Feeds:
Posts
Comentários

PR. SATANA irma LOURDES.jpg

Pastor Antonio Santana, ao lado da esposa, irmã Lourdes

Em assembleia geral extraodinária, pastor Jairo Santana foi empossado presidente da AD em Ribeirão Preto. Ele substituiu seu pai, pastor Antonio Santana, jubilado no mesmo dia (27jul). O nome de pastor Jairo só foi publicado ontem, no dia da posse, no final da tarde. À noite, no Grande Templo, à Avenida Eduardo Andrea Matarazzo, 3.820, na Via Norte, o nome foi oficializado.

Dirigida pelo presidente da Convenção dos Ministros das Assembleias de Deus no Triângulo Mineiro (Comadetrim), pastor Álvaro Além Sanches, a assembleia no grande templo, que por suas dimensões é usado somente para grandes eventos, recebeu membros da cidade, da região, de cidades do Estado e de outros Estados.

PASTOR JAIRO

Pr JAIRO

Pastor Jairo, 59 anos, é conhecido por sua simplicidade e, portanto, querido por todos. Era o segundo vice-presidente e pastoreava a igreja no Planalto Verde, bairro de Ribeirão Preto e uma das mais destacadas congregações. Sempre atuou secularmente para sobreviver, e somente nos últimos anos passou a dedicar-se mais à obra do SENHOR e ajudar seu pai. Sempre foi fiel e não carrega nada que possa causar-lhe impedimento de assumir tamanha honra.

PR JAIRO ROSANA.jpg

Sua esposa Rosana (foto acima) sempre foi bastante ativa na igreja, bem como os filhos: Gesiel é obreiro, graduado em Teologia pelo seminário Ibad; Josane, Gisele e Jéssica também estão presentes na efetiva cooperação à obra do SENHOR.

Pastor Jairo trabalhava anteriormente na Prefeitura de Ribeirão Preto e agora recebe a tarefa de substituir o pai, homem de atuação e história ministerial brilhante, decisivo e líder respeitado.

PASTOR SANTANA

Baiano da cidade de Baixada da Palmeira, de família extremamente católica romana, converteu-se ao cristianismo a partir da mudança na família de 14 filhos. Seu pai Eloy foi o primeiro a receber Jesus Cristo.

Pastor Santana tornou-se cristão aos 7 anos e foi batizado aos 12, em 12 de agosto de 1944. Casou-se com a mineira Lourdes, em 54. Irmã Lourdes conviveu com uma enérgica família de letônios, em Varpa-SP, região de Marília. Eram cristãos batistas que vieram para o Brasil, em fuga da perseguição comunista.

Ele trabalhou por 14 anos na indústria química Rhodia, em Santo André. Foi ordenado ao ministério sob a liderança de pastor Joaquim Marcelino, em Santo André, no ano de 1970. Transferido para assumir a AD em Franca, em 1975, depois, assumiu a AD em Ribeirão Preto.

Pertenceu à primeira Convenção das ADs em São Paulo, a Comadespe, a mais tardia do Brasil, fundada por pastores-líderes, dentre eles, João Alves Corrêa, José Ezequiel da Silva, Alfredo Reikdal, Joaquim Marcelino da Silva, Walter Brunelli, José Dutra de Moraes…, que solicitaram permissão para sua instalação ao pastor Cícero Canuto de Lima, resistente à criação.

Também foi membro da Confradespe, e em uma das assembleias nacionais da Convenção Geral das Assembleia de Deus no Brasil (CGADB) foi eleito primeiro-tesoureiro. Seu irmão, saudoso pastor Rodrigo Santana teve grande respeito no Nordeste e foi notável líder das ADs no Estado da Bahia, época em que todo o Estado viveu sob unificação.

De seus 84 anos, passou 32 anos na presidência da AD em Ribeirão. Sua dinâmica e visão de Reino proporcionaram à igreja crescimento ímpar. Tanto na cidade de Ribeirão, quanto em cidades mineiras, a igreja marcou presença na evengelização e construção de templos e, posteriomente, em inúmeras cidades do interior de São Paulo, com mais de 140 congregações.

GRANDE TEMPLO

Com ‘passos firmes’ e sob ‘a bênção do SENHOR’ que ‘enriquece e não acrescenta dores’, versículo que sempre citava, bem como a firmeza de seus passos, pastor Santana iniciou a construção do templo (foto abaixo) em 2003.

Gde Templo Abobada.JPG

Somente nas estruturas metálicas (foto acima) consumiram 350 toneladas de ferro, para cobrir 90 metros de diâmetro e agrupar 12 mil pessoas, sempre com as contas em dia e sem dívidas.

“Queremos realizar algo que venha glorificar ao Senhor”, disse pastor Santana, durante visita ao templo, em época de sua construção.

Grande temploo

Grande Templo da AD em Ribeirão Preto

 

 

 

 

 

 

 

 

CEU

Como introdução de meu comentário do livro de Gênesis, publico este artigo, como forma de ajudar na interpretação do primeiro livro das Sagradas Escrituras (e da Bíblia). Estes nomes referem-se ao Velho Testamento e é o nome dado pelos judeus; o segundo, a Bíblia, ao todo, Velha e Nova Aliança, preestabelecido pelos seguidores de Cristo.

Gênesis não somente fala, mas é o livro do Princípio de todas as coisas – o Começo, o Início. Sua narrativa segue uma estrutura de texto conforme cultura da época e, portanto, não pode ser analisado sob a ótica do homem pós-moderno. A escrita, a narração e sequência de fatos não seguem, necessariamente, a mesma ótica do homem contemporâneo.

Então não é passivo de crítica ou de ter suas teses ratificadas sob o prisma atual. É preciso conhecer e ter em mãos a licença da escrita literária e poética daquele momento, para, somente depois, tecer críticas e pensar em supostas doutrinas expostas nele.

Caso do apóstolo Paulo 

Sem sair dessa linha, temos o caso do apóstolo Paulo exposto em ao menos quatro narrativas diferentes. Para os críticos, teólogos liberais e céticos ou pessoas menos avisadas, o erro é um fato indiscutível, mas à luz da crítica histórica não há divergências senão o uso de estilo literário, de acordo com o interesse de quem discursava, considerando a quem o discurso fora endereçado.

Os textos ‘divergentes’ e referentes ao apóstolo Paulo estão em:

1) Atos 9.7 e 22.7 – somente Saulo caiu por terra;

2) Atos 26.7 – no discurso a Agripa, Paulo fala que todos caíram;

3) Atos 9.7 – todos ficaram mudos, depois de ouvirem a voz, mas sem ver ninguém;

4) Atos 22.9 – todos viram a luz, mas não ouviram a voz.

As primeiras considerações (do meu livro Pontos Difíceis de Entender-CPAD).

A explicação para as aparentes divergências aparece na construção gramatical.

No caso de Atos 9.7 o grego liga-se ao genitivo – “Caso de declinação de certas línguas, que representa, por via de regra, complemento possessivo, limitativo, e algumas vezes circunstancial”.1

Em Atos 22.9, tem que ver com o acusativo.

Atos 22.9 fala em ouvir a voz e entender o que se diz, enquanto a outra forma indica ouvir o som da voz, sem entender o que se diz ou o sentido da declaração.

Gênero literário

Por outro lado, quando se lê as três narrativas da conversão de Paulo deve-se levar “em consideração a diferença metodológica de se fazer história da Antiguidade e a forma usada na Pós-moderna. Não podemos julgar a historiografia antiga a partir de pressupostos pós-modernos. Deve-se notar que desde Túcidides, no século 4 aC, era anotado o que seu herói podia ou até deveria ter falado, e não o que o ouviríamos dizer se seu discurso tivesse sido gravado2. O historiador se sentia livre para escolher a maneira de transmitir as fontes que possuía em mãos, de acordo com seus interesses teológicos e ideológicos. O próprio gênero literário conhecido como vitae (vida no latim), comum aos historiadores como Suêtônio, Fílon, Filóstrates, que escreveu a vida de Apolônio de Tiana, e que se parece muito com a estrutura literária dos escritos de Lucas, não se preocupa com os fatos em si, mas com o quê, segundo seu autor, deveria ser dito ou feito; tudo dentro de seus interesses e ideologias.

Conquanto, as diferenças entre os capítulos 9, 22 e 26 de Atos dos Apóstolos, escrito por Lucas, fazem parte do gênero literário e da maneira de relatar os discursos de qualquer historiador da época.

Portanto, o estilo literário usado por Lucas leva em conta a transmissão da mensagem, a considerar a circunstância do enunciado, conforme o objetivo de indicar o fato histórico (“limitativo e circunstancial”), isto é, a quem se fala e o que é interessante ou mais importante falar.

Por ele importa que o fato de interesse central seja mostrado e se deixa de lado outras informações que não somam àquilo que se pretende mostrar, de acordo com o que se julga essencial para o momento.

Ponto de vista

Na narrativa de Gênesis somos tentados a interpretar o texto à luz da cultura da nossa época. Sempre quando não consideramos as leis da hermenêutica e da exegese pecamos na interpretação.

Fato clássico está na interpretação do capítulo 1, entre os versos 1 e 2: “No Princípio criou Deus os Céus e a Terra. E a Terra era sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo; e o Espírito de Deus se movia sobre a face das águas”.

Segundo a chamada Teoria de Gap (brecha, espaço ou buraco), o texto indica a ocorrência milhares de anos entre os dois versos. Isto daria espaço (brecha) para inserir a suposta destruição da primeira Criação, outra teoria chamada de Dilúvio de Satanás. Para isso tomam Isaías 14.12-23 e Ezequiel 28.11-19. Porém, não existe nenhuma condição oferecida pelas leis de interpretação, a ponto de chegarmos a tais conclusões.

O que temos nos primeiros versos de Gênesis 1 é a uma narrativa sequencial e lógica para a época, sem interrupção. Não seria inteligente, para mostrar a disparidade, interpretar uma obra literária de milhares de anos atrás, por meio de técnicas ou estilos atuais.

Entra nela, além de outros seres, outro homem – um tipo elo perdido –, que dizem ser o homem pré-adâmico, com existência compreendida entre a ‘primeira Criação’ e o ‘nosso’ Adão, que seria o segundo homem.

FONTES: 1) FERREIRA, Ebenézer Soares, Dificuldades Bíblicas e Outros Estudos, da União Brasileira de Escritores – Seção de Campos; Sociedade Brasileira de Romanistas; Academia Evangélica de Letras; The American Schols of Oriental Research – Casa Publicadora Batista (Edição do Autor, Campos, Rio de Janeiro, 1965); 2) ZUURMOND, R. Procurais o Jesus Histórico?, pág. 65.

APOSTOLOS

A primeira menção de batismo, após João Batista, é o de Jesus (Mt 3). A pregação de João alcançava moradores de Jerusalém, Judéia e redondezas do Jordão (v5), mas também, com a formação de discípulos, a tendência foi óbvia: expansão desse batismo para outras regiões, pois os discípulos de João também batizavam.

Seu batismo alcançava desde a população de judeus em geral, os leigos, quanto a líderes religiosos (v7).

Percebe-se que esse mesmo batismo foi praticado pelos discípulos de Jesus e absorvido pelo novo rito instituído  por Jesus (Mt 28; At 1.5s; Rm 6.4s).

A menção indireta, mas a indicar a possibilidade de os discípulos terem sido batizados está em João 4.1-2.

Este é o caminho natural de todo discipulado. Torna-se discípulo e, depois, forma outros, usando o mesmo processo pelo qual foi submetido.

Também em 3.22 temos a menção dos discípulos batizando, portanto a sugerir que eles passaram determinado tempo batizando na Judéia.

Também não fica claro o tipo de batismo, mas parece indicar à semelhança do de João.

 Exemplo que envolveu apóstolo Paulo

Apóstolo Paulo, inserido como um dos 12 e como Apóstolo dos Gentios foi batizado por Ananias (At 9.18) e reforça a ideia do batismo dos demais.

Há ainda a defesa de que os discípulos foram batizados pelo SENHOR no Cenáculo, por meio do Espírito  Santo. Há um paralelo entre o acesso à unção do Espírito Santo e a capacitação discipular por meio do batismo.

Quando apóstolo Paulo depara com  discípulos em Efésios, que não conheciam o Espírito Santo, após saber que eram  batizados por João, os rebatiza (único rebatismo mencionado) em nome de Jesus e, então, eles foram cheios do Espírito Santo.

Outra menção que argumenta a possibilidade de os apóstolos terem sido batizados está no fato descrito pelo texto do discurso entre Jesus e João, segundo Crisóstomo: ‘Eu sou o que o que deve ser batizado por ti’, e que, então, depois de ser batizado, o SENHOR o batizado também. Este fato está descrito em livro apócrifo.

Concluindo podemos afirmar que há indicação indireta de batismo dos discípulos, porém, não existem provas diretas, pois não temos menção nos Evangelhos do batismo em águas dos apóstolos, embora fique subentendido terem sido batizados.

TEXTO BÍBLICO

‘Não tenha medo do que você está prestes a sofrer.

Saibam que o diabo lançará alguns de vocês na prisão para prová-los,

e vocês sofrerão perseguição durante dez dias.

Seja fiel até a morte, e eu lhe darei a coroa da vida’, Ap 2.10 (NVI).

INTRODUÇÃO

Temos atualmente grande desvirtuamento dos desígnios da Igreja do SENHOR, por meio de ações inovadoras (não renovadoras) de igrejas-instituições. São quebra de paradigmas a mudar conceitos e a exigir postura não alinhada às doutrinas de essência bíblica, preestabelecidas pelos apóstolos (cf Atos 2.42). É o verdadeiro não ao ‘perseverar na doutrina’, isto é, persistir, ser constante, permanecer ou conservar-se.

Alterações das bases, a afetar a doutrina – a base da Igreja -, ocasionam modismos. Estes evoluíram a partir do século 20, em especial com a consciência praticamente universal da busca pela prosperidade. Desde a Era Industrial, quando se passou a fabricar produtos em séries, o apelo pelo TER, ofuscou a busca pelo SER.

Não se importa mais em ser verdadeiro, honesto, ético e de caráter, mas ter algo como forma de troca (de prestígio, fama…). A celebridade deixou de ser importante, para dar lugar a simples famosos, não necessariamente célebres.

Muitos entram em grande impasse ao não conseguir seguir, alcançar o resultado satisfatório desse apelo e tornam-se cristãos doentes, mesmo dentro das igrejas. São pessoas que não conseguem participar de forma racional, e muito menos espiritual, do culto. São muitas vezes espiritualistas, mas não espirituais!

São crentes que, diante da pergunta:

– O que aconteceu ou o que está havendo?, simplesmente dizem:

– Acho que… ou

– Como você está?, alguém indagará, no que ele dirá:

– Vou ‘ino’ (hino da Harpa, do Cantor Cristão, Nacional…) ou

– Vou levando, isto é, deixa a vida me levar!

Levando decepções, surpresas desagradáveis,… como se estivesse sob o ímpeto de uma enxurrada.

Para as mais diferentes perguntas:

– Como está em casa, no trabalho, no casamento ou no namoro, nas finanças, na firmeza da Fé?…, a resposta é sempre a mesma! Sem nenhuma convicção, sinal de conversão real, de experiência com Cristo ou de reações próprias de cultos oferecidos por meio da razão (cf Rm 12.1-2).

PASTOR DE OVELHAS

CONTRASTE COM O NOVO HOMEM

São claras as definições bíblicas para a re-gene-ração humana, ou seja, gerado novamente, com nova genética (origem).

Essa trans-forma-ção, ainda conforme Romanos 12.2, a indicar: transportado para outra fôrma, por meio de nova origem, é implacável. No versículo 10, do mesmo capítulo (‘Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros’), apóstolo Paulo tenta eliminar o problema existente da Igreja romana, por causa da disputa entre judeus e gentios.

Os judeus, de volta a Roma, após terem sido expulsos pelo imperador, queriam dominar a igreja. Então Paulo enfatiza que o amor fraterno (de philia) entre os cristãos deveria eliminar fronteiras, etnias, classes sociais e cidadanias temporais. O original afirma que os cristãos deveriam amar como se fossem gerados pelo mesmo ventre, a mesma mãe, isto é, consanguíneos.

Quando entendemos isto, obviamente sob o uso da razão, torna-se fácil seguir em frente: ‘Quando alguém está unido com Cristo, é uma nova pessoa; acabou-se o que é velho, e o que é novo já veio’, 2Co 5.17 (TLH).

Temos ainda o versículo em João, que trata da origem dos que são gerados novamente, não por meio da conjunção carnal, da semente (sêmen) humana, mas pela Palavra (Lc 8.11), a semente divina: ‘Os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do varão, mas de Deus’, 1.13 (RC).

Portanto, quando o SENHOR se manifesta e arma a sua tenda, faz a sua morada entre nós (‘habitou entre nós’, Jo 1.14), tem-se a ideia do costume oriental de receber uma visita em casa e torná-la honrada e protegida, sem que alguém possa tocá-la, importuná-la.

Vemos este costume em Salmo 133, onde a honra ao hóspede nota-se pelo azeite sobre a cabeça. Também quando Ló recebe os anjos (Gn 19.1-8) e oferece suas filhas, em troca de não ser desonrado, por meio de incapacidade de ser bom anfitrião e dar total segurança a seus hóspedes.

Decisões para a Vida!

Mas para tal, é preciso tomar decisões definitivas a ponto de deixar o passado para trás, conforme Filipenses 3.10-16,20-21: ‘Para conhecê-lo, e à virtude da sua ressurreição, e à comunicação de suas aflições, sendo feito conforme à sua morte; para ver se de alguma maneira posso chegar à ressurreição dos mortos. Não que já tenha alcançado, ou que seja perfeito; mas prossigo para alcançar aquilo para o que fui também preso por Cristo Jesus. Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão diante de mim, prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus. Pelo que todos quantos já somos perfeitos sintamos isto mesmo; e, se sentis alguma coisa doutra maneira, também Deus vo-lo revelará. Mas, naquilo a que já chegamos, andemos segundo a mesma regra, e sintamos o mesmo… Mas a nossa cidade está nos céus, donde também esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo, que transformará o nosso corpo abatido, para ser conforme o seu corpo glorioso, segundo o seu eficaz poder de sujeitar também a si todas as coisas’. Esta foi à postura de Rute, a moabita, com relação a sua sogra Noemi: ‘o teu povo é o meu povo, o teu Deus é o meu Deus’ (Rt 1.16-19).

Aos Gálatas, o apóstolo dos Gentios mostra claramente a necessidade de transformação de criatura a filho, ao usar, em parábola, a história de Abraão, a envolver os filhos da esposa Sara e da escrava Agar: ‘… e modo algum, o filho da escrava herdará com o filho da livre’ (Gl 4.30).

PROVA: GRANDE MOMENTO!

Quando o SENHOR antecipa à igreja o teste da prova, em algumas traduções sob o vocábulo ‘tentados’ (Ap 2.10), indica prova da lealdade do crente e, por fim, saber de sua opinião (doxologia, de doxa, glória; mais logia, palavra), isto é, a sua opinião dita, falada, declarada, descrita… sobre Deus.

O SENHOR nos leva ao deserto, tendo em vista que o velho homem não aguenta deserto. Somente o novo é levado à prova, pois não se põe remendo novo em tecido velho, lembra-se?! (Ef 4.24).

Também porque o velho homem está tipificado na mistura que subiu do Egito, para o deserto com Israel, denominada de ‘populacho’, justamente os que instigaram à rebeldia e ao pecado e, por consequência, à morte! Aqueles insuflaram o povo. A Palavra manda a não se insuflar com a bebida por causa da contenda, mas se insuflar (encher de vento) do Espírito!, o Sopro divino (Ef 5.18).

O objetivo do Deserto

‘E se lembrarás de todo o caminho pelo qual o SENHOR, teu Deus, te guiou no deserto…, para te humilhar, para te tentar (provar), para saber o que estava no teu coração, se guardarias os meus mandamentos ou não’ e ‘… para te humilhar, e para te provar, e para, no fim, TE FAZER BEM’, Dt 8.2,16 (grifo meu)

Note a grandeza da prova divina, ao conduzir o crente ao deserto (a condução é feita pela ‘Viação Espírito Santo’ (‘e foi Jesus conduzido pelo Espírito ao deserto’, Lc 4.1). O SENHOR o prova para saber o que está em sua alma (coração): Pensamento, Entendimento, Sentimento, Vontade: as Emoções, e a sua opinião sobre Ele. Você sairá do deserto exaltando-O?!).

Mesa farta no deserto!

Quando o salmos diz que ‘nada’ nos faltará, sob o domínio do Pastor, indica a presença também das dificuldades, embates, provas, lutas… Por isso, há referência de passagem pelo Vale da Morte, porém ‘Tu estás comigo’.

Nessa luta ferrenha do deserto, registra-se a bênção. Nele ocorre a mesa farta, nobre e gloriosa, na presença do(s) Inimigo(s), conforme Salmo 23. É lá também que a cabeça é ungida, e é lá ainda que aprendemos a ser ovelhas do Pastor, o SENHOR: dono, proprietário, dominador, pois a ovelha não tem garras e tampouco dentes caninos para caçar, pois todos os dias Ele leva-nos a ‘pastos verdejantes e a águas tranquilas’.

Após o teste, Ele coloca ‘uma porta aberta, e ninguém a pode fechar’; pois, mesmo ‘tendo pouca força, guardaste a minha Palavra e não negaste o meu Nome’, carta à Igreja Triunfante e vencedora, a Filadelphia, a Igreja do amor fraternal (philia) e, como creio, a Igreja do Arrebatamento!

CONCLUSÃO

Creia no milagre do deserto, pois a bênção não virá por completo antes dele! Antes de provar quem somos realmente ou a nossa convicção, por meio da opinião sobre Ele, para que ao crente liberal (generoso, pródigo), ‘ser-vos dado, boa medida, recalcada, sacudida e transbordante’ (Lc 6.38).

Boa medida é uma quantidade generosa;

recalcar é calçar novamente o conteúdo de uma saca de grãos, ou fazer pressão ao para abrir mais espaço e poder inserir o máximo de grãos;

sacudir é agitar com força em diversos sentidos, com a mesma intenção: abrir mais espaço para caber mais; e

transbordante é ter em excesso, repleto, a ponto de entornar (como diz o carioca), derramar (como diz o paulista); mais que o necessário.

Nesta experiência você vai descobrir que o SENHOR é poderoso (shaday) para fazer muito mais além do que podemos imaginar (Ef 3.20-21).

CEADER Pr Hoário

Embora em número reduzido, a considerar o seu rol de membros, a Ceader se reuniu nos dias 10,11 e 12, na AD em Cordovil (Grande Rio), liderada pelo pastor Francisco José da Silva.Sob a presidência do pastor Alberto Serafim de Souza, parte dos 6 mil ministros da primeira Convenção de Ministros das ADs no Estado do Rio, a Ceader, esteve presente e ouviu pregações e discussão de assuntos pertinentes.

PRELETORES

No sábado, dia mais intenso, pregou a Palavra pastor José Wellington Junior, de Belenzinho, São Paulo. Ele exortou os ministros a partir do diálogo entre Jesus e apóstolo Pedro, com base em Mateus 16.13-19. Nos devocionais de quinta e sexta, pregou pastor Roberto José, presidente da AD em Abreu e Lima, Recife.

Na sexta-feira, cheio de Graça e autoridade, também pregou pastor Adilson Faria, presidente da AD em Mutuá, São Gonçalo-RJ. Todos os dias, à noite, pastor Eduardo Lopes, também de Belenzinho, pregou.

EQUIDADE

Houve tensão no sábado, quando tentou-se distinguir, sem rodeios e com mais intensidade um dos dois conhecidos candidatos à presidência da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB), que tem mais de 50 mil filiados.

Vários convencionais questionaram, com indignação, tal ação, por entenderem que o concílio deve agir com equilíbrio, isenção e sem parcialidade, por representar todos e não somente um grupo.

Isto ocorreu em função de o pastor Samuel Câmara não ter sido recebido pela mesa diretora, onde postava-se o outro candidato, pastor José Wellington, e, por fim, ainda, um jovem pastor apresentou uma moção de apoio a José Wellington Junior, que representava seu pai, por motivo de doença.

Samuelo Camara

Pastor Samuel Câmara (foto), acompanhado de seu filho, pastor Philipe Câmara, que haviam chegado de São Paulo, especialmente para prestigiarem o encontro, passou por tal constrangimento sem emitir qualquer opinião de juízo e manteve-se calado.

Entretanto, após a manifestação de indignação por considerável número de membros, pastor e advogado Antonio Manoel, autor da proposta que produziu o consenso a AGE da CGADB, realizada recentemente em São Paulo, instou a direção ao equilíbrio.

Ele apelou aos objetivos e postura históricos da Ceader e enfatizou pontos determinantes de ações cristãs, indicando que, como manda a boa e piedosa conduta do concilio, os dois deveriam ser convidados para receberem oração dos convencionais, de forma imparcial, a considerar a vontade soberana divina, acima de interesses de grupos.

Isto soou bem a todos e, então, pastor Samuel, convidado à frente, ajoelhou-se e recebeu oração dos convencionais-colegas e posterior menção de apoio. Pastor Wellington Junior havia se retirado.

NOVOS MINISTROS

No mesmo dia, 71 ministros foram consagrados ao SENHOR. Segundo a Secretaria Examinadora de Candidatos ao Santo Ministério (Secam), nove foram reprovados.

HOMENAGEM

PLACA SC

Pastor Samuel Câmara prestou homenagem à Ceader, por meio de uma Placa Comemorativa aos 105 Anos das Assembleias de Deus, em nome da Primeira Igreja Assembleia de Deus e Museu Nacional das Assembleias de Deus, no Belém do Para. Pastor Philipe fez a entrega.

Durante a consagração, pastor Horácio da Silva Junior, que deu nome à turma de novos ministros foi homenageado. Presidente de extensa região eclesiástica, pastor Horácio atua como verdadeiro bispo, um presbítero (ancião), pastor de pastores, com 223 igrejas, 147 ministros, 411 presbíteros, 463 diáconos e mais de mil cooperadores.

Bastante emocionado, ao lado da esposa, de suas três filhas e do filho, agradeceu e observou: “A minha preocupação no momento não é outra senão a iminente Volta de Jesus. Ele vai voltar em breve e precisamos estar preparados”.

ESQUERDOPATAS

Estiveram presentes ministros do Rio e de vários outros Estados, o deputado estadual Samuel Malafaia, irmão do pastor Silas Malafaia, o federal Ezequiel Teixeira, de origem assembleiana e fundador da Igreja Vida Nova e o senador Marcelo Crivela, da Igreja Universal.

Os dois deputados falaram de seus embates e investidas de esquerdopatas, defensores do homossexualismo e outras formas de promiscuidade, que tentam impor, a qualquer custo, o homossexualismo e outras libertinagens em escolas de crianças, órgãos públicos e em entidades.

Pastor Samuel disse que a Assembleia Legislativa fluminense aprovou projeto de sua autoria, que institui e oficializa o Dia dos Pais. Isto para que as escolas comemorem oficialmente o dia, em oposição ao movimento à militância homossexual, que busca proibir o uso das definições próprias da natureza humana, a indicarem a presença de pais e mães e impor o Dia do Cuidador, fato já comprovado por ele, em escola do Rio.

O ex-secretário de Governo do Rio, pastor Ezequiel Teixeira, falou da festa de gastança de dinheiro público em festas promovidas por movimentos homossexuais e que, mesmo quebrado e com salários de servidores atrasados, o Governo Pezão gastou em 2015, com esse tipo de festança, 9 milhões.

FINAL DE TODAS AS COISAS

Subsídio para a ESCOLA DOMINICAL

Futuro e o Arrebatamento

Desta vez tomamos uma parte de um capítulo do livro FRONTEIRA FINAL-CPAD, para ilustrar este assunto tão glorioso.

TEXTO BÍBLICO

“Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro. Depois, nós os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor. Portanto, consolai-vos uns aos outros com estas palavras”, 1Ts 4.16-18.

Esse glorioso dia ocorrerá de forma inesperada para muitos. O recrudescimento de crenças espúrias e da incredulidade humana atinge os que vivem à margem da fé e os que não desfrutam dos resultados de uma vida de comunhão com o SENHOR. Entretanto, para os fiéis, será um dia que soará desde o amanhecer como o momento mais esperado. O mesmo Espírito, que está no crente, dará a este um ouvido afinado com as intenções divinas e disponíveis ao soar da Trombeta, e então acontecerá o que no latim significa raptus (Arrebatamento). Este evento ocorrerá num átomo de tempo, “num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados”, 1Co 15.52.

Neste capítulo, o apóstolo fala da Ressurreição e Arrebatamento quando assumiremos a imagem de Deus, perdida na queda do homem (15.44-58). Após transformados seremos iguais a anjos – filhos de Deus e da ressurreição (Lc 20.35-36). Somente a mancha do pecado poderá impedir que sejamos revestidos da imortalidade por meio da transformação em corpo espiritual no Arrebatamento.

As mudanças registradas no mundo, a maioria com efeitos irreparáveis e irreversíveis, em especial no que diz respeito à degradação do meio ambiente e da moralidade humana, pedem que levantemos os “olhos e vede as terras, que já estão brancas para a ceifa”, Jo 4.35.

O resgate do homem transformado por meio do Arrebatamento ou Ressurreição reflete a vitória divina e a derrota do Diabo. Como ser espiritual o homem passará a ser (único) no SENHOR, como o próprio Jesus disse: – Eu e o Pai somos um. O homem transformado por Cristo receberá os atributos eternidade e incorruptibilidade, partes da essência divina, sem obstante ser Deus ou igual a Ele.

Ao alcançar esta fase, o homem estará apto a habitar ao lado do divino, como consequência do reflexo do crescimento (para baixo), quando a carne chega ao pó, se desfaz e permite que o espiritual se evidencie. É o processo de humilhação da carne em busca do equilíbrio dado pelo espírito. Por meio de um processo de decomposição do barro, dá-se início ao nascimento de outra essência dentro daquele mesmo ser, com a mesma imagem e semelhança, mas não igual. Aí temos o espelho do exemplo da semente que apóstolo Paulo evoca. Ela morre ao germinar, e dá forma a outra vida.

O método progressivo divino (“A vereda do justo é como a luz da aurora que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito”, Pv 4.18), caminho à Ressurreição ou Arrebatamento, é comentado pelo apóstolo Paulo em Filipenses 3: “Para conhecê-lo, e à virtude da sua ressurreição, e à comunicação de suas aflições, sendo feito conforme à sua morte; para ver se de alguma maneira posso chegar à ressurreição dos mortos. Não que já tenha alcançado, ou que seja perfeito; mas prossigo para alcançar aquilo para o que fui também preso por Cristo Jesus. Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão diante de mim, prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus. Pelo que todos quantos já somos perfeitos sintamos isto mesmo; e, se sentis alguma coisa doutra maneira, também Deus vo-lo revelará. Mas, naquilo a que já chegamos, andemos segundo a mesma regra, e sintamos o mesmo… Mas a nossa cidade está nos céus, donde também esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo, que transformará o nosso corpo abatido, para ser conforme o seu corpo glorioso, segundo o seu eficaz poder de sujeitar também a si todas as coisas”, 3.10-16, 20-21.

Nisso se efetivará a redenção do corpo (Rm 8.23) espiritual, semeado no corpo material (Semeia-se na terra e esta dá um novo corpo – a planta) – 1Co 15.44. Os salvos estão selados para esse dia (Ef 4.30).

Para que pudéssemos alcançar tamanha graça, o Senhor mostrou-se por meio do que denominamos de o Primeiro Retrato, registrado em Isaías 53 (“Não tinha parecer nem formosura”). Essa figura foi registrada em sua obra expiatória, que envolve desde sua preparação (manifestação em carne); a rejeição dos judeus (Jo 1.11); seu julgamento pelo homem; a crucificação; morte; ressurreição e glorificação.

VISÃO EQUIVOCADA

A segunda carta aos tessalonicences foi escrita em função da má interpretação da primeira. Os tessalonicences pensavam que Jesus estava para chegar e pararam suas atividades esperando tão-somente a Volta do SENHOR.

Apóstolo Paulo exorta àquela igreja para não deixar-se influenciar, movendo sua posição por meio de fábulas humanas, tomando cuidado com o ‘espírito opositor’, que se opõe a tudo que vem do SENHOR (2Ts 2.1-11).

A COLHEITA DIVINA

Arrebatamento é um termo equivalente à colheita. Quando o fruto amadurece está pronto para ser arrancado, colhido, cortado, tirado da terra. O SENHOR falou disso em João 4.35: “… Levantai os vossos olhos e vede as terras, que já estão brancas para a ceifa”.

A melhor tradução conforme entendemos seria: “os campos brancos”, visto ser o retrato de uma plantação pronta para a colheita. É hora da colheita.

O fruto deve estar no ponto, como se usa na linguagem do campo – nem verde, nem maduro demais. Se o homem é pó, terra, carne, e Deus essencialmente espiritual deve buscar essa essência se quiser unir-se a Ele, se envolvendo no processo de depuração.

Deve despir-se do que é essencialmente humano, carne, pó. O terroso – aquele que é feito da terra – Adão pendeu mais para a matéria-prima, perdendo o equilíbrio, formando um segundo ser. Não mais foi o homem do Jardim do Éden. Ele se corrompera. E mais, a partir da “mãe da vida” – Eva.

Como consequência o homem foi expulso do local onde estava para não transmitir sua contaminação. Foi tirado do Paraíso para ser submetido a um processo de descontaminação.

O SENHOR preparou o resgate do homem, tirando-o da limitação carnal para colocá-lo acima de qualquer perigo de queda, em qualquer circunstância ou tempo.

Esse resgate reflete a vitória divina e a derrota do Diabo. Isto se dá por meio do Arrebatamento ou Ressurreição dos salvos, a partir do arrependimento.

VEREDA DO JUSTO

Provérbio fala da vida crescente do cristão. Seguindo a santificação ele chega à estatura de varão perfeito: “A vereda dos justos é como a luz da aurora que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito”, Pv 4.18

O método progressivo divino, caminho à Ressurreição ou Arrebatamento é comentado pelo apóstolo Paulo em Filipenses 3:

“Para conhecê-lo, e à virtude da sua ressurreição, e à comunicação de suas aflições, sendo feito conforme à sua morte; para ver se de alguma maneira posso chegar à ressurreição dos mortos. Não que já tenha alcançado, ou que seja perfeito; mas prossigo para alcançar aquilo para o que fui também preso por Cristo Jesus. Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão diante de mim, prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus. Pelo que todos quantos já somos perfeitos sintamos isto mesmo; e, se sentis alguma coisa doutra maneira, também Deus vo-lo revelará. Mas, naquilo a que já chegamos, andemos segundo a mesma regra, e sintamos o mesmo… Mas a nossa cidade está nos céus, donde também esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo, que transformará o nosso corpo abatido, para ser conforme o seu corpo glorioso, segundo o seu eficaz poder de sujeitar também a si todas as coisas”, 3.10-16, 20-21.

CONFISSÃO

Crer no arrebatamento não é somente falar dele ou dizer que nele cremos. A Palavra fala de sua existência com exemplos ou testemunhos de homens que foram arrebatados.

Equivale dizer que devemos nos aproximar do SENHOR para receber a revelação de seus mistérios e não pensar que a palavra mistério é para falarmos quando não compreendemos o que está acontecendo, como se ela fosse um poço de coisas não compreendidas. O cristão deve ter discernimento de espírito. A presença do Espírito Santo em sua vida o faz sentir espiritual.

Tiago fala de uma série de coisas que nos faz carnais. Veja Tiago 4.1-12. As paixões carnais nos leva à Teologia da Prosperidade. Buscamos coisas para o nosso deleite pessoal. Por isso Tiago diz: “Pedis e não recebeis, porque pedis mal, para o gastardes em vossos deleites”, 4.3. Leia o contexto.

Nem sempre desejamos partir deste mundo. Às vezes, tentamos enganar a nós mesmos dizendo que desejamos o Arrebatamento. Não é incomum observar crentes que ao saírem de uma crise de doença, gritam um tremendo “graças a Deus”, “ufa!” ou um “até que enfim escapei!” Lançam com isso a ideia de uma Eternidade não seria tão desejável!

CONVICÇÃO

Que convicção temos do Arrebatamento ou da Vida após esta existência humana? Só os que têm uma vida plena com o Senhor, regada de provas (e vitórias, obviamente) podem dar a resposta.

Para subir ao Céu precisamos antes descer, “sentir as nossas misérias”, lamentar, chorar e converter o nosso riso em pranto e o gozo em tristeza (Tg 4.9-10).

Apóstolo João, por exemplo, quando fala da ressurreição dá mais ênfase que à declaração do Reino de Deus, e prova mostrando a ressurreição de Lázaro. João fala com convicção. Seu texto faz parte daquilo que ele viu, testemunhou e sentiu. Por isso a Bíblia diz que a nossa pregação deve estar misturada com a fé.

Devemos falar e evidenciar aquilo que falamos. Viver e crer naquilo que pregamos. Quando João fala da Vida Eterna, dá a ideia de uma coisa futura, mas também insere a questão da eternidade divina, da qual devemos nos apossar, vivendo desde já sua realidade.

Esta convicção nos dá outro sinal – o de sentirmos como um peixe fora da água. Quando vivenciamos o bem futuro, sentimos que não somos deste mundo – como o SENHOR também confessou não ser – e passamos a desejar o Céu – a Eternidade, sair o mais breve possível daqui.

Mas para aqueles que desejam ter o gozo do Arrebatamento (sem provar a morte, como Paulo afirma: “Nem todos provaremos a morte”), resta à consagração, com meditação na Palavra e oração, e a evangelização para que a contagem dos salvos seja completada.

Mundo une-se contra Igreja – a Eclesiofobia!

Quando rejeitamos o mundo e sua concupiscência, também passamos a sofrer perseguições, como forasteiros, estrangeiros, pessoas em terras estranhas (1Pd 2.11). Nossos direitos passam a não ser mais iguais. Somos rejeitados. Isso é muito comum para um cidadão de uma pátria distante.

Não estamos tão distantes dessa realidade. As imposições mundanas, que querem nos empurrar goela-abaixo, analisadas em Os Sinais da Vinda do SENHOR, deixa isso muito claro!

Assim foi com o SENHOR. Os judeus não o aceitavam como seu líder ou rei, e muito menos os romanos que não queriam ver um novo líder ser levantado para provocar uma insurreição do povo contra César. Então, os dois reinos inimigos – judeus e romanos – se uniram para a morte do SENHOR.

Herodes e Pilatos, que não se falavam, voltaram a ter amizade. O tema: Morte do SENHOR provocou uma festa e a amizade entre inimigos. Sua morte foi um grande alívio para aqueles dois reinos da época.

Assim também estamos nós, que caminhamos na contramão do mundo e do Inimigo, atrapalhando suas ações. Se de um lado percebemos a aproximação da Volta do SENHOR, aproximando-nos mais Dele, a rejeição, por sua vez, aumenta. Então, quando arrebatados, daremos alívio e motivo de festa aos homens naturais ou carnais.

TEMPO ABREVIADO

Hoje podemos perceber que o tempo está sendo abreviado. Cremos nisso. O tempo está correndo. A Palavra diz que se Deus não abreviasse os dias, nenhuma carne se salvaria (Mt 24.22). Isso está acontecendo “por causa dos escolhidos”.

Veja que nesta passagem o SENHOR está falando de acontecimentos futuros, do fim. E logo na sequência, fala de como será o arrebatamento dos escolhidos: “Porque, assim como o relâmpago sai do oriente e se mostra até ao ocidente, assim será também a vida do Filho do homem” (Mt 24.27).

SINAIS

Cremos que vamos perceber a aproximação pouco antes do Arrebatamento do Corpo de Cristo – a verdadeira Igreja. A brisa do Espírito deve soprar, num ato repentino e, em seguida, ocorrerá o grande acontecimento para os fiéis.

Assim como os pássaros cantam quando a chuva se aproxima, penso que haveremos de sentir a aproximação da Volta do Senhor. Nem todo o olho o verá, mas somente os salvos.

Atualmente os filhos do Reino já sentem as mudanças no comportamento humano. O homem vai perdendo sua identidade, se misturando cada vez mais com o pecado, se envolvendo cada vez mais nas estratégias do Diabo, de forma gradativa, pois o Diabo não tem pressa. Lúcifer tentou eliminar o homem, desde a Criação, fazendo-o corromper e sua doutrina diz que o homem é pior que um animal, não obstante ter sido o homem criado à imagem e semelhança divinas.

A Bíblia diz que Deus fez o homem perfeito, “mas ele buscou muitas invenções”. Os avanços provocam o homem a buscar mudanças tentando mudar tudo o que é natural. Se o homem não permanecer como Deus o fez, como poderá ser transformado? Tudo isso aponta para a brevidade da Vinda do SENHOR à Igreja.

Estamos vivendo momentos semelhantes àquele antes do Dilúvio e ao que precedeu a destruição de Sodoma e Gomorra. É perfeitamente assimilável afirmar que o mundo de hoje esteja pior que a tais épocas.

AMÉM!

“E o Espírito e a esposa dizem: Vem. E quem ouve diga: Vem. E quem tem sede, venha; e quem quiser, tome de graça da água da vida… Aquele que testifica estas coisas diz: Certamente cedo venho. Amém. Ora vem, Senhor Jesus”, Ap 22.17, 20.

Uma vez ouvi um pastor, já velho, dizer que pedia para que o Senhor demorasse mais porque sua filha estava fora da Igreja. Conforme o que confessara, ele hesitava em dizer o Amém, no sentido que a Palavra estabelece, conforme o texto bíblico acima. E amém significa que concordamos com uma verdade dita, expressa, escrita. É uma expressão de aprovação ou confirmação daquilo que foi falado.

A Bíblia manda que entreguemos nossos caminhos ao SENHOR e Nele confiemos, descansando em sua providência (Sl 37.4-5,7).

Cuidado

Quando se trata do espiritual temos a tendência de especular. Ora espiritualizamos o carnal, ora materializamos o espiritual. Conjeturamos ideias, muitas notadamente longe do racional, que dirá do espiritual. A verdade é que quando mais tentamos, mais falhamos porque o que é carne não pode perscrutar o espiritual. Os olhos humanos não podem enxergar e nem poderia entender o espiritual.

Só podemos ver o espiritual sendo espirituais. Portanto, resta-nos andar pelas beiradas, com muito cuidado e temor até ‘chegarmos à estatura de varão perfeito’, ao ponto de sermos colhidos porque não mais compatibilizaremos com este mundo. Por ora, alcançamos o conhecimento somente daquilo que nos é revelado (Dt 29.29).

Todo o cuidado é pouco uma vez que nem sempre (e nem todos) conhecemos o que é da mente e o que é do espírito. Segundo a Bíblia, somente a Palavra conhece esta divisão. Precisamos distinguir o que é emoção e o que é comoção espiritual.

O que vem de Deus é real e não místico, utópico ou sombra. Essa realidade deve ser compreendida no espírito à medida que vamos recebendo a revelação do Senhor, conforme o texto de Efésios 4.13: “Até que todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a varão perfeito, à medida da estatura completa de Cristo”.

Quando alcançarmos tal estágio de vida de fé, sem dúvida chegaremos compreender aquilo que hoje temos dificuldade de assimilação. É difícil explicar a transformação do corpo carnal em corpo de glória, porque as coisas espirituais são discernidas espiritualmente, conforme 1Coríntios 2.13, uma vez que “o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente.

Mas o que é espiritual discerne bem tudo, e ele de ninguém é discernido. Porque, quem conheceu a mente do Senhor, para que possa instruí-lo? Mas nós temos a mente de Cristo”, 1Co 2.14-16.

NOVO CORPO

O exemplo mais próximo foi dado pelo apóstolo Paulo, em 1Coríntios 15. E um exemplo de aproximação daquilo que Paulo é a germinação de uma semente.

Pegue uma semente e coloque-a para germinar. Quando nascer uma planta, a semente não mais existirá. Um corpo dará lugar a outro.

Você notará, neste exemplo, que a planta vai crescer para o lado da luz – buscando a luz –, como a oliveira faz deixando seu tronco todo retorcido porque ela vai se movendo de acordo com a direção da luz.

Interessante também notar ainda que a oliveira para dar bons frutos, precisa ser podada e enxertada. O primeiro corpo é cortado, mantendo a estrutura, e outro é enxertado para que os frutos sejam aproveitados.

Caso queira experimentar, pegue uma semente (de preferência de feijão) e coloque-a em um pires ou prato, envolvendo-a em uma mecha de algodão. Em seguida, embebede-a em água. Após alguns dias, você terá a figura da transformação de nosso corpo no Arrebatamento: um corpo dará lugar a outro.

Poderá notar também que a semente murcha, quebrada ou que tenha sofrido qualquer alteração em seu estado natural, não germinará e apodrecerá, mesmo estando na água ou em solo fértil.

Se o homem não manter seu estado natural, se pervertendo indo atrás das abominações humanas, será dominado pela carne não alcançando a misericórdia divina (veja Oséias 11.5).

“Porque sabemos que, se a nossa casa terrestre deste tabernáculo se desfizer, temos de Deus um edifício, uma casa não feita pôr mãos, eterna, nos céus. E por isso também gememos, desejando ser revestidos da nossa habitação, que é do céu; se, todavia, estando vestidos, não formos achados nus. Porque também nós, os que estamos neste tabernáculo, gememos carregados: não porque queremos ser despidos, mas revestidos, para que o mortal seja absorvido pela vida… Mas temos confiança e desejamos antes deixar este corpo, para habitar com o Senhor”, 2Co 5.1-4,8.

Continuar Lendo »

Dificuldade para equilibrar número de membros x local apropriado leva à democratização

Com a mudança nos estatutos, a próxima eleição da diretoria da Convenção Geral das Assembleias de Deus (CGADB), terá votos online.

De qualquer ponto do país ou do mundo, ministros-membros do maior concílio de pastores do Brasil poderão indicar por voto, via online, os candidatos escolhidos para ocuparem os cargos da mesa diretora. São o presidente, os vices, secretários e tesoureiros, representantes das cinco regiões do país, incluindo os membros dos conselhos Fiscal e Administrativo.

Mais de 2 mil pastores e evangelistas, considerados ministros, participaram da 7a. AGE, realizada no templo em finalização, no Belenzinho, na capital paulista, liderada pelo atual presidente da CGADB, pastor José Wellington da Costa.

Ontem (25), a proposta de consenso de ambas as partes foi aprovada. Pastor Antonio Manoel Gomes dos Santos (RJ), apresentou um substituto, retirado posteriormente, salientou pastor Emanuel Junior, por mensagem (abaixo). Porém, com o uso de algumas proposições pelas comissões Jurídica e Eleitoral, por fim houve unanimidade e aprovação pelo plenário.
Pastor Celso Brasil (AD/Fonseca-Tx, Niterói-RJ, enalteceu a participação de Cláudio Dias, ministro e advogado. “Sua participação foi fundamental”, e concluiu: “Terminou ontem com consenso. A eleição será através de sistema online e ficou exatamente conforme gostaríamos que fosse”.

 

MÃO-ÚNICA

Considerada um avanço, essa mudança solucionará um problema até então insolúvel, pois não existe meios e espaços próprios e adequados para abrigar o número de pastores interessados na eleição. O concílio assembleiano reúne mais de 30 mil ministros. Informações mais recentes dão conta de que o número de membros é mais de 50 mil.

Todos os que forem credenciados e estiverem em dia com sua anuidade junto à CGADB poderão votar pela internet. O acesso será pelo site e as instruções deverão publicadas posteriormente para orientar o acesso.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 73 outros seguidores