Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘história da Igreja’

 “E ao anjo da igreja que está em Sardes escreve: Isto diz o que tem os sete espíritos de Deus, e as sete estrelas: Conheço as tuas obras, que tens nome de que vives, e estás morto. Sê vigilante, e confirma os restantes, que estavam para morrer; porque não achei as tuas obras perfeitas diante de Deus. Lembra-te, pois, do que tens recebido e ouvido, e guarda-o, e arrepende-te. E, se não vigiares, virei sobre ti como um ladrão, e não saberás a que hora sobre ti virei. Mas também tens em Sardes algumas pessoas que não contaminaram suas vestes, e comigo andarão de branco; porquanto são dignas disso. O que vencer será vestido de vestes brancas, e de maneira nenhuma riscarei o seu nome do livro da vida; e confessarei o seu nome diante de meu Pai e diante dos seus anjos. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas”, Ap 3.1-6.

Abrangência/época: De1517 a 1750 (Ap 3.1-6).

Significado: Pedra que brilha.

Fato crítico: Tem fama de igreja avivada, mas está morta – v1.

Elogio: Pessoas que não se contaminaram – v4.

Exortação: Vigiai – v5.

Galardão ao que vencer: Andarão de branco com o Senhor – v5.

Significado histórico: Igreja Remanescente.

Imagem

Ruínas de Sardes
Identificação

Cidade localizada a 70 quilômetros de Esmirna, hoje a pequena aldeia Sart, na Turquia. Sardes fora arrasada no ano 17aC por um terremoto, depois reconstruída. Também foi capital da Lídia. Seu porto figurava como ponto de reembarque de produtos de lã.

Essa igreja se encaixa dentro da época da Reforma Protestante, que tem como data histórica 31 de outubro de 1517. Sardes ou Sardo é uma pedra que brilha em contato com o corpo. É uma figura a indicar a necessidade de o crente estar unido ao Corpo de Cristo, por meio da comunhão. A história conta que a vida cristã em Sardes quase se estinguiu (v1).

Por outro lado, a alusão do versículo 1 – “tens nome de que vives, e estás morto” – pode indicar propaganda enganosa, isto é, características de igreja, mas totalmente fora dos padrões bíblicos. E ainda o domínio de dons espirituais usados fora do contexto dos preceitos bíblicos, com obras não cristãs (imperfeitas), tendo em vista seus objetivos – glorificação do Senhor, edificação da Igreja e salvação de almas, a partir do recrudescimento do amor (1Co 13).

Embora indique uma igreja surrada por tudo quanto veio antes dela, culminando com a prática idolátrica que grassava em seu meio e já bastante distante dos preceitos bíblico-cristãos, nela são contadas algumas pessoas que não contaminaram suas vestes.

Estes remanescentes que dariam vazão à Reforma Protestante recebem a promessa gloriosa do Senhor: “… e comigo andarão de branco”, v4. Este é um contraste com as vestes brancas (3.18) oferecidas pelo Senhor, e o psicodelismo comercial (Ap 17.4), que fazia da indústria de lã e de tintura, o orgulho de Sardes.

As vestes brancas, descritas pelas Escrituras indicam sinônimo de pureza, santificação, vida cristã intocável. Por isso Judas 23 descreve o seguinte: “e salvai alguns, arrebatando-os do fogo; tende deles misericórdia com temor, aborrecendo até a roupa manchada da carne”. Leia ainda Zacarias 3.24.

Mudança Proposta

A indústria de lã e as diversas cores de tecidos oferecidas faziam de Sardes o orgulho da região. Da tintura de roupa, usada como um costume entre os gregos, origina-se o termo batismo, que é mergulhar a peça na tintura e tirá-la transformado em outra cor. Daí a definição de batismo, do grego baptismós, mergulho, imersão. A tintura preparada servia para mudar o aspecto do tecido e isso acontecia em Sardes em nível industrial. Imergia-se o tecido na tintura de acordo com a cor desejada para, em seguida, seguir para a comercialização, já em nova versão de cores.

Esse atrativo introduzido ao tecido, para produzir vestes atraentes, vai de encontro à exuberância da Prostituta do capítulo 17: “A mulher estava vestida de púrpura e escarlata, adornada com ouro e pedras preciosas, e pérolas, e tinha na mão um cálice de ouro cheio das abominações e da imundícia da sua prostituição”, Ap 17.4.

O uso dessas cores indicava também luxúria e, por isso, logo após a Revolução Industrial, uma mulher jamais usaria uma blusa vermelha, para não chamar a atenção para si. Esse domínio foi mentido por anos entre puritanos.

Em Sardes estão representadas a riqueza e a prosperidade de Laodicéia, com a visão de esplendor que as roupas coloridas produziam.

Grande Deusa-Mãe

Outra marca dessa igreja era o centro do culto a Cibele, conhecida como a Grande (deusa) Mãe, equivalente a Diana dos Efésios ou Astarote, culto comum na Ásia Menor. Cibele era muito cortejada entre os romanos especialmente depois de ter levado a sorte, por meio de um meteorito, que seria a representação de sua presença.

Era a deusa da salvação, a padroeira de Roma. Tinha seus devotos que promoviam uma série de encenação anual a ela. Seus templos acabaram dando lugar à deusa do romanismo moderno – “Maria, como no caso do Partenon, templo da deusa virgem Atenas. Entre a classe baixa, Maria substitui a mãe deusa como objeto de devoção. Pode-se traçar a atenção que lhe era dada e a mesma adoração a ela prestada a partir do segundo século, especialmente em Éfeso.”

O mesmo fenômeno vivido hoje com Maria, podia-se perceber nos primórdios da Igreja com essas divindades. Seus adoradores a ela dirigiam como ‘Rainha dos Céus”. Explorando o Mundo Antigo do Novo Testamento, Albert A Bell Jr. (Atos).

Mestres

Segundo o texto, parece que não havia em Sardes falsos mestres ou casos de pecados específicos, como se nota nas outra. Tudo indica que a falha era mesmo o distanciamento da ortodoxia bíblico-cristã e a consequente perda da essência doutrinária, que dá a real ‘marca’ à Igreja do Senhor.

Por fim, o Senhor ameaça os infiéis que poderão ter os seus nomes riscados do Livro da Vida. Portanto, nomes já inscritos e que poderão perder o seu lugar, conforme recomendação à Laodicéia em 3.11 e Provérbios 5.9: Para que não dês a outrem a tua honra”.

Galardão

Aos vencedores de Sardes, em meio a tantas dificuldades, o galardão é glorioso:

“Mas também têm em Sardes algumas pessoas que não contaminaram suas vestes e comigo andarão de branco, porquanto são dignas disso. O que vencer será vestido de vestes brancas, e de maneira nenhuma riscarei o seu nome do livro da vida, e confessarei o seu nome diante de meu Pai e diante dos seus anjos”, Ap 3.4-5.

A maioria das informações foram extraídas do livro Fronteira Final (Escatologia), MESQUITA, Antônio, 2007, Fronteira Final, A Terra geme e chora, CPAD.

Anúncios

Read Full Post »