Feeds:
Posts
Comentários

Liminar 2Liminar 1Liminar 3

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) frustrou mais uma tentativa do candidato à presidência da CGADB, José Wellington Junior. Neste dia 17/3 (sexta-feira), foi negada liminar que derrubaria as liminares concedidas até então, dentre elas, a que impede sua participação como concorrente.

Portanto, as liminares e seus respectivos pedidos são mantidos, para a eleição do dia 9 de abril, daqui a 20 dias.
SAMUEL -3
O quadro se mantém: As 10 mil inscrições com indícios de irregularidades continuam canceladas; a eleição está mantida; a candidatura de Wellington Junior permanece anulada; seu nome excluído das opções, mantendo-se somente os nomes de Samuel Câmara (foto) e Tardim.

Deparei-me com a propaganda de uma bíblia, que tenta justificar a sua versão à sombra da Graça. Para isto, apelam para a tal chamada minorias, mas fica claro tratar-se de um título voltado a homossexuais.

O mesmo título teria ocasionado atrito com a Sociedade Bíblia do Brasil (SBB), que teria cedido a versão Almeida, mas, depois não mais cedera. Não existe Bíblia a premiar grupos, pois o SENHOR não é seletivo, mas inclui todos os que se arrependem de seus pecados, conforme preconiza Sua própria Palavra, e o deixam: ‘Quem confessa e deixa alcança misericórdia’ (Pv 28.13).

Na verdade é uma bíblia sem a Graça (unção); sem a Graça (favor divino), pois é desfavorável; mas cheia de graça (de gracejo, no sentido de desrespeito, insolência, zombaria, ofensiva…) e, portanto, irreverente. Um dos textos que trata sobre a Graça está em João 1.14, a indicar a manifestação divina em Cristo: ‘… e vimos a sua Glória, como a glória do Unigênito do Pai, cheio de Graça e de Verdade’ (o grifo – maiúsculas -, é meu). Glória, Graça e Verdade não existem separadamente.

Seria uma Bíblia própria no que diz respeito ao seu tema central, claramente exclusivista e, por força da adaptação (e do tema, que a impele), adulterada!

biblia GRAÇA

GRAÇA NÃO ACOMODA PETULÂNCIA!

Ao necessitar do favor divino, Sua Graça, o homem deve despir-se de seu orgulho, prepotência, petulância e pretensa destreza, para humildemente (de humus, terra), buscar que o SENHOR seja-lhe favorável.

Então, a Graça é construção de Cima para baixo. Não diz respeito, obviamente, à construção de um propiciatório (sê propício, favorável) exclusivo e pontual, por meio da desconstrução (destruir para reconstruir), de forma a tentar asfaltar um caminho para Deus vir ao homem!

Neste caso, a graça estaria no homem e não NELE. Por isto, digo, com base nessa inversão pensada, que essa graça, não passa de gracejo.

Imagine se cada anomalia, transtorno, variação, ideologia ou doutrinação humanos, minoria ou maioria, inventassem uma bíblia!? Isto fica claro nessa bíblia, que destrói o sentido original, para construir novas ideais e, então, ser favorável, por uma graça própria, o homossexualismo.

TENTATIVA POR MEIO DA DESCONTRUÇÃO

Levítico 18.22 que afirma

‘Com homem não te deitarás, como se fosse mulher; é abominação’ (KJV), foi reescrito eliminando a condenação, e ficou assim:

‘Não te deitarás com a humanidade como se fosse mulher no templo de Maloque; isso é uma abominação’.

Esta mudança de texto e do sentido sabido e indicado no conjunto (texto e contexto) é ainda condenada pela própria Bíblia, de forma profética, pois havia na ciência divina, a previsão desse fato, conforme Apocalipse 22.18-19:

‘Eu, a todo aquele que ouve as palavras da profecia deste livro, testifico: Se alguém lhes fizer qualquer acréscimo, Deus lhe acrescentará os flagelos escritos neste livro; e, se alguém tirar qualquer coisa das palavras do livro desta profecia, Deus tirará a sua parte da árvore da vida, da cidade santa e das coisas que se acham escritas neste livro’.

Humanidade não é o mesmo que homem, no sentido do gênero, isto é, macho. É o sentido abrangente, incluindo macho e fêmea, isto é o ser humano, o homem.

Por outro lado, os homossexuais tentam minimizar os textos que condenam o homossexualismo, pois afirmam que a condenação diz respeito à exposição homossexual como parte do culto pagão. Com esta construção, chegam à conclusão que nada diz respeito à prática em si, dentre outras afirmações inócuas.

CONTER A PALAVRA

Porquanto essa bíblia contém (tem) a Palavra, bem diferente de estar contida, a indicar o que ‘está inserido, compreendido ou encerrado no interior de;’ ‘que está totalmente dentro…’; Que não passa de certos limites’.

Um dos termos mais importantes da bíblia é graça. Não há um conceito mais central para a vida de um Cristão do que a graça. Não merecemos graça, mas não podemos viver sem ela. Nossas falhas são apagadas, nossos corações são amaciados apenas através da Graça Divina. Qual é a forma original em hebraico de expressar isso?

A PALAVRA ORIGINAL PARA GRAÇA

No hebraico, a palavra para graça é chesed. Ela aparece na Bíblia desde Gênesis 19.19, quando Ló agradece aos anjos do SENHOR pela visita e aviso da destruição Sodoma e Gomorra, tomadas pelo homossexualismo:

‘…teu servo tem achado graça aos teus olhos’. A graça que os anjos demonstraram é chesed. ‘Graça significa bondade, compaixão sem expectativa de recompensa’, na visão judaica. Chesed é uma palavra muito rica e aparece centenas de vezes na Bíblia. Chesed é o amor gratuito e inesperado conferido por Deus aos seres humanos, sem particularidades.

Das liminares concedidas pela Justiça sobre a eleição na Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB), nenhuma delas fora derrubada. Para sintetizar a situação, tomo o resumo do pastor Carlos Roberto da Silva, e incluo outras informações.

Todas as liminares concedidas, totalizando sete, estão em pleno vigor, sem que nenhuma tenha sido derrubada. A primeira delas, da Comarca de Corumbá (GO), foi contestada, mas o juiz não acatou a tese e vai julgar o mérito nas peças do processo. Isso deve levar muito tempo e, com certeza, ultrapassará a data da eleição.

As ações judiciais, com liminares concedidas, são as seguintes:

1/2) Corumbá de Goiás (GO);
3) Careiro (AM);
4) Carauari (AM);
5) Juruá (AM);
6) Manaus (AM);
7) Peixe Boi (PA).

Elas reportam-se sobre
1) Afastamento do presidente e vice-presidente da Comissão Eleitoral;

2) Cassação da candidatura à presidência da CGADB, do candidato Wellington Júnior, por não descompatibilizar-se do cargo de presidente do Conselho Administrativo da editora CPAD, conforme preestabelecido no artigo 11, do Estatuto Social da própria CGADB;

3) Cancelamento de 10.479 inscrições por irregularidades. Algumas dizem respeito a mortos, dentre eles, nos anos de 2006, 2011, 2012, 2016, e de pessoas que foram inscritas de forma oculta e sem o conhecimento do membro inscrito, como Sergio Amaral Gonçalves, com quem falei, no final de semana passado, em Macaé-RJ.

A ideia comum, segundo alguns, seria usar depois um ráquer, para votar por todos os inscritos irregulares. Porém, agora, por determinação também da Justiça, somente 5 eleitores poderão votar em cada computador, determinado pelo IP (identificação da máquina).

4) Manutenção da eleição conforme convocação;

5) Ainda o juiz de Corumbá de Goiás, incluiu na ação a empresa espanhola Scytl Soluções de Segurança e Voto Eletrônico, contratada pela CGADB, e determinou o pleno andamento ao processo eleitoral;

6) Exclusão do nome de José Wellington Júnior da disputa. Seu nome não deve estar na opção (não constar na cédula).

Samuel-Camara

Permanecem candidatos Samuel Câmara, na foto com sua esposa, a sempre simpática e amável irmã Rebeka, e Cícero Tardim

Esta notícia já era para eu ter publicado. Mas, confesso, não acreditei ser verdadeira. Deixei para comprovar a veracidade para, depois, publicar. Tanto que não se viu o destaque merecido na mídia.

corte-europeia

Para fortalecer o crédito e como ironia também, tomei ainda o texto do G1 (do grupo O Globo), distribuído pela France Press, sob o título: ‘Convenção Europeia dos Direitos Humanos não inclui casamento gay’ e o subtítulo: ‘Tribunal plurinacional rejeitou recurso interposto por casal austríaco. Corte considerou que não há consenso entre estados membros’.

Segundo o texto, a Convenção Europeia dos Direitos Humanos (CEDH), a Corte de Estrasburgo, localizada na França e líder mundial dos Direitos Humanos, ‘não consagra o direito ao casamento homossexual’.

UNANIMIDADE

Foi a resposta emitida pelo tribunal, ao rejeitar ‘recurso apresentado por dois homossexuais austríacos que querem se unir em matrimônio’. Os 47 juízes (dos 47 países) foram unânimes em afirmar que não existe direito ao casamento homossexual.

Os dois homens, Horst Michael Schalk, 48 anos, e Johann Franz Kopf, 50, residentes em Viena, apresentaram recurso à corte. Os insistem na questão desde 2002, sem obterem sucesso sobre esse eventual casamento, em seu país. Eles apresentaram recursos até chegar à instituição plurinacional, que não lhes deu razão.

ARGUMENTO DA DISCRIMINAÇÃO

Em nova tentativa durante uma audiência, destacando a lei civil (de 1/1/2010), que não lhes permite a adoção, alegaram discriminação, mas também a corte não lhes deu razão.

Quanto ao princípio da não-discriminação, o Tribunal também acrescentou que não existe qualquer discriminação, já que “os Estados são livres de reservar o casamento apenas a casais heterossexuais.

FUNDAMENTAÇÃO

Para a sentença, considerou-se informações socioculturais, com base na ordem natural, senso comum, relatórios científicos e, claro, no direito positivo. Com referência principalmente e este último, a sentença baseou-se no artigo 12 da Convenção Europeia dos Direitos Humanos, equivalente aos artigos dos Tratados de Direitos Humanos, como no caso do 17 do Pacto de San José e nº 23, do Pacto Internacional sobre os Direitos Civis e Políticos.

Na Resolução, o Tribunal decidiu que a noção de família não só contempla ‘o conceito tradicional de casamento, ou seja, a união de um homem e uma mulher’, mas também que não devem ser impostas a governos a ‘obrigação de abrir o casamento a pessoas do mesmo sexo’.

Para destacar essa posição, o tribunal afirmou não haver ‘consenso entre os Estados membros do Conselho da Europa sobre o tema do casamento homossexual’.

 

20100608101135-predioadm

Editora CPAD da qual Wellington Junior é o presidente do Conselho Administrativo, segundo cargo mais disputado na CGADB

Com a ação de membros de CGADB, o juiz da comarca de Corumbá de Goiás, anulou a candidatura de José Wellington Junior à presidência da CGADB, e ainda afastou Antonio Lorenzetti da presidência da Comissão Eleitoral. Ele entendeu que Lorenzetti, como promotor de Justiça, não poderia ocupar a função, por suas atribuições.

Em seu despacho, o juiz justifica que ‘não foram observadas as determinações contidas no Edital de Convocação para a 43ª AGO da CGADB e o Edital Eleitoral”.

Conforme artigo 11 do Estatuto Social da CGABD, que preestabelece que ‘não poderão se candidatar aos cargos eletivos nem serem indicados para os demais cargos não eletivos os membros que estiverem inadimplentes com a CGADB e CPAD, os ausentes injustificavelmente da AGO e os diretores da CPAD’.

No parágrafo único está preestabelecido: Diretores da CPAD são impedidos de ocupar cargos aos órgãos da CGADB’.

FATOS

Em 17 de outubro de 2016, a Comissão Eleitoral, em ofício encaminhado a José Wellington Junior, o presidente Antonio Carlos Lorenzetti, avisa-o sobre a nulidade de sua candidatura. Ele cita o artigo acima e afirma: ‘Desse modo, vossa senhoria, está impedido de se candidatar-se a qualquer cargo da mesa diretora da CGADB, e mesmo em face de, por essa ocasião, inexistir impugnação de vosso registro de candidatura, a situação configura nulidade absoluta, ensejando o cancelamento imediato do registro’.

Por sua vez, o juiz também observa certa tentativa de acomodar a situação pela Comissão Eleitoral, quando diz: ‘Cumpre ressaltar que a Comissão Eleitoral ao admitir a candidatura de Pr. José Wellington Bezerra da Costa Junior à presidência da CGADB não atentou ao fato do mesmo não ter se desincompatibilizado do atual cargo que ocupa junto a CPAD.’

Por fim, observa que a pretensão do autor da ação é louvável, ‘pois busca junto ao Judiciário corrigir erro grave no Processo Eleitoral ao Cargo de Presidente da CGADB’ e que não resta dúvidas quanto à nulidade da candidatura.

MAQUEAMENTO

No dia seguinte ao ofício da Comissão Eleitoral, José Wellington Junior envia ofício ao vice-presidente do Conselho Administrativo da editora CPAD, Kemuel Pinheiro Sotero e solicita ‘Licença do Cargo de Presidente do Conselho Administrativo da CPAD’.

Esta solicitação, embora não de forma de descompatibilização, como determina o Estatuto, é tardia e soa como tentativa de driblar a situação.

Foi feita no dia seguinte ao ofício da Comissão Eleitoral; e, terceiro, porque é recorrente e tardia, pois embora datada de 18 de outubro, solicita “Licença” de ’02.08.16 a 10.04.2017’; terceiro, com o licenciamento José Wellington Junior permaneceria com o cargo garantido, sem a renúncia e ainda, permaneceu com vínculos, a ganhar o prestígio.

PESO DO CARGO

Esse cargo de presidente do Conselho Administrativo da CPAD, editora de abrangência nacional e internacional, é o segundo da CGADB mais desejado, perdendo somente para a Presidência da CGADB.

Com o domínio das atribuições, mesmo que extraoficial geral prestígio, decorrente das ações e influência da editora junto aos membros da CGADB, portanto eleitores.

TROPEÇO DA COMISSÃO ELEITORAL

Por sua vez, a Comissão Eleitoral não poderia ter acatado o registro da candidatura de José Wellington Junior. O ofício que alerta para a ausência de descompatibilização é posterior ao registro de candidatura, e colide com a exigência do próprio Edital Eleitoral, conforme seu artigo 15:

‘O REGISTRO de candidato inelegível ou que não atenta às condições de elegibilidade será indeferido, ainda que não tenha havido impugnação, sendo comunicado imediatamente ao interessado’ (o grifo é nosso).

DECISÃO

Diante de todos os fatos, que maculam o processo eleitoral e as provas de que está ‘eivado de vícios’, o autor Efraim Soares de Moura buscou corrigi-lo, por meio dessa ação.

Em sua decisão, o juiz determina a ”‘nulidade absoluta, ensejando cancelamento imediato do registro’, haja vista que descumpriu determinação contida no Edital mencionado…’”

O Evangelho chegou ao Brasil a partir dos huguenotes, depois da instalação da expedição de colonos franceses, sob o comando do vice-almirante francês Nicolau Durant de Villegagnon, em 10 de novembro de 1555. Instalou-se na Ilha de Serigipe, que depois recebeu o seu nome, local onde atualmente está o Aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro. Ele foi enviado ao Brasil, para fundar um domínio francês chamado França Antártica, com permissão do Rei Henrique II.

A ideia inicial era a construção de um refúgio aos perseguidos huguenotes. O vice-almirante escreve a Calvino e pediu o envio de obreiros-missionários para implantar uma obra cristã no Rio. O objetivo principal da solicitação a Calvino, era para manter a paz e segurança, uma vez que a primeira leva trazida por Villegagnon havia causado revolta e insubmissão, com acusações ao vice-almirante.

Calvino enviou 14 crentes, com dois pastores e um estudante de Teologia, que trabalharia como repórter-historiador. Dentre eles estavam Pierre Richier, 50 anos, ministro do Evangelho e doutor em Teologia,  Guilhaume Chartier, 30 anos, também ministro, e o estudante Jean de Lery. O grupo veio ao Brasil para estabelecer a igreja cristã. Com eles, além de 800 soldados, havia mais 200 artesãos.

Evangelho de Cristo no Brasil

1557 (7 de março) – Chegam ao Brasil os primeiros missionários cristãos, enviados por João Calvino e sob orientação dos pastores franceses Pierre Richier e Guillaume.

1557 (10 de março) – Primeiro culto nas Américas. Com a chegada da segunda expedição de colonos franceses, realizou-se o primeiro culto nas Américas, também na mesma ilha, dirigido pelo pastor Pierre Richier. Ele leu salmos 27.3-4, como base de seu sermão. Eles cantaram o Hino salmo 5.

1557 (21 de março) – Realizou-se a primeira Ceia do Senhor celebrada no domingo.

Perseguição

Depois da instalação dos enviados por Calvino, o Pai do Presbiterianismo, Villegagnon mudou de lado e passou a persegui-los. Muitos foram presos e outros fugiram. Todos foram declarados hereges – motivo de morte –, após terem se declarado cristãos por escrito, como fez Jean du Bourdel, e foram presos no forte da ilha no dia 8 de fevereiro de 1558. Outros colonos perseguidos fugiam em embarcações de índios, como Le Balleur, que conseguiu chegar a São Vicente (atual São Paulo).

O navio francês Jacques, após aportar na Bahia de Guanabara, no dia 4 de janeiro de 1558, levou de volta os huguenotes, que fugiam da perseguição de Villegagnon. Este, embora francês, traiu seus compatriotas, por meio de acordo com a Coroa Portuguesa e catolicismo romano, que, por sua vez, temia perder o espaço religioso. Cinco dos huguenotes não puderam partir. Foram declarados espiões. Entre eles estava Jean le Balleur.

No dia 9, os quatro foram amarrados. Um deles, André la Fon, retratou-se e foi poupado. Os outros três, Jean du Bourdel, Matthieu Verneuil e Pierre Bourdon foram estrangulados e lançados ao mar na Baía de Guanabara, no penhasco ao norte da ilha.

Perseguição aos cristãos

Como estratégia para expulsar os franceses, Portugal acabou fundando em 1565, por meio de Estácio de Sá, a cidade de São Sebastião (atual Rio de Janeiro), em 20 de janeiro de 1955 – daí o nome.

Além da expulsão dos franceses, Portugal, ligado ao catolicismo romano, estava preocupado com a implantação da Igreja cristã, por meio dos huguenotes, ocasionando a fundação do Rio.

Estácio de Sá morreu na luta em 1567 e seu tio Mem de Sá saiu da Bahia, para assumir o comando, enquanto Jacques le Balleur, que estava preso na Bahia, foi transportado para o Rio, onde fora morto.

Mem de Sá concluiu a expulsão dos franceses e enforcou Belleur, no Forte Colgny. A derrota dos franceses se deu em função da traição e perseguição de Villegagnon, fazendo com que muitos franceses fugissem, enfraquecendo o número de defensores da ilha

.tortura

Anchieta matou um cristão

Os huguenotes foram simultaneamente perseguidos pelo catoliscismo romano, por motivos obvios, por meio também de Anchieta. Em um dos casos, o carrasco, por não demonstrar muita habilidade com a atrocidade e deixar um cristão-huguenote em agonia, recebeu a interferência do padre Anchieta, que quis demostrar “como se mata um herege”. As informações da perseguição da Igreja Católica aos cristãos estão registradas na Biblioteca da Marinha, no Rio.

A mais cruel perseguição  aos cristãos (evangélicos) ocorreu durante a “santa” Inquisição. Somente na Noite de São Bartolomeu, mais de 100 mil crentes (chamados pejorativamente de huguenotes) foram mortos na França. Casos semelhantes aconteceram em várias partes do mundo.

https://fronteirafinal.files.wordpress.com/2017/01/

Não tenho credenciais institucionais para defender o presidente dos EUA. Toda a atenção deve ser dirigida ao nosso país, carente de planejamento e estruturas mínimas e perspectivas, portanto, longe de dar-nos know how para vislumbrar críticas com propriedade.

Porém, sinto-me arrastado para essa discussão, pois há muita história e frases fictícias, que teriam sido ditas por ele. Há um notável complô da mídia, quase totalmente progressista e ateísta, e sua capacidade subliminar, somadas a forças de interesses semelhantes. Usam toda a influência possível para desmerecer os ideários, o latente, do novo presidente norte-americano, o ‘Trombeta’ (Trump), por meio daquilo que está à mostra.

Das frases atribuídas a ele, nota-se a que trata da observação de uma das partes do corpo feminino, justamente a protuberância caudal, que os norte-americanos, diferentes de os brasileiros, não lhe dão a menor importância!

Há muita falácia, além daquilo que é real. Trump se revela não progressista e, portanto, contra avanços que agridem o ser humano, como a discriminalização do aborto e formas impostas, que vão goela-abaixo, caracterizadas como agressões à natureza humana, elevando desvios, por imposição, como no caso do endereço no website da Casa Branca, dedicado especialmente ao grupo LGBL.

Ignorância real!

Usa-se muito a ignorância, desviada de seu emprego comum, para figurá-la como medição entre progressistas e conservadores, embora seja empregada para medir ausência de conhecimento. Esta falha, preconizada pela Bíblia – ‘O meu povo foi destruído, porque lhe faltou o conhecimento’; outra versão diz: ‘foi feito escravo’ (Os 4.6) –, é justamente o que se usa para destruir bases elementares da manutenção e preservação humana. Por esta o homem procria, forma família, mantém a nação (costumes, cultura, língua, leis, constituição…), e a convivência sadia e divinamente imposta, para o bem-estar de ‘todos’, e a consequente preservação humana em todos os seus aspectos.

‘A Voz do Povo!’

Obama estava bem focado ao que o mundo clama, em termos de quebra de paradigmas, incluindo os de cunho divinos. Ele foi usado para tentar conduzir o mundo a essa estrada poeirenta.

A questão é que nem Obama nem Trump são modelos, mas foram eleitos pela maior e mais exemplar democracia do mundo! Respostas ao pedido e reclamação de circunstâncias vividas pelo povo. Essa resposta faz parte da balança sazonal, que equilibra x desequilibra o mundo.

Obama, por exemplo, pode ser julgado pelo que fez e pelo não fez, ao contrário de Trump, que não tem do que ser julgado, quanto àquilo que prometera ou a que foi eleito!

O ex-presidente mentiu na questão do fim do presídio de Guantânamo; reconheceu o erro da retirada de soldados do Iraque, a possibilitar a evolução de terroristas muçulmanos para a criação de um Estado próprio; reviveu o aumento da guerra étnica, com discriminação a afro-descendentes…; além da agressão a costumes humanos, troféu para muitos.

A questão é que a maioria pró-Obama não consegue fundamentar a famigerada e enganosa frase ‘A voz do povo é a voz de Deus!’, pois a voz do Eterno não é emitida de baixo para cima, mas no sentido inverso. E mais, ‘o mundo jaz no maligno’ e tem como seu príncipe o Pai da Mentira.

Visão sem-cera

Traços claros de prepotência, egocentrismo, narcisismo…, por suas características sociais avantajadas, desdenham o novo presidente norte-americano, a um círculo além das fronteiras comuns de rejeição costumeira. É a bênção transformada em maldição, justamente por causa do amor equivocado, raiz de todos os males. Com isso, evidencia a rejeição inicial de todos os radicais, como foi com Obama, em suas devidas proporções, também no início de mandato.

O que fica claro e o que está em jogo, não é propriamente a discussão do arquétipo de Trump, mas a demolição arquitetada daquilo que ele representa, em termos de filosofia político-humana.

Enquanto a atenção se foca nesse falastrão, o alvo vai além dessa figura, muitas vezes carregada de esteriótipo patético, exposto pela dificuldade de equilibrar a filosofia representada e o discurso. Nisto ele incorpora, de forma azeitada, a propaganda contrária, como boneco de pano, que se espeta além do tecido, atingindo órgãos internos, àquilo que não esta à vista daqueles que se deixam enfeitiçar pelo vodu dessa filosofia tão efêmera, e não menos sodomizada.