇÕES?

A Luz e o Sal da Terra!

Abaixo publico um esboço sobre o significado do sal, conforme importância indicada pelo SENHOR.

VÓS SOIS O SAL DA TERRA

Mc 9.50

No contexto, o livro de Marcos lança para o fato de os discípulos estarem em dificuldade, e por isso expõe preocupações:

  • Sentimento de Ambição entre eles –v33-37

Ser o maior é o mesmo que ser o primeiro

  • Inveja e intolerância – v38-41
  • Escândalo – v 42-48

I – O sal natural tem Mistura (impuro)

  1. A) o sal retirado do Mar Morto era natural, pois mantinha em sua composição outros minerais, por isso era considerado impuro.
  2. a) Natural = sem preparo
  3. b) O cloreto de sódio sofre a umidade que o torna imprestável
  4. c) “Não presta” = ‘tolo’, ‘louco’
  5. d) Imprestável para o Reino

Ref: Lc 14.34-35 (Se degenerar n mais presta).

  • Perde o caráter de sal.
  • Perde as características de discípulo

II – Valor do Sal

  1. O sal melhora a qualidade da existência humana e a preserva da degeneração/destruição
  2. Sabor e poder de preservação (da corrupção)
  3. O discípulo se esmorecer, fracassar torna-se inútil ao Reino
  4. Perde o sabor gradualmente – não se nota até que seja tarde demais.

– Quem tem ouvidos ouça…

III – Seu emprego no Velho Testamento

  1. Nos sacrifícios (de manjares – cereais) – Lv 2.13

No de animais – sacerdotes espalhavam sal – Ez 43.24

  1. Usado na purificação – 2Re 2.19,21

(abolir a morte e a esterilização da água/profeta Eliseu)

  1. Como especiaria – Ed 6.9
  2. Elemento purificador após o parto – Ez 16.4

IV – Sua Importância

  1. Essencial e indispensável à sobrevivência humana
  2. Usado em operações de compra e venda
  3. Como salário (derivado do latim) – Legiões romanas recebiam sal como parte do salário – depois Soldo
  4. Via Salária (Via que dava acesso do produto à sede do Império Romano)
  5. Na Idade Média estradas foram construídas para escoar a produção de sal, dado a sua importância
  6. Figurava como sinal de nobreza – mesa com saleiro de prata maciça era usado como referência de lugar à mesa
  7. Os crentes sentarão à mesa com os Patriarcas e Apóstolos

Read Full Post »

Volto a fazer comentário, com trechos do meu livro sobre Escatologia, editado pela CPAD: FRONTEIRA FINAL, do tema acima, como subsídio ao ensino da Escola Dominical (LB, 17jan16).

IMINÊNCIA DA VOLTA DO SENHOR

Este momento era muito desejado pela Igreja Primitiva: A iminência da Volta de Jesus! Nossos irmãos primevos viviam em constantes lutas, perseguições e perdas, em completo sofrimento. Eles almejavam partir a cada momento e louvavam ao SENHOR quando um deles era morto pela perseguição de Roma.

Atualmente vivemos quadro de iminência Volta, por vários motivos. Os sinais do Fim estão por todas as partes: Terremotos, pestes, desamor, egocentrismo, esfriamento do amor entre irmãos, perseguição em países árabes e nos remanescentes comunistas etc.

O texto base tomado pela LB está em 1Tessalonicenses 5.23:

“E o mesmo Deus de Paz vos santifique em tudo; de todo o vosso espírito, e alma, e corpo sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a Vinda de nosso SENHOR Jesus Cristo” (grifo nosso).

SANTIFICAÇÃO: PRONTO E PREPARADO

A ideia que temos de santificação procede do judaísmo e tem que ver com o hebraico kadosh e significa o ‘outro’. Ela aparece em Isaías, no capítulo 6.

Tomo parte do artigo que escrevi recentemente No ano que morreu o rei Uzias, para compor este comentário quanto aos cuidados relativos à Volta do SENHOR.

Uzias teve momentos de auge em seu reinado: “Como o fim deve ser melhor que o princípio e a manutenção do sucesso o grande triunfo não alcançados por todos, Uzias, notável líder, criativo e estrategista, “exaltou o seu coração até se corromper” (2Cr 26.16).

O ápice de seu orgulho foi o de confrontar o sacerdote Azarias, ao transgredir a Lei de Moisés (Nm 16.40), e tomar para si o direito de oferecer incenso no altar do Templo de Jerusalém, função exclusiva dos sacerdotes, da ordem do sacerdócio aarônico, com versão neo-testamentária, conforme Hebreus 5.4.

Embora os reis detivessem privilégios à semelhança dos sacerdotes, não possuíam a unção exclusiva e sacerdotal, pois semelhança não é o mesmo que igualdade.

Se você pensa que é algo fora do nosso contexto está errado. Temos hoje inúmeras pessoas que se auto-consagram ao ministério pastoral e saem por aí a fundarem suas igrejas, muitas com nomes cheios de ‘glamour espiritual’, a partir da força contida em palavras como: Verdade, Liberdade, Santidade etc. São pessoas que não presunçosas e que não se submetem a ninguém. Uzias morreu acometido de lepra.

À prova de falhas!

Ainda no texto ilustramos com o sistema japonês de controle de produção, o Pocayote, conhecido como ‘A prova de erros’, antes ‘A prova de tolos’. Desse desenho, com vistas à marca zero de erros, temos a guilhotina manual – quem já foi gráfico a conhece bem –, que deve ser operada com as duas mãos, como forma de não incorrer no risco de cortar uma delas.

Tudo acaba com a vaidade quando não construímos com vistas ao Reino, isto é, sempre tendo como meta aquilo o que fica, que permanece. Como diz o apóstolo dos gentios: “Insensato! O que tu semeias não é vivificado, se primeiro não morrer”, 1Co 15.56”.

Santidade ao SENHOR

Na questão de santidade, o profeta viu os seres celestiais clamando ‘Santo, Santo, Santo é o SENHOR’ Shaba (Todo-Poderoso). Santo é a palavra repetida por três vezes e, no hebraico, é uma forma de realçar o fato, significado ou momento.

Santo (kadosh) indica ‘outro’, diferente por completo, justamente o oposto do comum. Uma ideia próxima desse significado é o ouro. Por não ser comum e, portanto, um produto raro, tem muito valor. Não se encontra ouro em qualquer lugar ou em todas as partes. Ele é raro, incomum e não ordinário.

Pronto e Preparado!

Percebe-se que para estar preparado é necessário estar primeiramente pronto, isto é, querer, como apóstolo Paulo fala em Romanos 1.15: Estou (preparado e) pronto!

Santificação indica separação de tudo o que é comum, como indica o hebraico: inteiramente ‘outro’. Isto indica que não há outra forma de esperar o SENHOR, senão em santificação, dentro da máxima expressa em Provérbios 4.18: “Mas a vereda dos justos é como a luz da aurora, que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito”, e Efésios 4.13, ‘a estatura completa de Cristo’.

Porém, o mais insistente e imperativo apelo sobre a santificação entre os crentes, está em 1Pedro 1.15-16: “Mas, como é Santo Aquele que vos chamou, sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver. Porquanto escrito está: Sede santos, porque Eu Sou Santo!” (grifo nosso).

O verso anterior introduz muito bem os versos seguintes, quando determina que não devemos meter-se na fôrma do mundo (cf Romanos 12: ‘Não vos conformeis com este mundo”), ‘que antes havia em vossa ignorância’.

Então, querer e esperar a Volta do SENHOR é buscar também viver a santificação plena; completamente ‘outro’ personagem no sentido de transformação, mudança do homem velho para o novo, a partir da (nova) Semente (do grego sêmen), plantada em nós, que é a Palavra, meio de alcançarmos a natureza espiritual (1Pd 1.4-10).

LOUCURAS HUMANAS

O casamento como ilustração de sua Volta (Mt 25), a noiva em preparação para o encontro com o noivo, é tão próximo quanto perene, pois os milênios não apagaram o brilho dessa parábola.

Dentre as 10, cinco são loucas. A loucura aqui não é a mesma da exortação de não taxar o irmão de idiota (imprestável, vazio), do hebraico raqa (raca).

A loucura de Mateus 25 significa imprevidência: sem previsão, despreocupação, ausência de prevenção; como sinônimo de: descuido, desleixo, despreocupação, negligência.

Azeite nas lâmpadas

Lâmpada é luz, e sem luz ninguém caminha ou tem vida, mas permanece na obscuridade na Caverna de Platão, conforme Isaias 41.22. O azeite é a energia usada para dar luz. Sem ele não há luz!

Com o ensino implícito na parábola deve-se estar sempre pronto, não importando a demora.

Note-se ainda que todas as virgens tinham azeite, e todas as lamparinas estavam acessas. Porém, nenhuma falha deve ser constatada nas núbeis. Faltavam-lhes reserva de azeite, com vistas ao imprevisto: ‘Aí vem o Noivo!’

Porquanto não basta ter nome, estar incluído, conforme a nova tese de pluralidade e de inclusão social. A Igreja precisa estar preparada, enquanto indivíduo!

Preparação: Corpo, alma e espírito

Na passagem de 1Tessalonicenses 5.23, o apóstolo cita, pela primeira e única vez, nesta epístola, a tríplice lista: corpo, alma e espírito. O substantivo corpo (soma, o corpo por completo) não é usado em nenhuma outra parte da epístola.

A forma mais usada é coração, a linguagem poética para indicar todo o ser, que, na verdade, indica a representação humana (a alma), da persona (personalidade), incluindo o caráter: pensamento (o que e no que pensamos); sentimento (o que sentimos e como sentimos: nossa forma passional de ser); entendimento (o que e como entendemos tudo), vontade (quais são as nossas vontades e para onde elas nos guiam); emoções (o que nos emociona e como lidamos com tais emoções), enfim, aquilo que somamos no decorrer de nossa existência, incluindo a personalidade e o(s), temperamento(s), desde a conceição do ser.

Amar ao SENHOR por completo!

Parece ser uma ideia judaica do apelo do SENHOR de amá-lo por completo, conforme Deuteronômio 6.5, porém, o que se sabe é que não há como viver em Cristo de forma parcial, senão holística.

Não é possível santificar a alma (conforme definição acima), sem que o espírito e o corpo, extensão de tudo o que somos, participem de forma total e completa. E isto não indica imposição de costumes, mas de compromisso explícito de participação como ‘outro(a)’ pessoa, em função de mudança, transformação (outra forma).

Para que serve o músculo carnal, o coração?!

Como homem espiritual e de uma visão e amor incríveis, além de ensino extraordinário, saudoso pastor José Dutra de Moraes ensinou sobre esse versículo, nos concorridos cultos de Doutrina.

Ele ilustrava a tese de que Deus quer somente o coração, dizendo que Deus não era Bucheiro para esse desejo! Bucheiro era o antigo vendedor de miúdos de gado (coração, fígado, rins, rabo, patas…), que andava pelas ruas do interior de São Paulo, em uma carroça-baú, oferecendo os miúdos.

– Quem gosta de coração é bucheiro!, dizia de forma enfática, pastor Dutra.

COMO NOS DIAS DE NOÉ

Também o SENHOR toma a época de Noé para mostrar a iminência de sua Volta: Bebiam, comiam, casavam-se e davam-se em casamento… (Gn 6-7).

Esta parece ser uma alusão à antiga filosofia humana e sem Deus que, como não há nada além do túmulo, aproveitemos a existência: “Comamos e bebemos porque amanhã morreremos” (Is 22.13 e 1Co 15.32).

Semelhanças

Parece-nos bem própria a o texto para ilustrar a brevidade do Volta do SENHOR. A anunciação do Dilúvio é introduzida com a corrupção do ser humano (não use raça, pois diz respeito à evolução e não da Criação), pois “a imaginação dos pensamentos de seu coração era só má continuamente” (Gn 6.5).

Primeiro percebe-se que o mundo de então, funcionava normalmente com todos os meios sociais, de relacionamento e mercado que temos atualmente: ‘Comiam, bebiam, comprovam, vendiam, plantavam e construíam’ (Lc 17.28). Interessante não!?

Nota-se também a degradação humana, o distanciamento do Criador, como nos tempos do Dilúvio, o questionamento quanto à crença em sua existência, como se vê hoje no mundo, não é mais privilégio do Primeiro Mundo, em especial a Europa.

Com o recrudescimento da esquerda, equilibrando-se no socialismo democrata, tido como centro, sistema que para nós vai governar o mundo (digo isto há décadas), ocorre o notável paralelo de aumento do ateísmo e agnosticismo.

O agnóstico considera os fenômenos sobrenaturais inacessíveis à compreensão humana e, portanto, seria inútil discutir temas metafísicos, e que, portanto, não há razão para discutir ou fundamentar a existência de Deus. Acreditam somente na possibilidade de sua existência, conforme doutrina do teísmo.

E pasmem! Há muitos agnósticos entre os ditos cristãos, também entre nós e muitos com preparação teológica!

Uma das formas usadas na época do Dilúvio, que dava ênfase à degradação, refletia diretamente no casamento. “Casavam-se e davam-se em casamento”, que segundo doutor Antonio Gilberto pode ser traduzido como: “Casavam, descasavam-se e casavam-se novamente’. O casamento foi banalizado a exemplo do vemos hoje. Não preciso entrar em pormenores, comente você mesmo.

Chocarrices

Outro tema que gostaria de inserir é o tratamento com desdém às coisas sagradas. Nisto, o apelo de Paulo e suas consequências, quando trata da Ceia do SENHOR são claros: “Não discernindo o Corpo do SENHOR’, e por isto ‘há muitos fracos, doentes e mortos’ (que dormem), do grego koimontai, ‘cair no sono’, ‘morrer’.

Há falta de separação clara entre o sagrado e o profano, e os que procedem assim são taxados de cães (Fp 3.2). ‘Simplesmente’ por isto temos exemplos bem atuais de pessoas que foram ‘notáveis crentes ou pregadores’, hoje fora da Igreja, justamente por tratamento com desdém àquilo que é sagrado, com brincadeiras, piadas de mau gosto, chocarrices…, desembocando na falta de temor. Daí ao fundo do poço é somente um sopro!

Há muita clareza na advertência bíblica: Falta de respeito, palavras, temas e conversas não aconselháveis (Fp 1.27; Ef 4.22,27,29-30; 5.4,11-12).

‘A QUE HORAS ESTAMOS?’

Depois de tantos outros ismos, o Iluminismo levou o homem a usufruir de liberdades, ao contestar os exageros do Absolutismo, partindo para o outro extremo. Chegou-se facilmente à libertinagem.

Da liberdade de expressão através das artes, influência da Grécia antiga, que ofereceu também a filosofia e a força de inserção cultural do homossexualismo passou-se a questionar determinados valores, ícones até então incontestáveis. Perdemos limites!

Libertados pelo conhecimento, uma vez que a falta dele leva à escravidão (cf Oséias 6.4 e Cl 2.2-4), a partir do calabouço cristocêntrico da Reforma (Ef 2.8-9), o homem não atentou ao equilíbrio. Partiu para descobertas, embriagado pelo volume de conhecimento, até descobrir o amargo do doce de Daniel 12.4: “E tu, Daniel, encerra estas palavras e sela este livro, até ao fim do tempo; muitos correrão de uma parte para outra, e o conhecimento se multiplicará”.

Conhecimento profetizado por Daniel e que deveria jorrar no tempo do Fim, atualíssimo, não diz respeito à sabedoria humana propriamente, mas ao avanço tecnológico, como mostra Naum: “Os carros correrão furiosamente nas ruas, colidirão um contra o outro nos largos caminhos; o seu aspecto será como o de tochas, correrão como relâmpagos” (2.4).

Avanços excepcionais

Desde o seu início, até a Idade Contemporânea, o mundo conheceu 15 inventos, especificamente até 1714. Menos de 200 anos depois, o número saltou para 21. “A partir do século 18 (…), a quantidade de inventos cresce brutalmente” (Folha de SP, 11julh84).

Os terremotos, para dar ênfase à profecia (Mt 24.7), também acompanharam, com brutal crescimento: Século 7, ocorreram 17; século 14- 137; século 18- 640; século 19, foram registrados 2.139 e, no século 20, em somente 76 anos, ocorreram 5.200. Atualmente, perde-se as contas!

No caso dos inventos, há décadas, o então chamado ‘papa da comunicação’, Howard Rheingold, autor da Realidade Virtual, previra: “Tudo vai acontecer muito rapidamente…”.

Em dezembro de 2014, noticiou-se a previsão do físico inglês, da Universidade de Cambridge, Stephen Hawking. Segundo ele, “os robôs vão levar a espécie humano ao fim”, pois “a inteligência artificial vai superar os homens em menos de 100 anos”.

Não paramos por aí. Nos anos oitentas se instala a Pós-modernidade. Segundo o teólogo Earl Creps “O pós-modernismo é uma reação contra os valores do mundo moderno, conforme foi formado pelo Renascimento, Reforma e Século das Luzes (Iluminismo). A moderna visão de mundo é caracterizada (no ocidente) por várias características fundamentais:

  1. a) centralização no indivíduo;
  2. b) confiabilidade na percepção humana;
  3. c) primazia da razão;
  4. d) objetividade da verdade;
  5. e) inviabilidade do progresso;
  6. f) certeza de absolutos;
  7. g) incerteza do sobrenatural
  8. h) uniformidade da visão de mundo”.

Quanto ao ponto a, deixo meu comentário, pois muitos confundem humanismo (o homem em primeiro e não Deus), com amor ao próximo.

Pós-modernidade

A Pós-modernidade, aliada à Globalização, fez com que as circunstâncias imprescindíveis para a manutenção de nobrezas, maquiadas por segredos ou ignorância desaparecessem e desnudou um amontoado de mascarados. Mas a falta de dosagem matou o doente.

Vejamos: O sexo nunca esteve tão banalizado como nos dias de hoje. Essa vulgarização, o tornou ordinário e levou o homem a buscar opções, o que a Bíblia chama de ‘outro sexo’.

Os bons costumes, o respeito e a decência caem por terra. “A esculhambação nunca foi tão grande”, diz a manchete do caderno Ilustrada, Folha de São Paulo de 31/7/91, com o subtítulo: “A partir dos anos 70 a breguice deixou de ser ingênua e instaurou-se uma cultura do mau gosto, da cafajestice”, disse a falecida e depravada (pasmem!) atriz Dercy Gonçalves.

A Folha continua afirmando: “mas é certo que, a partir dos anos 70, instaurou-se – ao lado da moralidade e do escândalo social crônicos da nossa sociedade –, uma cultura do mau gosto, da violência estética, de selvageria texana. A breguice deixou de ser ingênua e marginal”.

E ainda, “…Num exibicionismo de novo estilo… a imoralidade agravou-se, e espalha-se por todo lugar. Vive-se numa situação em que o malfeito, o precário, o propositadamente ruim e grosseiro e o lixo são canais legítimos da expressão… Esta sociedade em que vivemos parece impelir tudo à brutalidade e à esculhambação”.

Colocamos matadouros à frente de nossas crianças

A Unicef diz que no Brasil existem cerca de 500 mil meninas entre 10 e 12 anos que são prostitutas. Cerca de um milhão de adolescentes dão à luz anualmente no Brasil. Segundo o IBGE hoje o país tem em torno de 16 milhões de meninas adolescentes, com idade entre 10 e 20 anos. O índice de mães menores de 15 anos, que era de 0,24% em 1986, dobrou nos últimos anos e 20% das crianças nascidas vivas são filhas de mães adolescentes – dados desatualizados: Folha, 8/3/91.

A verdade é que os adolescentes estão perdidos, envolvidos em caminhos que os convidam à promiscuidade e nem sempre mostram o retorno dessa longa viagem que, não poucas vezes, levam à morte.

“Nos últimos 25 anos a taxa de suicídio cresceu 300% nos EUA e em outros países industrializados” – disse ao jornal a Folha de SP (22/4/91), o psicólogo Alan Ward, do Institute for Juveline Reseasch (Instituto de Pesquisas do Jovem), da Universidade de Illinois, Chicago (EUA). Somente no ano de 90, nos EUA, houve cinco mil suicídios de adolescentes e 500 mil tentativas.

Para Alan Ward, o problema aumentou porque o mundo hoje está mais difícil para os adolescentes. Segundo ele até progressos sociais, como a libertinagem feminina, aumentam a confusão na cabeça dos adolescentes.

Já em 1991, a então deputada pelo Rio, a petista Benedita da Silva, que se diz evangélica, pediu o fim do adultério como crime. Ela e mais quatro deputadas do PT solicitarm a mudança do artigo 312 do Código Civil, deixando de prever a “fidelidade recíproca” como um dever dos cônjuges passando a exigir o “respeito e a consideração recíproca”. O deputado Roberto Magalhães (PFL-PE), disse que ser for aprovada a emenda proposta pelas deputadas, “é melhor acabar com o casamento” (10/91).

Não é só isso! Não temos mais referenciais em todos os segmentos da sociedade humana. Não temos mais o registro de profissionais exemplares, líderes a serem seguidos, políticos honrados, respeito no trânsito e total ausência de fiscalização e punição.

Surgem doenças especialmente criadas, para preencher espaços construídos por uma sociedade que animaliza o homem e humaniza o animal.

Com o advento do sistema socialista no mundo, as regras básicas para o bom relacionamento humano, são, a cada dia, descaracterizadas. No Brasil instaurou-se a anarquia (do grego anarkhos, sem poder, governo), usada para denominar ideologias, em oposição a valores sociais, político, militar e religioso e seus decorrentes como o Estado, leis, propriedade e a própria ordem.

O ser (honesto, de nobreza e caráter) deu lugar ao ter (dinheiro, triunfo, riquezas, não importa como). Vivemos em época semelhante a do Dilúvio, quando o SENHOR acabou com tudo, pois “A terra, porém, estava corrompida diante da face de Deus; e encheu-se a terra de violência”, Gn 6.11.

Maranata! Amém?!

Read Full Post »

“E ao anjo da igreja que está em Laodicéia escreve: Isto diz o Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o princípio da criação de Deus: Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente; quem dera foras frio ou quente! Assim, porque és morno, e não és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca. Como dizes: Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta; e não sabes que és um desgraçado, e miserável, e pobre, e cego, e nu; aconselho-te que de mim compres ouro provado no fogo, para que te enriqueças; e roupas brancas, para que te vistas, e não apareça a vergonha da tua nudez; e que unjas os teus olhos com colírio, para que vejas. Eu repreendo e castigo a todos quantos amo; sê pois zeloso, e arrepende-te. Eis que estou à porta, e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo. Ao que vencer lhe concederei que se assente comigo no meu trono; assim como eu venci, e me assentei com meu Pai no seu trono. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas”, 3.14-22.

Imagem

Águas termais de Hierápolis

Abrangência/época: Pós-arrebatamento (Ap 3.14-22).

Significado: Justiça do Povo.

Fato crítico: Igreja morna (da atualidade).

Elogio: Não tem.

Exortação: Adquirir os valores espirituais.

Galardão ao que vencer: Assentará com o Senhor em seu trono.

Significa histórico: Igreja que congrega tudo e todos (democrática).

Localização
Essa cidade localizava na Frígia, entre Éfeso, a 160km a leste desta cidade; Colosssos e Hierápolis. Atualmente, ao lado de suas ruínas está a aldeia de Eski Hissar. Também estava sob o cinturão de terremotos, que assolou muitas outras cidades-igrejas. Seu nome é também transliterado para Laodikeia, mas antes fora chamada de Diospolis Rhoas e uma das mais avançadas cidades da região, durante o domínio do Império Romano. Esse nome deriva-se de Deus (Dios, referindo a Zeus) e polis (cidade), isto é, ‘Cidade de Zeus’.

Paulo fala dessa igreja em Colossences 4.13,16. Ele cita também os irmãos de Hierápolis (v13), uma das cidades que forneciam água a Laodicéia.

Identificação

Laodicéia deriva-se do grego laos, que significa povo, mais dikaios que quer dizer justiça. Portanto é a igreja da ‘justiça do povo’. É a igreja da democracia, justamente o ‘direito que emana do povo’, de participar de decisões, fazendo frente à Teocracia (domínio divino).

Laodicéia orgulhava-se de seu progresso industrial e riqueza que lhe dava a pompa de independência, a partir da força econômica.

Historiadores mostram que Laodicéia possuía um forte sistema financeiro, tipicamente bancário, destacados laboratórios, com produção especial de um famoso colírio, completando-se numa escola de medicina e ainda indústrias têxteis.

Toda essa estrutura produzia riqueza e o orgulho dos cidadãos de Laodicéia, que não dependiam em nada de seus vizinhos. Eram prósperos e se orgulhavam de não necessitar de ajuda externa, pois a cidade era progressiva e rica.

Falta de água

Entretanto, a água, produto de fundamental importância à sobrevivência humana, que até hoje mantém sua influência na vida de qualquer sociedade, faltava em Laodicéia. A cidade convivia com o problema da falta de sistema de captação próprio. A administração da cidade dependia de outros centros para abastecimento. A água era captada, por meio de aquedutos procedentes de dois centros vizinhos: Colossos e Hierápolis.

A ‘Cidade de Hiera’ (Hierapólis) possuía fontes termais, mas com água com temperaturas entre 35º e 100º. Portanto, a água que procedia de Hierápolis era quente. Mas como esta cidade distava cerca de10 quilômetrosde Laodicéia, refrescava pela condução do aqueduto, mas, quando chegava estava morna.

Com toda a riqueza, os laodicenses buscaram a opção em Colossos, de onde procedia água potável e fria. Porém, a distância fazia com que a água, ao chegar ao grande centro produtor e, portanto, rico, estivesse também morna.

Então o Senhor toma esse fato e diz:

“Eu sei as tuas obras, que nem és frio nem quente. Tomara que foras frio ou quente! Assim, porque és morno e não és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca. Como dizes: Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta (e não sabes que és um desgraçado, e miserável, e pobre, e cego, e nu), aconselho-te que de mim compres ouro provado no fogo, para que te enriqueças, e vestes brancas, para que te vistas, e não apareça a vergonha da tua nudez; e que unjas os olhos com colírio, para que vejas”, Ap 3.15-19.

Outra tradução diz:

“Conheço as tuas ações; sei que não és nem frio nem fervente. Oxalá fosses frio ou fervente. Assim, porque és morno, nem fervente nem frio, estou para te vomitar da minha boca. Visto que dizes ser rico, cheio de bens, que de nada precisas, e não sabes que és um infeliz, um miserável, pobre, cego e nu, aconselho-te a comprares de mim ouro acrisolado no fogo para te enriqueceres, e vestes brancas para te cobrires, a fim de não se ver a vergonha da tua nudez…”.

O outro lado de Filadelfia

Ao contrário de Filadélfia, Laodicéia não tem elogios, mas somente reprovação (Is 43.7-8). É morna, desgraçada (sem a graça), pobre, cega e nu. Embora Laodicéia fosse economicamente rica, possuísse uma admirável indústria de fabricação de roupas, excelente centro médico e bons colírios, faltava-lhe a Água da Vida, que jorra para a Vida Eterna.

Cremos que esta igreja é aquela que tentará se reorganizar quando o Anticristo dominar o mundo, após a Volta do Senhor. Serão os remanescentes do Arrebatamento. Por ser uma igreja fria, se distancia do Filho de Deus e então ficaria no mundo para enfrentar o domínio do Filho do Diabo.

Esses remanescentes deverão ser provados pelo (no) fogo da cruel perseguição. Hoje percebemos lampejos, a partir das tendências de domínio de ideologias políticas, apontando para a organização do domínio humano do mundo futuro, mas não distante.

Porém, tem que se levar em conta a dificuldade da conversão de uma pessoa morna em termos de fé e crença – o dito ‘amigo do Evangelho’, pois é sempre mais acessível o frio.

Passar pelo fogo é a forma de separar os maus dos bons e essa purificação se dá a exemplo da purificação do metal precioso (‘ouro provado no fogo’, v18). Também semelhante ao que apóstolo Paulo descreve no texto da Ceia, em 1Coríntios 11.28: “Examine-se o homem a si mesmo”. O termo no original indica teste a metais: o tilintar do metal a indicar o auge da têmpera ou tratamento térmico a fim de tornar o metal mais a indicar resistência. De forma figurada, indica caráter e índole intocáveis:

E farei passar esta terceira parte pelo fogo, e a purificarei, como se purifica a prata, e a provarei, como se prova o ouro. Ela invocará o meu nome, e eu a ouvirei; direi: É meu povo; e ela dirá: O Senhor é o meu Deus”, Zc 13.9.

Por outro lado, morno, sinônimo de frouxo, de tepidez, é de provocar náusea (estomacal), no caso em tese, na alma, isto é, rejeição, não aceitação ou assimilação ao sistema do corpo.

Correção a quem se ama

A frese é procedente e bíblica, conforme se lê em Provérbios 3.12:

“Porque o Senhor repreende aquele a quem ama, assim como o pai ao filho a quem quer bem” e “E já vos esquecestes da exortação que argumenta convosco como filhos: Filho meu, não desprezes a correção do Senhor, E não desmaies quando por ele fores repreendido; porque o Senhor corrige o que ama, E açoita a qualquer que recebe por filho. Se suportais a correção, Deus vos trata como filhos; porque, que filho há a quem o pai não corrija? Mas, se estais sem disciplina, da qual todos são feitos”, Hb 12.5-8.

O Amém!

Amém é advérbio e adjetivo hebraico para indicar verdadeiramente, certamente (verdadeiro, verdade e certo), conforme Isaías 65.16:

“Assim que aquele que se bendisser na terra, se bendirá no Deus da verdade; e aquele que jurar na terra, jurará pelo Deus da verdade; porque já estão esquecidas as angústias passadas, e estão escondidas dos meus olhos”.

Justifica-se como o Senhor da Verdade, pois Dele advém todas as coisas – a verdade sobre tudo – por constituir-se Princípio de tudo e de todos, e, conforme o silogismo filosófico, ao chegar-se Deus como razão de todas as coisas, logo, Ele é a Verdade!

“Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez”, Jo 1.3

Read Full Post »

João, às sete igrejas que estão na Ásia: Graça e paz seja convosco da parte Daquele que é, e que era, e que há de vir, e da dos sete espíritos que estão diante do seu trono. E da parte de Jesus Cristo, que é a fiel testemunha, o primogênito dos mortos e o príncipe dos reis da terra. Àquele que nos ama, e em seu sangue nos lavou dos nossos pecados… Eu sou o Alfa e o Ômega, o princípio e o fim, diz o Senhor, que é, que era, e que há de vir, o Todo-Poderoso”… Escreve as coisas que tens visto, e as que são, e as que depois destas hão de acontecer”.

Ap 1.3-5,8,19.

O mistério das Sete Igrejas foi dado por revelação divina ao apóstolo João, exilado pelos romanos, na Ilha de Patmos, localizada no Mar Egeu. O livro do Apocalipse foi escrito por volta do ano 96dC, época de intensa perseguição aos cristãos da Igreja Primitiva, orquestrada pelo imperador Domiciano.

AS SETE CIDADES-IGREJAS
 

ÉFESO

Abrangência/época: Primeiro século (Ap 2.1-7).

Significado: Desejável.

Fato crítico: Distanciou-se do primeiro amor – v4.

Elogio: Perseverança (trabalho incansável) e rejeição do mal – v2-3. 

Exortação: Buscar a renovação espiritual – v5.

Galardão ao que vencer: Fruto da Árvore da Vida – v7.

Significado histórico: Época da Igreja Primitiva – até o fim da era apostólica.

 
Identificação

Éfeso é a igreja do primeiro século (início do esfriamento). Essa igreja ainda se reunia nas casas dos irmãos, como de Áquila e Priscila. Naquela época, a igreja não contava com templos. Apóstolo Paulo faz menção de nomes e saudações pessoais, demonstrando que havia muita aproximação, comunhão, amor e alegria entre os crentes. O cristão viajante tinha hospedagem familiar no mundo de então, “entre os da casa”, conforme indica a linguagem cristã: “Para que os recebais no Senhor…”, Rm 16.2.

 

ESMIRNA

Abrangência/época: De100 a 312 (Ap 2.8-11).

Significado: Anestésico (Sofrimento).

Fato crítico: Não há.

Elogio: Suporta a perseguição.

Exortação: Sê fiel até a morte.

Galardão ao que vencer: Não morrerá.

Significado histórico: Auge da perseguição romana.

 
Identificação

Esmirna localizava-se a cerca de 40 quilômetrosao norte de Éfeso. Possuía um famoso porto voltado para o comércio do Mar Egeu. Nela, segundo comentários da Bíblia de Estudo – Aplicação pessoal (CPAD), havia uma luta interna entre judeus, que se opunham aos cristãos, e cidadãos que eram simpáticos ao domínio romano e à adoração ao imperador. Dado essa identidade peculiar, as perseguições eram frequentes.

Por outro lado judeus, ao se ajuntaram à adoração em suas sinagogas, serviam aos propósitos de Satanás e não aos de Deus, e acabavam por formar a “sinagoga de Satanás”, conforme a mesma fonte acima, que afirma ainda ter sido uma cidade famosa por suas competições esportivas, mas a coroa final que o Senhor oferece – a coroa da vida (v10) – está acima do laurel que os competidores ganhavam – a coroa corruptível.

 

PÉRGAMO

Abrangência/época: De312 a 600 (Ap 2.12-17).

Significado: Casamento.

Fato crítico: Segue as doutrinas de Balaão e dos Nicolaítas – v14-15.

Elogio: Honra o nome de Cristo – v13.

Exortação: Buscar o arrependimento – v16.

Galardão ao que vencer: Maná escondido e uma pedra branca com um novo nome – v17.

Significado histórico: Casamento com o Estado.

 

Identificação

Pérgamo era uma cidade localizada em cima de uma colina com cerca de 300m acima do nível do mar. Uma fortaleza natural. A moderna cidade contava ainda com uma boa cultura predominantemente grega e, portanto, avançada, e uma biblioteca com cerca de 200 mil volumes, segundo comentários da Bíblia de Estudo – Aplicação pessoal (CPAD). O deus principal de Pérgamo possuía a forma de serpente. Era o deus da saúde, talvez o Esculápio – o deus da Medicina, representado também por serpentes. Mas, além desse deus Pérgamo possuía três outras seitas que veneravam Dionísio, Zeus e Atenas. Em 29aC um templo ao imperador chegou a ser erguido na cidade, corroborando para a fama de cidade onde estava o “trono de Satanás” (v13).

 

TIATIRA

Abrangência/época: De600 a 1517 (Ap 2.18-29).

Significado: Relaxada (Mulher opressora).

Fato crítico: Líder feminina que ensina a tolerância ao pecado – v20.

Elogio: Crescimento nas obras – v19.

Exortação: Reter o que tem – v25.

Galardão ao que vencer: 1) Poder sobre as nações; 2) a Estrela da Manhã – a Luz Eterna (Cristo) – v26-28.

Significado histórico: Decadência da Igreja.

 
Identificação

Na época de Tiatira a Igreja viveu a escuridão do conhecimento. Isso ocorreu durante o período da Idade Média. Triunfou em Tiatira a doutrina baloanista, nicolaitista e jezabelista, a ponto de constituírem a “profundeza de Satanás” (v24).

Jezabel é a mulher que fundamentou certa doutrina herege. É o nome que se dá a quem está no meio, no sistema, mas não faz parte originalmente dele. E por meio de sua doutrina são introduzidos todos os deuses regionais, como a própria esposa de Acabe fez em Israel.

 

SARDES

Abrangência/época: De1517 a 1750 (Ap 3.1-6).

Significado: Pedra que brilha.

Fato crítico: Tem fama de igreja avivada, mas está morta – v1.

Elogio: Pessoas que não se contaminaram – v4.

Exortação: Vigiai – v5.

Galardão ao que vencer: Andarão de branco com o Senhor – v5.

Significado histórico: Igreja Remanescente.

 
Identificação

Essa igreja se encaixa dentro da época da Reforma Protestante, que tem como data histórica 31 de outubro de 1517. Sardes ou Sardo é uma pedra que brilha em contato com o corpo. É uma figura que deixa claro a necessidade de o crente estar unido ao Corpo de Cristo, por meio da comunhão.

Embora indique uma igreja surrada por tudo quanto veio antes dela, culminando com a prática idolátrica, que grassava em seu meio e já bastante distante dos preceitos bíblicos-cristãos, nela são contadas algumas pessoas que não contaminaram suas vestes.

Estes remanescentes que dariam vazão à Reforma Protestante, pois recebem a promessa gloriosa do Senhor: “…e comigo andarão de branco”, v4. Este é o contraste das vestes brancas (3.18) oferecidas pelo Senhor com o psicodelismo comercial (Ap 17.4), que fazia da indústria de lã e de tintura, o orgulho de Sardes.

 

FILADELFIA

Abrangência/época: A partir de 1750 (Ap 3.7-13).

Significado: Igreja do amor fraternal.

Fato crítico: Não tem.

Elogio: Guardaste a minha Palavra e não negaste o meu nome – v10.

Exortação: Venho em breve, guarda o que tens para ninguém tome – v11.

Galardão ao que vencer: Coluna do Templo divino terá o nome de Deus e de sua cidade, e o novo nome de Cristo – v12.

Significado histórico: Igreja do Arrebatamento.

 

Identificação

O nome dessa igreja vem de phileo (grego) que significa amor fraterno. É o amor de fraternidade entre as pessoas, amor recíproco. Esse amor contrasta com as orgias sexuais, centradas no amor sensual (grego heros). Filadélfia, além de não ter reprovação, tem elogios. Nela o Todo-Poderoso tem a chave da porta que abre e ninguém fecha; que fecha e ninguém abre e a proposta da bênção de pôr diante do crente uma porta aberta.

 

LAODICEIA

Abrangência/época: Pós-arrebatamento (Ap 3.14-22).

Significado: Justiça do Povo.

Fato crítico: Igreja morna (da atualidade).

Elogio: Não tem.

Exortação: Adquirir os valores espirituais.

Galardão ao que vencer: Assentará com o Senhor em seu trono.

Significa histórico: Igreja que congrega tudo e todos (democrática).

 
Identificação

O nome Laodicéia deriva-se do grego laos, que significa povo, mais dikaios que quer dizer justiça. Portanto é a igreja da justiça do povo. É a igreja da democracia, justamente o direito do povo de participar de decisões, fazendo frente à Teocracia (domínio divino). Paulo fala dessa igreja em Colossences 4.13,16. Ele cita também os irmãos de Hierápolis (v13), uma das cidades que forneciam água a Laodicéia. Esta cidade orgulhava-se de seu progresso industrial e riqueza que lhe dava a pompa de independência econômica.

Alguns historiadores dizem que Laodicéia possuía um forte sistema financeiro, destacados laboratórios de remédios, com produção especial de um famoso colírio, completando-se com uma escola de medicina, e ainda indústrias têxteis. Era próspera e se orgulhava de não necessitar de ajuda externa. A cidade era progressiva e rica.

(Resumo extraído do livro FRONTEIRA FINAL, CPAD, Antônio Mesquita)

Read Full Post »

Em Nota do Pontifício Conselho Justiça e Paz com o subtítulo Para uma reforma do sistema financeiro e monetário internacional na perspectiva de uma autoridade pública de competência universal, o líder da Igreja Católica Apostólica Romana, de forma indireta, evoca o Governo do Anticristo, por meio de argumentos humanistas. A extensa exposição papal corrobora com os intentos preconizados pelo Apocalipse, com indiscutível semelhança e está publicada no site do Vaticano – A Cúria Romana.

Os argumentos católicos romanos são convincentes do ponto de vista do humanismo – o homem em primeiro lugar: “Ninguém, conscientemente, pode aceitar o desenvolvimento de alguns países em desvantagem de outros”, porém, agride a mensagem cristã que coloca Deus em primeiro lugar. Ao cristão segue o chamamento do Senhor de buscar o Reino de Deus em primeiro, pois “Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de odiar um e amar o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e a Mamom” e “…buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas”, Mt 6.24,33.

“…o caminho rumo à construção de uma família humana mais fraterna e justa e, antes ainda, de um renovado humanismo (grifo nosso) aberto à transcendência, parece ainda muito actual o ensinamento do Beato João XXIII. Na profética Carta encíclica Pacem in terrisde 1963, ele previa que o mundo se ia encaminhando rumo a uma unificação cada vez maior. Portanto, reconhecia o facto de que, na comunidade humana, faltava uma correspondência entre a organização política, «no plano mundial, e as exigências objectivas do bem comum universal».(11) Por conseguinte, desejava que um dia se pudesse criar «uma Autoridade pública mundial”.

A ideia do bem coletivo nada tem que ver com os projetos do Reino, pois sabemos da inviabilidade de se misturar óleo e água, mesmo quando “Face à unificação do mundo, favorecida pelo complexo fenómeno da globalização; perante a importância de garantir, para além dos demais bens colectivos, o bem representado por um sistema económico-financeiro mundial livre, estável e ao serviço da económica real, hoje o ensinamento da Pacem in terris parece ainda mais vital e digno de urgente concretização.”

“O próprio Bento XVI, no sulco traçado pela Pacem in terris, manifestou a necessidade de constituir uma Autoridade política mundial. (…) Pensemos, por exemplo, na paz e na segurança; no desarmamento e no controle dos armamentos; na promoção e na tutela dos direitos fundamentais do homem; no governo da economia e nas políticas de desenvolvimento; na gestão dos fluxos migratórios e na segurança alimentar; e na salvaguarda do meio ambiente. Em todos estes âmbitos, é cada vez mais evidente a crescente interdependência entre Estados e regiões do mundo, e a necessidade de respostas, não apenas sectoriais e isoladas, mas sistemáticas e integradas, inspiradas pela solidariedade e pela subsidiariedade, e orientadas para o bem comum universal.”

Paz e Segurança

Sobre a frase “na paz e na segurança”, analise a semelhança com o alerta bíblico a respeito do acordo entre o Anticristo e os judeus: “Haverá paz e segurança” (1Ts 5.3). O texto todo diz: “Mas, irmãos, acerca dos tempos e das estações, não necessitais de que se vos escreva; Porque vós mesmos sabeis muito bem que o dia do Senhor virá como o ladrão de noite; Pois que, quando disserem: Há paz e segurança, então lhes sobrevirá repentina destruição, como as dores de parto àquela que está grávida, e de modo nenhum escaparão. Mas vós, irmãos, já não estais em trevas, para que aquele dia vos surpreenda como um ladrão; Porque todos vós sois filhos da luz e filhos do dia; nós não somos da noite nem das trevas”, 5.1-5.

Não obstante ser uma argumentação plausível, somente ao homem natural resta à busca, com vistas à construção de um paraíso terrestre conforme desígnios do Anticristo, justamente por opor-se ao Paraíso celestial, proposto pelo Senhor. No contexto da Salvação em Cristo está o alerta paulino: “Tende cuidado, para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo”, Cl 2.8.

Quando o papa fala em direito universal, “recorda Bento XVI, se não percorrermos este caminho, também «o direito internacional, não obstante os grandes progressos realizados nos vários campos, correria o risco de ser condicionado pelos equilíbrios de poder entre os mais fortes», trata da unificação do próprio direito, hoje sob entraves de algumas barreiras ‘retrógadas’ como o aborto, pesquisa com células embrionárias, união estável entre pessoas do mesmo sexo etc. A ONU busca essa unificação. Ela deverá ocorrer ainda que seja pela truculência do poder dominante, como ocorreu no Brasil, recentemente, com respeito à desconstrução da Constituição pelo STF.

A ONU constitui-se um dos starts e que já tem figura reconhecida para a “Autoridade pública de competência universal” é a “Organização das Nações Unidas, em virtude da extensão mundial das suas responsabilidades, da sua capacidade de reunir as Nações da terra e da diversidade das suas tarefas e das suas Agências especializadas.”

Com proximidade muito tênue, a Bíblia diz o seguinte, sobre o Governo Único: “E foi-lhe permitido fazer guerra aos santos, e vencê-los; e deu-se-lhe poder sobre toda a tribo, e língua, e nação. E adoraram-na todos os que habitam sobre a terra, esses cujos nomes não estão escritos no livro da vida do Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo. Se alguém tem ouvidos, ouça”, E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas, Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome. Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule o número da besta; porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis”, Ap 13.7-9, 16-18.

“Ela deverá surgir de um processo…”

Por sua vez, o papa diz que essa “autoridade supranacional deve possuir uma delineação realista e ser realizada com gradualidade, com o objectivo de favorecer também a existência de sistemas monetários e financeiros eficientes e eficazes, ou seja, mercados livres e estáveis, disciplinados por um adequado quadro jurídico, funcionais para o desenvolvimento sustentável e para o progresso social de todos, inspirados nos valores da caridade na verdade.”

Quando o papa trata de fases preliminares para a instalação do que o catolicismo romano define como “Autoridade política mundial”, “Governo da Globalização” ou “Comunidade das Nações”, fala da possibilidade de emergir de “uma instituição legitimada, capaz de oferecer uma guia eficaz e, ao mesmo tempo, de permitir que cada país expresse e persiga o próprio bem particular”, parece-me que o papa tenta indicar sua organização religiosa.

Também não faltou a filosofia do traidor Judas, que condena o uso do aroma caríssimo empregado em Jesus por Maria, pois na mente de Judas, o produto deveria ser ‘leiloado’ e os 300 dinheiros usados para distribuição de cestas básicas. Os pobres constituem o trunfo de sempre dessas mentes férteis, mas eles sempre os mantêm.

Segundo o papa, essa Autoridade supranacional deve ser “colocada ao serviço do bem de todos” sem a supremacia de “dos países mais desenvolvidos sobre os países mais débeis.”, pois as políticas “mais urgentes” são “as relativas à justiça social global: políticas financeiras e monetárias que não danifiquem os países mais débeis; políticas destinadas à realização de mercados livres e estáveis e a uma distribuição equitativa da riqueza mundial através também de formas inéditas de solidariedade fiscal e global”.

A autoridade desse governo, mostrada pela Palavra: “E faz que a todos” não é esquecida pelo líder do catolicismo romano, ao afirmar que “a liberdade das pessoas e das comunidades de pessoas” serão respeitadas.

Quando o líder católico fala em “nações, pequenas ou grandes”, até soa como proposital, quando enfatiza os domínios do Governo do Anticristo, sobre sua urgência e tempo oportuno, dada à similaridade com o texto bíblico.

“Os tempos para conceber instituições com competência universal chegam quando estão em jogo bens vitais e partilhados por toda a família humana, que os Estados individualmente não são capazes de promover e proteger sozinhos.” e ainda impele o povo a aceitar de forma consciente o que é denominada de “nova dinâmica mundial rumo à realização de um bem comum universal.” E ainda do surgimento “de uma nova sociedade”, a construir “novas instituições com vocação e competência universais”, pois “Está em jogo o bem comum da humanidade e o próprio futuro.”

Embora use a família para introduzir a mente milenar de domínio, sabe-se que essa base da sociedade humana tem sido deixada para trás, quando o assunto é humanismo. E na mensagem cristã o homem deve ser primeiramente regenerado para, depois, poder receber a bênção do Senhor e manter-se estável quanto à vida humana, conforme 1Pd 1.23-24: “Sendo de novo gerados, não de semente corruptível, mas da incorruptível, pela palavra de Deus, viva, e que permanece para sempre. Porque Toda a carne é como a erva, E toda a glória do homem como a flor da erva. Secou-se a erva, e caiu a sua flor”.

Governança Global

Em A reconstrução do mundo (Clovis Rossi, FSP, Opinião, 4/4/03), o articulista diz o seguinte: “Fala-se de uma tarefa nada trivial: reconstruir o mundo ou mais propriamente a governança global, a cargo das Nações Unidas.” Ele cita declaração do chanceler Celso Amorim, que defende uma ação mais efetiva da ONU, não somente com a incumbência de prestar “auxílio humanitário e da reconstrução do Iraque. É preciso reconstituir a barganha inicial, em que cada um cede um pouco, para reconstruir a governança global’, diz o então chanceler brasileiro.” (Fronteira Final, CPAD, livro de minha autoria)

Esse sistema seria à moda Robin Woody e, neste caso, todos teriam, em tese, os mesmos direitos, sempre sendo controlados por uma central.

Para o ‘santo padre’ além de ser de “grande importância para o reino de Deus”, conforme Concílio do Vaticano 2, “uma Autoridade mundial torna-se o único horizonte compatível com as novas realidades do nosso tempo e com as necessidades da espécie humana” e conclama a que a “humanidade seja autenticamente uma única família, chegando a conceber um novo mundo com a constituição de uma Autoridade pública mundial, ao serviço do bem comum” (Fonte: Vaticano – A Cúria Romana, site da Igreja Católica Apostólica Romana:

Que Besta é essa?

Os adventistas dizem que o papa é a própria Besta. Isto com base em argumentos visíveis, pois o mesmo número desse homem-líder mundial – o 666 – aparece na frase em latim da tiara papal: Representante do Filho de Deus, que, se somados os números em algarismo romano dá justamente 666, dentre outras indicações! Também porque o papa representa hoje o lado religioso do Império Romano, uma vez que a Igreja Católica Apostólica ROMANA (grifo nosso) tem sua matriz em Roma, a mesma cidade sede do Império dos Césares, que mataram centenas de nossos irmãos da Igreja Primitiva.

Mesmo que ela não seja a Besta, seus ideários estão em acordo com a profecia: “Estes têm um mesmo intento, e entregarão o seu poder e autoridade à besta”, Ap 17.13.

Por outro lado, a mesma associação tida como cristã – definição mais sociológica que propriamente representativa – também matou milhares de cristãos em especial na Idade Média. Somente na Noite de São Bartolomeu, milhares de huguenotes (nome pejorativo dado aos cristãos pelo catolicismo) foram mortos na França.

É certo que em países de Primeiro Mundo o catolicismo romano não tem expressado tanta idolatria (culto aos ídolos), como em países miseráveis por ela colonizados, como todos os povos da América Latina – mas, paira sobre ela a doutrina das tradições que ‘suplantam’ a Palavra.

O governo mundial passou a ter a predominância religiosa num misto de poder humano e influência religiosa, sob o auspício do paganismo misturado ao cristianismo formando uma nova visão dominante do mundo refletido na mulher do capítulo 17 de Apocalipse.

A nova visão forma outra imagem do domínio do mundo, ao descaracterizar tudo em busca de um novo modelo: os impérios, o paganismo e o cristianismo, se fundem e formam a nova visão mundial.

Tudo isso foi preconizado por Constantino a partir de 313. Ao ganhar o império, cumpriu com o que prometeu dando liberdade aos cristãos, devolvendo suas terras confiscadas, outorgando a eles prestígio, mas acabou assumindo o domínio da Igreja como um imperador-papa.

Após o fim do Império Romano, depois da divisão entre Roma e Constantinopla, em 419, os papas – agora já instituídos oficialmente –, perceberam a forma de domínio assumindo-a conforme nos mostra a profecia bíblica escrita mais de dois séculos antes, e a própria História.

Coincidência ou fato?!

“E veio um dos sete anjos que tinham as sete taças e falou comigo, dizendo-me: Vem, mostrar-te-ei a condenação da grande prostituta que está assentada sobre muitas águas, com a qual se prostituíram os reis da terra; e os que habitam na terra se embebedaram com o vinho da sua prostituição. E levou-me em espírito a um deserto, e vi uma mulher assentada sobre uma besta de cor escarlate, que estava cheia de nomes de blasfêmia e tinha sete cabeças e dez chifres. E a mulher estava vestida de púrpura e de escarlata, adornada com ouro, e pedras preciosas, e pérolas, e tinha na mão um cálice de ouro cheio das abominações e da imundícia da sua prostituição. E, na sai testa, estava escrito o nome: MISTÉRIO, A GRANDE BABILÔNIA, A MÃE DAS PROSTITUIÇÕES E ABOMINAÇÕES DA TERRA. E vi a que mulher estava embriagada do sangue dos santos e do sangue das testemunhas de Jesus. E, vendo-a eu, maravilhei-me com grande admiração. E o anjo me disse: Por que te admiras? Eu te direi o mistério da mulher e da besta que a traz, a qual tem sete cabeças e dez chifres. E disse-me: As águas que viste onde se assenta a prostituta, são povos, e multidões, e nações, e línguas. E os dez chifres que viste na besta são os que aborrecerão a prostituta, e a porão desolada e nua, e comerão a sua carne, e a queimarão no fogo. Porque Deus tem posto em seu coração que cumpram o seu intento, e tenham uma mesma idéia, e que dê, à besta o seu reino, até que se cumpram as palavras de Deus. E a mulher que vista é a grande cidade que reina sobre os reis da terra”, Ap 17.1-7, 15-18.

Essa grande cidade é Roma e a Prostituta do Apocalipse (17) é o sistema religioso dominante.

Um grande líder – novidade bem-vinda ao mundo

Há dezenas de anos, o mundo não conhece líderes de influência mundial como cientistas, imperadores, presidentes norte-americanos, líderes russos, revolucionários, e mesmo no setor político. O mesmo acontece aos demais setores da sociedade como esportes, artes e até na religião. Não temos mais homens que se destacam por suas afinidades ou qualidades extraordinárias. O que vemos hoje são destaques que se alinham entre si e não se sobrepõem.  Portanto, um líder no mundo hoje seria uma novidade aplaudida e recebida como um “renovo” e o que surgir, com certeza dominará o mundo.

Declarações pró-governo único

Veja algumas declarações que dão mostra da realidade que nem todos enxergam:

– Uma pesquisa indica que “Sessenta por cento dos alemães são favoráveis a um presidente continental”.

– “A aliança é boa, mas não é uma ‘santa’ aliança”, já dizia François Mitterrand.

– “É preciso acertar o relógio com o mundo”, Giovani Spadolini, então presidente do Senado italiano, que esperava por um “governo mundial da humanidade”.

– “Está emergindo a possibilidade de um administrador global do planeta”, violonista Yehudi Menuhin.

 O Sistema dominado pela Mente Milenar

Diferente do significado de cosmo, conforme alguns textos indicativos na Bíblia, mundo diz respeito ao sistema dominante, retratado pela Palavra como algo dominado pelo maligno (1Jo 5.19). Esse é o que provoca as circunstâncias aflitivas aos cristãos, conforme disse o Senhor: “… no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo” (Jo 16.33). “… mundo é uma instituição perversa, contrária ao seu espírito e aos seus ensinamentos” (Novo Testamento, tradução dês textos originais, com notas, dirigida pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma, 1967 by Edições Paulinas – São Paulo), mas vencido pelo Senhor.

Obs: Mantive a grafia original dos textos aspados, conforme grafia da usada em Portugal.
Textos compilados do livro de minha autoria: Fronteira Final-CPAD. 

Read Full Post »

Nas últimas décadas, o número de sinais, fatos e ocorrências, que dão mostra da veracidade bíblica e, portanto, da Volta do Senhor – pois uma coisa não se desvincula da outra – tem aumentado de modo assustador.

Parece que o mundo está atado a uma roda gigante, em alta velocidade, que, a cada determinado momento, joga alguma coisa ao espaço. Não temos registrado períodos longos entre um acontecimento e outro… e, pior: Não há previsão, controle ou domínio.

Simultaneamente cumpre-se ainda a degradação humana e, com ela, também suas desagradáveis consequências – verdadeiras desgraças, como a corrupção humana, que aciona automaticamente a violência (cf Gênesis 6.11-12).

Crédito: www.fotosearch.com.br/fotos…/desastrenatural.html

O fim vem após o Resgate e grande ímpeto de destruição

Tudo isso faz com que variações ocorram, tanto na postura humana quanto no comportamento da própria natureza. O homem banaliza a vida do próximo e passa a amar mais a criatura, como cachorros e outros bichos, enquanto crianças são preteridas. Essa anomalia destrói até casamento e indica outro retrato: a queda violenta da geração de filhos, o aumento da população idosa e o desprezo pela estrutura básica humana – a família.

Evidências

Leia algumas das últimas notícias: A baixa dos rios na Amazônia como o Rio Negro é uma delas. “O nível do rio Negro bateu nesta quarta-feira (20-out-10) o recorde como a segunda maior vazante (baixa das águas) em 108 anos de existência da estação de monitoramento hidrológico no Porto de Manaus” (Folha Online).

As consequências são incalculáveis, pois muitas cidades são atingidas e famílias sofrem com doenças e privações sócio-econômicas.

Por outro lado, na costa brasileira cientistas buscam respostas para o aumento de encalhe e morte de baleias, que passaram de 30 para 90 ao ano.

Na Ásia

Outra notícia da Ásia (26-out) mostra a consequência da erupção de vulcão na Indonésia e a morte de mais de 100 pessoas. “As autoridades da Indonésia correram nesta terça-feira para responder a dois graves desastres naturais, após um tsunami e uma erupção vulcânica atingirem duas regiões distintas no maior arquipélago do mundo, e deixarem mais de 130 mortos” (Associated Press).

Essa é uma tragédia menor a considerar a ocorrida em dezembro de 2004, quando 220 mil pessoas morreram em, ao menos, 12 países, varridos pelo tsunami do Oceano Índico.

Desaparecimento de rios

Parece que isso não passa de conversa de ecologista, mas é só dar uma olhada à sua volta, consultar a história que você verá verdades infinitas. É outra notícia que roda o mundo, dando conta que a destruição de rios, lagos e pântanos provoca ameaça a espécies de peixes de água doce, segundo relatório produzido com apoio da ONU.

Conforme estudo do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Unep) e do Centro Mundial do Peixe, divulgado em reunião das Nações Unidas, no dia 29 (set) no Japão, essas fontes são responsáveis pela produção anual de 13 milhões de toneladas de peixe e o emprego industrial de 60 milhões de pessoas.

Além disso, como toda ingerência humana na natureza, nota-se como resultado o efeito dominó, com registro de perdas no ecossistema, poluição e mudanças climáticas.

Fronteira Final

Haverá sinais… e na terra angústia das nações, em perplexidade pelo bramido do mar e das ondas… na expectação das coisas que sobrevirão ao mundo…” (Lc 21.25-26).

Read Full Post »

Older Posts »