Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Igreja Católica Romana’

a-lula-gigante-e-um-dos-maiores-animais-do-mundo-e-pode-chegar-a-13-metros-de-cumprimento-1449260086035_956x500

Povo disputa espaço para registrar captura de Lula gigante

Com a ‘anormalidade brasileira’ da prisão de um ex-presidente, aumentada por ser um notório líder de esquerda, o país tende a encontrar o caminho das normas, das regras, da normalidade.

Grupos soltaram fogos de artifício e comemoraram de forma ácida o fato. O homem que ascendeu como um rojão, desceu vergonhosamente como foguete!

ESPERANÇA DE BANCÁRIOS OU DE BANQUEIROS?

Ele tornou-se a esperança dos miseráveis, descamisados e dos sem-nada, dos injustiçados. Porém, ao seu lado juntaram-se também os visionários, que perceberam no metalúrgico Luís Inácio da Silva uma oportunidade única de chegar onde queriam. O terreno estava sulcado, fertilizado, preparado. Era só jogar a semente!

Lula subiu e as duas frentes lutaram para ganhar seus respectivos lauréis: Mais espaço, garantias, igualdade e justiça; mais poder, dinheiro, riquezas e glórias! O segundo venceu e arrastou Lula, em vez de ser arrastado por ele! Não foi por falta de tentativas: de calar a imprensa, censurar o Judiciário, desarmar as polícias, aparelhar o Estado, destruir bases, tidas como conservadoras…

Em vez de ganhar quem estava sentado no banco da praça, à espera de uma oportunidade, ganhou os que estavam fumando charuto cubano, sentados dentro do Banco na praça!

SEM CARRAPATICIDAS

Ninguém que sobe ao poder compromissado com ideologias e partidos poderá vencer seus comprometimentos e patrocinadores. A galinha dá o ovo, e a vaca o leite para a festa, mas depois vão querer comer o bêicon do porco!

LULA PROTAGONIZOU DUAS VIRADAS!

Se Lula foi a virada de um sistema política para outro, ao se eleger presidente do Brasil, essa prisão torna-se símbolo da virada de outro círculo ao país.

Lógico que sua prisão pode ser vista como injusta pelos seguidores daquele primeiro Lula, que não mais existe. Aquele era plebeu, este Lula preso é elite.

Ainda ‘injusta’ porque ficaram para trás Fernando Henrique Cardoso, José Sarney, Michel Temer, Aécio Neves, José Serra, Romero Jucá, Renan Calheiros, José Dirceu, Antonio Palocci… Permanecem presos o ex-presidente da Câmara Federal, Eduardo Cunha, o ex-governador do Rio, Sérgio Cabral, e o troféu sexagenário Paulo Maluf. A maioria dos nomes acima são ligados a Lula, ao PT ou teve alguma ligação com os dois.

DAS BASES ECLESIAIS DA IGREJA CATÓLICA À QUEDA DOS DOIS

Por outro lado, Lula foi o mentor de todos. O ideário do PT-Lula era fazer do Brasil o que queriam Che Guevara e Fidel Castro, com respeito à América Latina, mas ‘foram traídos’ pelo fascínio do poder e detonaram Cuba.

Fizeram o mesmo os dois da Venezuela. Chaves abriu as portas para a podridão de Maduro. A história se repete dentro de uma sistemática, radical e falida ideologia. Na Albânia, o Partido do Trabalho da Albânia (Partia e Punes), também conhecido como Partido Comunista da Albânia, igualmente levou o país à miséria. Restava ainda o então recém-criado Fórum de São Paulo.

RELIGIÃO E POLÍTICA, A ESTRATÉGIA DE CONSTANTINO SE REPETE

Das bases eclesiais da Igreja Católica Romana, com a chamada Teologia da Libertação e preferência pelos pobres, nasce o PT em 1980, com filiação estrondosa, graças ao apoio da própria Igreja Católica Romana, conforme o escritor espanhol Luís Mir.

Base semelhante também foi criada pelo visionário e controverso Constantino. Após lutas ele alcançou a liderança do império romano e, posteriormente, da Igreja, por força de sua função, impondo tolerâncias a cristãos, convocações e liderança de concílios, nomeações de bispos, e ainda estabeleceu Roma como matriz de todas as igrejas, nascendo daí a denominação ‘Romana’, em oposição à natureza da Igreja, Jerusalém!

BASE SÓLIDA

Homens com ideários, seriedade e firmeza nas propostas do partido, como o católico praticante Plínio Arruda Sampaio abraçaram a proposta. Mas, a partir das denúncias de corruPTções (neologismo que criei pós denúncias), como o Mensalão, o partido enfrentou o esvaziamento de idealistas-fundadores, como o próprio Plínio Arruda, Heloísa Helena, Babá, Bicudo, Marina da Silva, Gabeira, Cristovam Buarque…

AVANÇOS QUE NÃO CHEGARAM A FECHAR O CÍRCULO

Alguma coisa foi feita em termos sociais? Lógico que sim! O acesso às universidades foi um salto monumental. A aceleração na construção de casas populares também. Tivemos ainda alguns marcos de progresso, mas com a ausência de gestão, aliada à gana por dinheiro fácil, patenteada pela corrupção estão apodrecendo. Foram bilhões jogados ao lixo, mas que deram start aos saqueadores do país.

Empresas públicas ampliaram a visão na questão de humanização, com salários melhorados e ganhos com assistência e serviços a funcionários. Porém, sempre com a ideia de aparelhamento, pois o PT empregou milhares no Governo federal, em todos os cantos e estatais. Parece-me que a busca principal era ganhar o poder, sem a parte seguinte do plano!

O TEMOR CONTINUA!

Agora, o vice do PT, Temer, que representa a mesma moeda, somente com mudança de lado, quer ‘aparelhar’ as estatais para entregar à administração privada, já sob encomenda, como ocorre na Caixa Federal, que está sendo aparelhada por ‘encomenda’ de pacote fechado a banqueiros. Vide a Previdência Social!

De tudo isto, a prisão de Lula soa ao sofrido povo, mesmo aos que não conseguem compreender o seu significado, como um troféu. E um ilhós da Operação Lava Jato, que em seus três anos, já repatriou mais de R$ 10 bilhões, efetivou cerca de 200 prisões, mais de 300 processos, e quase 100 condenações. O que ainda emperra esse progresso de limpeza moral e equidade, para o estrangulamento do colarinho branco é justamente quem deveria puxar a fila: O Supremo!

Seus ministros são colocados lá por meio de uma remanescente e arcaica parte do sistema de coronelismo, portanto sem a polidez exigida, dotados de bazófias, com raras exceções. São batráquios preparados a fio, justamente com a função precípua (até conforme o ordenamento jurídico) de depois retribuir os favores ao padrinho.

Mesmo adiante de tantas contrariedades, Moro praticou a equidade, cujo significado busca tratar cada indivíduo conforme sua natureza (do crime), a corporificar o eflúvio de novos tempos.

Equidade é um termo de uso relativamente novo, a partir da Constituição de 1988, das aberturas (para ideários de esquerda) e fechaduras (aos da denominada direita, do conservadorismo).

A partir de 88, o termo carrega a ideia que o Estado deve garantir o direito ou acesso igualitário a todos. Então, nota-se que as atuais circunstâncias fizeram jus à nova Constituição, em especial pela bravura do juiz Moro e procuradores federais, pois agora nem só os PPPs são presos, mas os de colarinhos brancos também, incluindo os PTs!

Aliás, o PT não deve reclamar, pois defende a misoginia, impõe a igualdade de gêneros e, se a prisão de Lula não é normal, estando fora da norma, da regra, e irregular, seria então um substantivo de dois gêneros: ‘anormal’.

CONTRA LULA OU PELO BRASIL?!

Ninguém deve comemorar a desgraça alheia, mas igualmente precisa manter a fechadura da razão aberta, sem se deixar enlouquecer pela emoção liberada pelos impulsos, tornando prisioneiro da irracionalidade, a perder princípios que nos oferecem dimensões da realidade, e ações repulsivas à momice.

Concluo com o que o sábio ‘presidente’ de Israel dissera, há cerca de 3 mil anos: ‘Quando o governo é formado de homens justos e honestos o povo vive feliz, mas quando os líderes de uma nação são maus e desonestos o povo chora de tristeza’, Pv 29.3.

Aqui não é o Céu para queremos a perfeição, nem por isto precisa ser o Inferno! Equilíbrio é o melhor caminho. Como os extremos não constituem as melhores escolhas, resta-nos saber como e onde está o centro!

Anúncios

Read Full Post »

Lula é recebido pelo papa Bento 16 no Vaticano (Foto: Abril)

O Supremo Tribunal Federal (STF) arquivou a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI), ajuizada pela Convenção de Ministros das Assembleias de Deus Unidas do Estado do Ceará (Comaduec) contra o Estatuto Jurídico da Igreja Católica do Brasil. Segundo o ministro Joaquim Barbosa, que negou o seguimento da ação, houve falta de legitimidade da entidade para propô-la. A notícia foi divulgada hoje, pelo STF.

A Convenção pediu declaração de inconstitucionalidade do Estatuto Jurídico da Igreja Católica do Brasil, proveniente do Acordo entre o Brasil e o Vaticano, assinado em novembro de 2008.

Conforme a Comaduec, o acordo fere a laicidade do Estado brasileiro e privilegia a Igreja Católica Romana em detrimento das demais religiões e caracteriza como afronta ao princípio constitucional da igualdade das religiões.

Na avaliação da Convenção dos Ministros evangélicos como entidade que preencha os requisitos para ser proponente de ADI, conforme especificado no artigo 103, inciso IX da Constituição Federal, Joaquim Barbosa constatou que a mesma não pode ser classificada como entidade de classe e, portanto, não pode efetivar tal proposta.

Ele afirma que os membros da entidade religiosa não representam interesses profissionais definidos. Joaquim Barbosa observa que o inciso IX confere legitimação às confederações sindicais ou entidades de classe de âmbito nacional para propor ADI.

“Essa corte, por diversas vezes, estabeleceu o alcance da expressão entidade de classe como aquela em que seus membros estão vinculados por relação econômica ou profissional”, explicou e completou: “Como se vê, o liame que une os membros da Convenção de Ministros das Assembleias de Deus Unidas do Ceará (Comaduec) é de natureza estritamente religiosa, não havendo qualquer vínculo de natureza profissional ou econômica entre eles”.

Quer comentar o artigo? Clique aqui.

Read Full Post »

A origem das celebrações juninas remonta aos antigos rituais pagãos. No Hemisfério Norte, o mês de junho é o período de solstício de verão. Nessa época, especialmente nos dias 21 a 24, egípcios, sumérios, romanos, bascos e celtas invocavam a fertilidade através de rituais.

Na mitologia romana, pagãos prestavam culto à deusa Juno, cujos festejos eram denominados junônias, adaptado no Brasil para junina. Os primeiros registros por aqui datam de 1603, pelo frade Vicente do Salvador, que ressaltou o fato de os índios aceitarem de bom grado o dia de “‘São João Batista’, por causa das fogueiras e capelas”. A quadrilha e o mastro são elementos do ritual pagão que permanecem até hoje.

Os historiadores registram que os rituais de colheita e fertilidade eram tão fortes na Idade Média que a Igreja Católica Romana resolveu aproveita-los, adaptando-os ao seu calendário. Eles foram importados ao Brasil pela colonização portuguesa.

No Hemisfério Norte, o mês de junho é o período de solstício de verão (Foto: blog Virar do Avesso)

No Hemisfério Norte, o mês de junho é o período de solstício de verão (Foto: blog Virar do Avesso)

Já o culto pirolátrico, próprio da festividade junina, teve início em Portugal, onde antigamente acreditava-se que o estrondo de bombas e rojões poderia espantar o Diabo e seus demônios na noite de “São João”. Mas os fogos de artifício e as fogueiras são formas de culto da Antiguidade, quando as imagens são cortejadas, a exemplo dos ídolos pagãos, retratados pelo catolicismo na forma de imagens de santos.

Paulo afirma em 1Coríntios 10.19 que o ídolo não é nada, mas o que se oferece a ele, se oferece aos demônios, e o cristão não pode se envolver com isso.

Além de conterem o elemento idolátrico, os fogos são perigosos e extremamente poluentes. “Um estudo feito por pesquisadores da Universidade Jawaharlal Nehru, em Nova Déli, Índia, mostrou que fogos de artifício disparados no país em uma festa nacional no ano passado liberaram grande quantidade de ozônio. Esse gás é tóxico e apenas beneficia a vida na alta atmosfera, onde reflete os raios ultravioletas do Sol. O trabalho está publicado na revista Nature” (Folha de São Paulo, Ciência, A6, 28/6/2001).

No Brasil o uso de fogos de artifício aumenta consideravelmente em junho e julho, em virtude das comemorações dos romanistas a seus santos protetores. Muitas pessoas têm sido mutiladas pelo manuseio do produto, enquanto balões têm causado inúmeros incêndios. A prática dos balões, tão comum nessa época, se vincula à ideia de que, se este subir sem nenhum problema, os desejos de que quem os solta será atendido. Caso não suba, seria azar.

Em várias regiões do país, com ênfase no Nordeste, religiões como o candomblé homenageiam os orixás, misturando suas práticas ao ritual católico romano. Não é raro ver nessas festas rodas de pagode, música funk, barracas de comida e bebidas variadas. Na Bahia, a festa de Santo Antônio é confundida com a de Ogum, um ídolo guerreiro da cultura afro-brasileira.

Alguns grupos evangélicos participam dessas festas populares com nomes não muito disfarçáveis, como festa jesuína, numa descarada demonstração de imitação mundana. Outros vão além e sob alegação de arrecadar fundos, organizam suas próprias festas. Há ainda quem argumente que é melhor ter uma festa junina nas dependências da igreja do que permitir os novos convertidos participarem lá fora. Foi justamente isso, e com justificativas semelhantes, que a Igreja Católica Romana fez. “Isso é muito perigoso, porque a igreja começa a imitar o mundo”, rebate o apologista Paulo Romeiro.

Já o apologista Natanael Rinaldi alerta que a mistura de costumes religiosos, impróprios à luz da Bíblia, pode levar ao envolvimento com práticas herdadas do paganismo, como denunciou apóstolo Paulo: “Antes digo que as coisas que os gentios sacrificam, as sacrificam aos demônios, e não a Deus. E não quero que sejais participantes com os demônios”, 1Co 10.20.

Comer as iguarias características dessas festas pagãs, tais como milho cozido e pipoca, não é problema, desde que não sejam aquelas oferecidas aos “santos-ídolos”, com objetivo religioso e participativo. “Não podeis beber o cálice do Senhor e o cálice dos demônios; não podeis ser participantes da mesa do Senhor e da mesa dos demônios”, 1Co 10.21.

Read Full Post »