Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘as sete igrejas’

“E ao anjo da igreja que está em Filadélfia escreve: Isto diz o que é santo, o que é verdadeiro, o que tem a chave de Davi; o que abre, e ninguém fecha; e fecha, e ninguém abre: Conheço as tuas obras; eis que diante de ti pus uma porta aberta, e ninguém a pode fechar; tendo pouca força, guardaste a minha palavra, e não negaste o meu nome. Eis que eu farei aos da sinagoga de Satanás, aos que se dizem judeus, e não são, mas mentem: eis que eu farei que venham, e adorem prostrados a teus pés, e saibam que eu te amo. Como guardaste a palavra da minha paciência, também eu te guardarei da hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo, para tentar os que habitam na terra. Eis que venho sem demora; guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa. A quem vencer, eu o farei coluna no templo do meu Deus, e dele nunca sairá; e escreverei sobre ele o nome do meu Deus, e o nome da cidade do meu Deus, a nova Jerusalém, que desce do céu, do meu Deus, e também o meu novo nome. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas”, Ap 3.7-13.

Informações gerais 

Abrangência/época: A partir de 1750 (Ap 3.7-13).

Significado: Igreja do amor fraternal.

Fato crítico: Não tem.

Elogio: Guardaste a minha Palavra e não negaste o meu nome – v10.

Exortação: Venho em breve, guarda o que tens para ninguém tome – v11.

Galardão ao que vencer: Coluna do Templo divino terá o nome de Deus e de sua cidade, e o novo nome de Cristo – v12.

Significado histórico: Igreja do Arrebatamento.

Identificação

Hoje Alaseher, na Turquia, Filadelfia era uma cidade pequena, localizada na zona de terremotos a 45 quilômetros a sudeste de Sardes. Fundada em 154aC por Attalos II, rei de Pérgamo.

O nome dessa igreja vem de phileo (grego) que significa amor fraterno. É o amor de uma pessoa para outra, amor recíproco. Esse amor contrasta com as orgias sexuais, propostas pelas doutrinas balaonista e jezabelista, centradas no amor sensual (grego heros). Daí as palavras derivadas erótica e erotismo.

Santo e Verdadeiro

Quem diz a Filadelfia é o Santo e Verdadeiro, nomes que representam atributos divinos, conforme Jeremias

“Mas o Senhor Deus é a verdade; ele mesmo é o Deus vivo e o Rei eterno; ao seu furor treme a terra, e as nações não podem suportar a sua indignação” e João 17.3: “E a vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só, por único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste” e especificamente a Jesus (Jo 14.6) e o que tem a chave de Davi, conforme Isaías 22.22: “E porei a chave da casa de Davi sobre o seu ombro, e abrirá, e ninguém fechará; e fechará, e ninguém abrirá”.

Jesus, sucessor do Trono de Davi

Filadélfia, além de não ter reprovação tem elogios, somente é exortada a resistir aos que se proclamam judeus e não o são. Enquanto Pérgamo mantinha o culto imperial, constituindo-se o “trono de Satanás”, enquanto em Filadelfia havia a “Sinagoga de Satanás”, em função de os `falsos` judeus. Estes epítetos diabólicos, indicam inimigos dos verdadeiros cristãos e, portanto, de Deus.

Porém, nela o Todo-Poderoso tem a chave: que abre e ninguém fecha; que fecha e ninguém abre, e a bênção de ter diante de si uma porta aberta.

Nesta passagem, a mensagem quer mostrar, inclusive à resistência judaica, que Jesus é o verdadeiro sucessor do trono de Davi:

“E porei a chave da casa de Davi sobre o seu ombro, e abrirá, e ninguém fechará; e fechará, e ninguém abrirá. E fixá-lo-ei como a um prego num lugar firme, e será como um trono de honra para a casa de seu pai. E nele pendurarão toda a honra da casa de seu pai, a prole e os descendentes, como também todos os vasos menores, desde as taças até os frascos. Naquele dia, diz o Senhor dos Exércitos, o prego fincado em lugar firme será tirado; e será cortado, e cairá, e a carga que nele estava se desprenderá, porque o Senhor o disse”, Is 22.22-25.

Caracteriza verdadeiro convite aos judeus a se converterem a Cristo e passarem, a partir de então, a perceberem a realidade da revelação divina a respeito do sucessor de Davi – o Messias já enviado e não esperado, conforme prega o Judaísmo, por não acreditar em Cristo.

Pouca força

Esta era uma das principais características da Igreja de Filadelfia, pois não mantinha a mesma influência das demais cidades-fortes, mas os crentes eram pobres e sem influência temporal, social ou humana.

A leitura do texto do versículo 8 deve submeter-se à pontuação, pois, caso contrário, emite outra ideia: “… diante de ti pus uma porta aberta, e ninguém a pode fechar”… Aqui o primeiro período se completa e segue, a partir de um ponto-e-vírgula – quase um ponto-final – o com outro período: “… sei que dispões de poucas forças” (outra tradução), e segue: “… e, contudo, tens guardado a minha palavra, e não negaste o meu nome”. Coisa gloriosa essa contraste, não é mesmo?!

Ainda que pobre, no sentido restrito e humano, essa igreja permanecia totalmente na dependência do Senhor e confiante Nele e nas suas gloriosas promessas e exaltação, conforme texto subseqüente: “farei que venham, e adorem prostrados a teus pés, e saibam que eu te amo” (v9).

Limites e vitórias

Outro fato relevante na mensagem a Filadélfia é o limite suportável das últimas coisas, que cremos ser desgastes como desvios morais e sociais no mundo e de não deixá-la passar pela Grande Tribulação ou provocação universal, que precede a Volta de Jesus:

“Como guardaste a palavra da minha paciência, também eu te guardarei da hora da tentação que há de vir dobre todo o mundo, para tentar os que habitam na terra”, v10 (cf Ap 7.14).

Unicamente nela está a promessa do Retorno (em breve) do Senhor:

“Eis que venho sem demora, guarda a tua coroa para ninguém a tome”.

Como coroa fala de domínio, parece indicar o lugar dado pelo Senhor – o nome escrito no Livro da Vida. Como diz Provérbios 5.9: “para que não dês a outros a tua honra”.

Portanto, cremos ser a Igreja do Arrebatamento, conforme vemos pelas próprias profecias e história das sete igrejas. Todas têm um período, em que a história descrita pela Bíblia, casa perfeitamente com suas respectivas épocas. Sendo assim, não haveria mais tempo tanto para regredir e focar outra igreja, para a época em que vivemos, quanto para prosseguir e chegar a Laodicéia.

A promessa aos vencedores é de receber o nome eterno do Senhor, entre outras bênçãos:

“A quem vencer, eu o farei coluna do templo do meu Deus, e dele nunca sairá; e escreverei sobre ele o nome de meu Deus e o nome da cidade do meu Deus, a nova Jerusalém, que desce do céu, do meu Deus, e também o meu novo nome”, 3.12.

O nome eterno do Senhor está descrito em Isaías 56.5: “Também lhes darei na minha casa e dentro dos meus muros um lugar e um nome, melhor do que o de filhos e filhas; um nome eterno darei a cada um deles que nunca se apagará”.

Anúncios

Read Full Post »

“E ao anjo da igreja de Tiatira escreve: Isto diz o Filho de Deus, que tem seus olhos como chama de fogo, e os pés semelhantes ao latão reluzente: Eu conheço as tuas obras, e o teu amor, e o teu serviço, e a tua fé, e a tua paciência, e que as tuas últimas obras são mais do que as primeiras. Mas tenho contra ti que toleras Jezabel, mulher que se diz profetisa, ensinar e enganar os meus servos, para que se prostituam e comam dos sacrifícios da idolatria. E dei-lhe tempo para que se arrependesse da sua prostituição; e não se arrependeu. Eis que a porei numa cama, e sobre os que adulteram com ela virá grande tribulação, se não se arrependerem das suas obras. E ferirei de morte a seus filhos, e todas as igrejas saberão que eu sou aquele que sonda os rins e os corações. E darei a cada um de vós segundo as vossas obras. Mas eu vos digo a vós, e aos restantes que estão em Tiatira, a todos quantos não têm esta doutrina, e não conheceram, como dizem, as profundezas de Satanás, que outra carga vos não porei. Mas o que tendes, retende-o até que eu venha. E ao que vencer, e guardar até ao fim as minhas obras, eu lhe darei poder sobre as nações e com vara de ferro as regerá; e serão quebradas como vasos de oleiro; como também recebi de meu Pai. E dar-lhe-ei a estrela da manhã. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas.”, Ap 2.18-25.

Abrangência/época: De600 a 1517 (Ap 2.18-29).

Significado: Relaxada (Mulher opressora).

Fato crítico: Líder feminina que ensina a tolerância ao pecado – v20.

Elogio: Crescimento nas obras – v19.

Exortação: Reter o que tem – v25.

Galardão ao que vencer: 1) Poder sobre as nações;

                                     2) a Estrela da Manhã – a Luz Eterna (Cristo) – v26-28.

Significado histórico: Decadência da Igreja.

Identificação

Na época de Tiatira, conforme a história contemporânea, a Igreja viveu a escuridão do conhecimento. Isso ocorreu durante o período da Idade Média. A leitura da Bíblia era proibida e somente o clero e alguns reis e nobres tinham acesso ao conhecimento. O povo em geral, não conhecia nada sobre a revelação divina aos homens, pois nem mesmo sabiam ler. O conhecimento foi-lhes negado, e pela própria Igreja, que dominava o mundo, com os reis e poderosos.

Imagem

Informações históricas da cidade

Hoje é Akhissar, na Turquia, localizada a cerca de 60km a sudoeste de Pérgamo, entre esta e Sardes. Na época bíblica, embora fosse uma cidade pequena, por sua influência industrial, que contava com operários cristãos. Atos 16.14, trata de uma crente de nome Lídia, que vivia do ramo industrial dessa cidade: “E uma certa mulher, chamada Lídia, vendedora de púrpura, da cidade de Tiatira, e que servia a Deus, nos ouvia, e o Ssenhor lhe abriu o coração para que estivesse atenta ao que Paulo dizia”. Seu nome pode ter sido, na verdade, um cognome em função de ela ser de Tiatira, a capital da Lídia (dos lídios) na Ásia Menor, daí poderia ter recebido o apelido de Lídia, como sobrenome, pois na época, usava-se muito a referência de procedência como sobrenome. Temos os exemplos bíblicos, como Jesus de Nazaré, Paulo de Tarso, viúva de Naim…

Segundo informações arqueológicas, em Tiatira havia uma indústria crescente de púrpura.

Triunfo sobre tentativa de destruição

Triunfou em Tiatira a doutrina baloanista, nicolaitista e jezabelista, a ponto de constituírem a “profundeza de Satanás” (v24).

Jezabel é a mulher que fundamentou certa doutrina herege. É o nome que se dá a quem está no meio, no sistema, mas não faz parte originalmente dele. E por meio de sua doutrina são introduzidos todos os deuses regionais, como a própria esposa de Acabe fez em Israel.

As mulheres de outras nações, quando se casavam com reis de Israel, traziam consigo os seus deuses. Isso eles faziam para não serem totalmente intrusas ao novo e estranho ambiente e para que não fossem destruídas pelos deuses da casa, criam. Então, levavam sempre as suas estátuas protetoras para livrá-las e protegê-las. Assim fez Jezabel e todas as esposas de Salomão procedentes de nações vizinhas: “E o rei Salomão amou muitas mulheres estranhas, e isso além da filha de Faraó, moabitas, amonitas, edomitas, sidônias e hetéias, das nações de que o Senhor tinha dito aos filhos de Israel: Não entrareis a elas, e elas não entrarão a vós; de outra maneira, perverterão o vosso coração para seguirdes os vossos deuses”, 1Re 11.1-2.

Elas levaram seus deuses (que perverteram Salomão) como

1)      Astarote (deusa dos sidônios);

2)      Milcom (dos amonitas);

3)      Quemos (dos moabitas);

4)      Moloque (dos amonitas) – v5-7.

“E assim fez para com todas as suas mulheres estrangeiras, as quais queimavam incenso e sacrificavam aos seus deuses”, v8.

O caso da moabita Rute, nora de Noemi, esclarece esse costume ao optar em ser fiel ao Deus de sua sogra e deixar para trás os deuses moabitas. Noemi diz a Rute: “Eis que voltou a tua cunhada (Ofra) ao seu povo e aos seus deuses; volta tu também após a tua cunhada. Disse, porém, Rute: Não me instes para que te deixe e me afaste de ti; porque, aonde quer que tu fores, irei eu e, onde pousares à noite, ali pousarei eu; o teu povo é o meu povo, o teu Deus é o meu Deus”, Rt 1.15-16

Jezabel foi uma mulher dominadora e sedutora, contrastando com Apocalipse17, aprostituta – sistema religioso, que domina o mundo, assentada sobre sete montes, a partir de onde Roma teria sido fundada em 753aC. Leia Apocalipse 17.

Lídia a vendedora de púrpura, que se converteu ao Evangelho era de Tiatira. Ela chegou a oferecer sua casa como hospedagem e Paulo (At 16.14-45). Parece que Tiatira possuía uma indústria de tinturaria. Púrpura era utilizada para tingir tecidos; mas havia também o tecido purpurino, que figurava como referência à riqueza.

Negativos em Tiatira

1)      Aceitação de Jazebel e de seus ensinos,

2)      Submeter-se aos seus enganos (prostituição),

3)      Crentes liberais – não atentam para a proibição de coisas sacrificadas a ídolos.

Riqueza em destaque na Igreja

1)      Obras,

2)      Amor,

3)      Serviço,

4)      Fé,

5)      Paciência,

6)      Obras crescentes (2.19).

A última parte do versículo indica que a perseguição fez com que a igreja criasse volume nas obras, com a ideia de maior investimento a partir da busca espiritual. Portanto, a vida espiritual ativa, às vezes ocasionada pelas lutas, torna-se producente.

Prêmio ao que vencer

1)      Domínio e regência das nações (cf 1Pd 2.9),

2)      Reinado (sobre povos) – Ap 22.5,

3)      Poder divino para domínios (Ap 20.4),

4)      Receberá a Estrela da Manhã (brilho de Jesus).

Read Full Post »