Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Dias maus’

Volto a fazer comentário, com trechos do meu livro sobre Escatologia, editado pela CPAD: FRONTEIRA FINAL, do tema acima, como subsídio ao ensino da Escola Dominical (LB, 17jan16).

IMINÊNCIA DA VOLTA DO SENHOR

Este momento era muito desejado pela Igreja Primitiva: A iminência da Volta de Jesus! Nossos irmãos primevos viviam em constantes lutas, perseguições e perdas, em completo sofrimento. Eles almejavam partir a cada momento e louvavam ao SENHOR quando um deles era morto pela perseguição de Roma.

Atualmente vivemos quadro de iminência Volta, por vários motivos. Os sinais do Fim estão por todas as partes: Terremotos, pestes, desamor, egocentrismo, esfriamento do amor entre irmãos, perseguição em países árabes e nos remanescentes comunistas etc.

O texto base tomado pela LB está em 1Tessalonicenses 5.23:

“E o mesmo Deus de Paz vos santifique em tudo; de todo o vosso espírito, e alma, e corpo sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a Vinda de nosso SENHOR Jesus Cristo” (grifo nosso).

SANTIFICAÇÃO: PRONTO E PREPARADO

A ideia que temos de santificação procede do judaísmo e tem que ver com o hebraico kadosh e significa o ‘outro’. Ela aparece em Isaías, no capítulo 6.

Tomo parte do artigo que escrevi recentemente No ano que morreu o rei Uzias, para compor este comentário quanto aos cuidados relativos à Volta do SENHOR.

Uzias teve momentos de auge em seu reinado: “Como o fim deve ser melhor que o princípio e a manutenção do sucesso o grande triunfo não alcançados por todos, Uzias, notável líder, criativo e estrategista, “exaltou o seu coração até se corromper” (2Cr 26.16).

O ápice de seu orgulho foi o de confrontar o sacerdote Azarias, ao transgredir a Lei de Moisés (Nm 16.40), e tomar para si o direito de oferecer incenso no altar do Templo de Jerusalém, função exclusiva dos sacerdotes, da ordem do sacerdócio aarônico, com versão neo-testamentária, conforme Hebreus 5.4.

Embora os reis detivessem privilégios à semelhança dos sacerdotes, não possuíam a unção exclusiva e sacerdotal, pois semelhança não é o mesmo que igualdade.

Se você pensa que é algo fora do nosso contexto está errado. Temos hoje inúmeras pessoas que se auto-consagram ao ministério pastoral e saem por aí a fundarem suas igrejas, muitas com nomes cheios de ‘glamour espiritual’, a partir da força contida em palavras como: Verdade, Liberdade, Santidade etc. São pessoas que não presunçosas e que não se submetem a ninguém. Uzias morreu acometido de lepra.

À prova de falhas!

Ainda no texto ilustramos com o sistema japonês de controle de produção, o Pocayote, conhecido como ‘A prova de erros’, antes ‘A prova de tolos’. Desse desenho, com vistas à marca zero de erros, temos a guilhotina manual – quem já foi gráfico a conhece bem –, que deve ser operada com as duas mãos, como forma de não incorrer no risco de cortar uma delas.

Tudo acaba com a vaidade quando não construímos com vistas ao Reino, isto é, sempre tendo como meta aquilo o que fica, que permanece. Como diz o apóstolo dos gentios: “Insensato! O que tu semeias não é vivificado, se primeiro não morrer”, 1Co 15.56”.

Santidade ao SENHOR

Na questão de santidade, o profeta viu os seres celestiais clamando ‘Santo, Santo, Santo é o SENHOR’ Shaba (Todo-Poderoso). Santo é a palavra repetida por três vezes e, no hebraico, é uma forma de realçar o fato, significado ou momento.

Santo (kadosh) indica ‘outro’, diferente por completo, justamente o oposto do comum. Uma ideia próxima desse significado é o ouro. Por não ser comum e, portanto, um produto raro, tem muito valor. Não se encontra ouro em qualquer lugar ou em todas as partes. Ele é raro, incomum e não ordinário.

Pronto e Preparado!

Percebe-se que para estar preparado é necessário estar primeiramente pronto, isto é, querer, como apóstolo Paulo fala em Romanos 1.15: Estou (preparado e) pronto!

Santificação indica separação de tudo o que é comum, como indica o hebraico: inteiramente ‘outro’. Isto indica que não há outra forma de esperar o SENHOR, senão em santificação, dentro da máxima expressa em Provérbios 4.18: “Mas a vereda dos justos é como a luz da aurora, que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito”, e Efésios 4.13, ‘a estatura completa de Cristo’.

Porém, o mais insistente e imperativo apelo sobre a santificação entre os crentes, está em 1Pedro 1.15-16: “Mas, como é Santo Aquele que vos chamou, sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver. Porquanto escrito está: Sede santos, porque Eu Sou Santo!” (grifo nosso).

O verso anterior introduz muito bem os versos seguintes, quando determina que não devemos meter-se na fôrma do mundo (cf Romanos 12: ‘Não vos conformeis com este mundo”), ‘que antes havia em vossa ignorância’.

Então, querer e esperar a Volta do SENHOR é buscar também viver a santificação plena; completamente ‘outro’ personagem no sentido de transformação, mudança do homem velho para o novo, a partir da (nova) Semente (do grego sêmen), plantada em nós, que é a Palavra, meio de alcançarmos a natureza espiritual (1Pd 1.4-10).

LOUCURAS HUMANAS

O casamento como ilustração de sua Volta (Mt 25), a noiva em preparação para o encontro com o noivo, é tão próximo quanto perene, pois os milênios não apagaram o brilho dessa parábola.

Dentre as 10, cinco são loucas. A loucura aqui não é a mesma da exortação de não taxar o irmão de idiota (imprestável, vazio), do hebraico raqa (raca).

A loucura de Mateus 25 significa imprevidência: sem previsão, despreocupação, ausência de prevenção; como sinônimo de: descuido, desleixo, despreocupação, negligência.

Azeite nas lâmpadas

Lâmpada é luz, e sem luz ninguém caminha ou tem vida, mas permanece na obscuridade na Caverna de Platão, conforme Isaias 41.22. O azeite é a energia usada para dar luz. Sem ele não há luz!

Com o ensino implícito na parábola deve-se estar sempre pronto, não importando a demora.

Note-se ainda que todas as virgens tinham azeite, e todas as lamparinas estavam acessas. Porém, nenhuma falha deve ser constatada nas núbeis. Faltavam-lhes reserva de azeite, com vistas ao imprevisto: ‘Aí vem o Noivo!’

Porquanto não basta ter nome, estar incluído, conforme a nova tese de pluralidade e de inclusão social. A Igreja precisa estar preparada, enquanto indivíduo!

Preparação: Corpo, alma e espírito

Na passagem de 1Tessalonicenses 5.23, o apóstolo cita, pela primeira e única vez, nesta epístola, a tríplice lista: corpo, alma e espírito. O substantivo corpo (soma, o corpo por completo) não é usado em nenhuma outra parte da epístola.

A forma mais usada é coração, a linguagem poética para indicar todo o ser, que, na verdade, indica a representação humana (a alma), da persona (personalidade), incluindo o caráter: pensamento (o que e no que pensamos); sentimento (o que sentimos e como sentimos: nossa forma passional de ser); entendimento (o que e como entendemos tudo), vontade (quais são as nossas vontades e para onde elas nos guiam); emoções (o que nos emociona e como lidamos com tais emoções), enfim, aquilo que somamos no decorrer de nossa existência, incluindo a personalidade e o(s), temperamento(s), desde a conceição do ser.

Amar ao SENHOR por completo!

Parece ser uma ideia judaica do apelo do SENHOR de amá-lo por completo, conforme Deuteronômio 6.5, porém, o que se sabe é que não há como viver em Cristo de forma parcial, senão holística.

Não é possível santificar a alma (conforme definição acima), sem que o espírito e o corpo, extensão de tudo o que somos, participem de forma total e completa. E isto não indica imposição de costumes, mas de compromisso explícito de participação como ‘outro(a)’ pessoa, em função de mudança, transformação (outra forma).

Para que serve o músculo carnal, o coração?!

Como homem espiritual e de uma visão e amor incríveis, além de ensino extraordinário, saudoso pastor José Dutra de Moraes ensinou sobre esse versículo, nos concorridos cultos de Doutrina.

Ele ilustrava a tese de que Deus quer somente o coração, dizendo que Deus não era Bucheiro para esse desejo! Bucheiro era o antigo vendedor de miúdos de gado (coração, fígado, rins, rabo, patas…), que andava pelas ruas do interior de São Paulo, em uma carroça-baú, oferecendo os miúdos.

– Quem gosta de coração é bucheiro!, dizia de forma enfática, pastor Dutra.

COMO NOS DIAS DE NOÉ

Também o SENHOR toma a época de Noé para mostrar a iminência de sua Volta: Bebiam, comiam, casavam-se e davam-se em casamento… (Gn 6-7).

Esta parece ser uma alusão à antiga filosofia humana e sem Deus que, como não há nada além do túmulo, aproveitemos a existência: “Comamos e bebemos porque amanhã morreremos” (Is 22.13 e 1Co 15.32).

Semelhanças

Parece-nos bem própria a o texto para ilustrar a brevidade do Volta do SENHOR. A anunciação do Dilúvio é introduzida com a corrupção do ser humano (não use raça, pois diz respeito à evolução e não da Criação), pois “a imaginação dos pensamentos de seu coração era só má continuamente” (Gn 6.5).

Primeiro percebe-se que o mundo de então, funcionava normalmente com todos os meios sociais, de relacionamento e mercado que temos atualmente: ‘Comiam, bebiam, comprovam, vendiam, plantavam e construíam’ (Lc 17.28). Interessante não!?

Nota-se também a degradação humana, o distanciamento do Criador, como nos tempos do Dilúvio, o questionamento quanto à crença em sua existência, como se vê hoje no mundo, não é mais privilégio do Primeiro Mundo, em especial a Europa.

Com o recrudescimento da esquerda, equilibrando-se no socialismo democrata, tido como centro, sistema que para nós vai governar o mundo (digo isto há décadas), ocorre o notável paralelo de aumento do ateísmo e agnosticismo.

O agnóstico considera os fenômenos sobrenaturais inacessíveis à compreensão humana e, portanto, seria inútil discutir temas metafísicos, e que, portanto, não há razão para discutir ou fundamentar a existência de Deus. Acreditam somente na possibilidade de sua existência, conforme doutrina do teísmo.

E pasmem! Há muitos agnósticos entre os ditos cristãos, também entre nós e muitos com preparação teológica!

Uma das formas usadas na época do Dilúvio, que dava ênfase à degradação, refletia diretamente no casamento. “Casavam-se e davam-se em casamento”, que segundo doutor Antonio Gilberto pode ser traduzido como: “Casavam, descasavam-se e casavam-se novamente’. O casamento foi banalizado a exemplo do vemos hoje. Não preciso entrar em pormenores, comente você mesmo.

Chocarrices

Outro tema que gostaria de inserir é o tratamento com desdém às coisas sagradas. Nisto, o apelo de Paulo e suas consequências, quando trata da Ceia do SENHOR são claros: “Não discernindo o Corpo do SENHOR’, e por isto ‘há muitos fracos, doentes e mortos’ (que dormem), do grego koimontai, ‘cair no sono’, ‘morrer’.

Há falta de separação clara entre o sagrado e o profano, e os que procedem assim são taxados de cães (Fp 3.2). ‘Simplesmente’ por isto temos exemplos bem atuais de pessoas que foram ‘notáveis crentes ou pregadores’, hoje fora da Igreja, justamente por tratamento com desdém àquilo que é sagrado, com brincadeiras, piadas de mau gosto, chocarrices…, desembocando na falta de temor. Daí ao fundo do poço é somente um sopro!

Há muita clareza na advertência bíblica: Falta de respeito, palavras, temas e conversas não aconselháveis (Fp 1.27; Ef 4.22,27,29-30; 5.4,11-12).

‘A QUE HORAS ESTAMOS?’

Depois de tantos outros ismos, o Iluminismo levou o homem a usufruir de liberdades, ao contestar os exageros do Absolutismo, partindo para o outro extremo. Chegou-se facilmente à libertinagem.

Da liberdade de expressão através das artes, influência da Grécia antiga, que ofereceu também a filosofia e a força de inserção cultural do homossexualismo passou-se a questionar determinados valores, ícones até então incontestáveis. Perdemos limites!

Libertados pelo conhecimento, uma vez que a falta dele leva à escravidão (cf Oséias 6.4 e Cl 2.2-4), a partir do calabouço cristocêntrico da Reforma (Ef 2.8-9), o homem não atentou ao equilíbrio. Partiu para descobertas, embriagado pelo volume de conhecimento, até descobrir o amargo do doce de Daniel 12.4: “E tu, Daniel, encerra estas palavras e sela este livro, até ao fim do tempo; muitos correrão de uma parte para outra, e o conhecimento se multiplicará”.

Conhecimento profetizado por Daniel e que deveria jorrar no tempo do Fim, atualíssimo, não diz respeito à sabedoria humana propriamente, mas ao avanço tecnológico, como mostra Naum: “Os carros correrão furiosamente nas ruas, colidirão um contra o outro nos largos caminhos; o seu aspecto será como o de tochas, correrão como relâmpagos” (2.4).

Avanços excepcionais

Desde o seu início, até a Idade Contemporânea, o mundo conheceu 15 inventos, especificamente até 1714. Menos de 200 anos depois, o número saltou para 21. “A partir do século 18 (…), a quantidade de inventos cresce brutalmente” (Folha de SP, 11julh84).

Os terremotos, para dar ênfase à profecia (Mt 24.7), também acompanharam, com brutal crescimento: Século 7, ocorreram 17; século 14- 137; século 18- 640; século 19, foram registrados 2.139 e, no século 20, em somente 76 anos, ocorreram 5.200. Atualmente, perde-se as contas!

No caso dos inventos, há décadas, o então chamado ‘papa da comunicação’, Howard Rheingold, autor da Realidade Virtual, previra: “Tudo vai acontecer muito rapidamente…”.

Em dezembro de 2014, noticiou-se a previsão do físico inglês, da Universidade de Cambridge, Stephen Hawking. Segundo ele, “os robôs vão levar a espécie humano ao fim”, pois “a inteligência artificial vai superar os homens em menos de 100 anos”.

Não paramos por aí. Nos anos oitentas se instala a Pós-modernidade. Segundo o teólogo Earl Creps “O pós-modernismo é uma reação contra os valores do mundo moderno, conforme foi formado pelo Renascimento, Reforma e Século das Luzes (Iluminismo). A moderna visão de mundo é caracterizada (no ocidente) por várias características fundamentais:

  1. a) centralização no indivíduo;
  2. b) confiabilidade na percepção humana;
  3. c) primazia da razão;
  4. d) objetividade da verdade;
  5. e) inviabilidade do progresso;
  6. f) certeza de absolutos;
  7. g) incerteza do sobrenatural
  8. h) uniformidade da visão de mundo”.

Quanto ao ponto a, deixo meu comentário, pois muitos confundem humanismo (o homem em primeiro e não Deus), com amor ao próximo.

Pós-modernidade

A Pós-modernidade, aliada à Globalização, fez com que as circunstâncias imprescindíveis para a manutenção de nobrezas, maquiadas por segredos ou ignorância desaparecessem e desnudou um amontoado de mascarados. Mas a falta de dosagem matou o doente.

Vejamos: O sexo nunca esteve tão banalizado como nos dias de hoje. Essa vulgarização, o tornou ordinário e levou o homem a buscar opções, o que a Bíblia chama de ‘outro sexo’.

Os bons costumes, o respeito e a decência caem por terra. “A esculhambação nunca foi tão grande”, diz a manchete do caderno Ilustrada, Folha de São Paulo de 31/7/91, com o subtítulo: “A partir dos anos 70 a breguice deixou de ser ingênua e instaurou-se uma cultura do mau gosto, da cafajestice”, disse a falecida e depravada (pasmem!) atriz Dercy Gonçalves.

A Folha continua afirmando: “mas é certo que, a partir dos anos 70, instaurou-se – ao lado da moralidade e do escândalo social crônicos da nossa sociedade –, uma cultura do mau gosto, da violência estética, de selvageria texana. A breguice deixou de ser ingênua e marginal”.

E ainda, “…Num exibicionismo de novo estilo… a imoralidade agravou-se, e espalha-se por todo lugar. Vive-se numa situação em que o malfeito, o precário, o propositadamente ruim e grosseiro e o lixo são canais legítimos da expressão… Esta sociedade em que vivemos parece impelir tudo à brutalidade e à esculhambação”.

Colocamos matadouros à frente de nossas crianças

A Unicef diz que no Brasil existem cerca de 500 mil meninas entre 10 e 12 anos que são prostitutas. Cerca de um milhão de adolescentes dão à luz anualmente no Brasil. Segundo o IBGE hoje o país tem em torno de 16 milhões de meninas adolescentes, com idade entre 10 e 20 anos. O índice de mães menores de 15 anos, que era de 0,24% em 1986, dobrou nos últimos anos e 20% das crianças nascidas vivas são filhas de mães adolescentes – dados desatualizados: Folha, 8/3/91.

A verdade é que os adolescentes estão perdidos, envolvidos em caminhos que os convidam à promiscuidade e nem sempre mostram o retorno dessa longa viagem que, não poucas vezes, levam à morte.

“Nos últimos 25 anos a taxa de suicídio cresceu 300% nos EUA e em outros países industrializados” – disse ao jornal a Folha de SP (22/4/91), o psicólogo Alan Ward, do Institute for Juveline Reseasch (Instituto de Pesquisas do Jovem), da Universidade de Illinois, Chicago (EUA). Somente no ano de 90, nos EUA, houve cinco mil suicídios de adolescentes e 500 mil tentativas.

Para Alan Ward, o problema aumentou porque o mundo hoje está mais difícil para os adolescentes. Segundo ele até progressos sociais, como a libertinagem feminina, aumentam a confusão na cabeça dos adolescentes.

Já em 1991, a então deputada pelo Rio, a petista Benedita da Silva, que se diz evangélica, pediu o fim do adultério como crime. Ela e mais quatro deputadas do PT solicitarm a mudança do artigo 312 do Código Civil, deixando de prever a “fidelidade recíproca” como um dever dos cônjuges passando a exigir o “respeito e a consideração recíproca”. O deputado Roberto Magalhães (PFL-PE), disse que ser for aprovada a emenda proposta pelas deputadas, “é melhor acabar com o casamento” (10/91).

Não é só isso! Não temos mais referenciais em todos os segmentos da sociedade humana. Não temos mais o registro de profissionais exemplares, líderes a serem seguidos, políticos honrados, respeito no trânsito e total ausência de fiscalização e punição.

Surgem doenças especialmente criadas, para preencher espaços construídos por uma sociedade que animaliza o homem e humaniza o animal.

Com o advento do sistema socialista no mundo, as regras básicas para o bom relacionamento humano, são, a cada dia, descaracterizadas. No Brasil instaurou-se a anarquia (do grego anarkhos, sem poder, governo), usada para denominar ideologias, em oposição a valores sociais, político, militar e religioso e seus decorrentes como o Estado, leis, propriedade e a própria ordem.

O ser (honesto, de nobreza e caráter) deu lugar ao ter (dinheiro, triunfo, riquezas, não importa como). Vivemos em época semelhante a do Dilúvio, quando o SENHOR acabou com tudo, pois “A terra, porém, estava corrompida diante da face de Deus; e encheu-se a terra de violência”, Gn 6.11.

Maranata! Amém?!

Anúncios

Read Full Post »