Feeds:
Posts
Comentários

GILBERTO GONÇALVES MALAFAIA

APÓS RECEBER JESUS SUA FAMÍLIA SE CONVERTEU PELO SEU TESTEMUNHO

GILBERTO MALAFAIAPr. Gilberto com a esposa e filho, pastor Silas

 

Através de um artigo escrito no jornal Mensageiro da Paz levou Gilberto Malafaia a conversão a Cristo. Em seguida, ele buscou o aprimoramento na Palavra de Deus e, depois, o Senhor o chamou para o ministério. Suas convicções fizeram com que também buscasse o aprimoramento de outros obreiros, por meio do ensino da Palavra. Para isso, enfrentou dificuldades para implantar, com missionário Lawrence Olson, o Instituo Bíblico Pentecostal (IBP). Com persistência venceu a luta.

O jornal de 1939, que o levou a Cristo estava entre os livros de um amigo. Nele Gilberto encontrou o artigo assinado pelo missionário sueco Nils Kastberg, com chamada na capa: “Queres tu, ó homem roubar a Deus?” O texto o levou primeiramente a ser fiel ao dízimo. Depois lhe aguçou o desejo de ouvir o Evangelho, na AD em São Cristovão (Grande Rio), a partir do convite de um amigo, mas sua conversão de seu na AD em Madureira, na época liderada pelo pastor Paulo Leivas Macalão.

Ele aconselha os obreiros iniciantes a buscarem conhecimento sem deixar a unção espiritual, para que alcance a estatura de testemunha fiel.

Partiu para a Eternidade no dia 12 de janeiro de 2016, às 9h, em sua casa, aos 95 anos, no Rio de Janeiro, onde sempre morou e depois de 67 anos de casamento.

Preparação e convicção

Baiano de Castro Alves, Gilberto Malafaia era oficial da reserva da Marinha do Brasil casou-se com a professora e psicóloga, conhecida por suas preleções por todo o Brasil, Albertina Lima Malafaia. Da união nasceram cinco filhos, dos quais dois são pastores: Samuel e Silas Malafaia, conhecido em todo o Brasil e fundador e proprietário da Editora Central Gospel.

Como presbítero na igreja em Madureira, passou a perceber sua chamada ao ministério, mas não dizia a ninguém. Sentia em sua alma uma vocação especial. A partir de então passou a se aprimorar. Foi para um seminário batista, mas para aprender a manusear a Bíblia. Lá eu fiz o curso de Teologia com o intuito exclusivo de me aprimorar no conhecimento das Escrituras. Ainda bacharelou-se em Pedagogia, com especialização em Administração Escolar, pela Universidade Gama Filho.

De Madureira foi para a Penha, onde a sua chamada fora confirmada pelo Senhor. Mas o seu início foi justamente em Madureira, onde dirigiu uma congregação. Depois voltou para o templo-central, quando então teve muitas oportunidades para pregar a Palavra. O Senhor já havia dado-lhe da sua graça, percebida pela notoriedade de levar toda a sua família à conversão a Cristo Jesus. Em 3 meses, em torno de 12 membros de sua família renderam-se aos pés do Senhor. Após sofrer a repulsa de familiares, todos católicos romanos, sua mãe, Maria Anunciação Malafaia, foi a primeira, em 1941, a ir a Cristo. No dia em que ela se converteu mais 3 ou 4 irmãos também se decidiram por Cristo, entre eles Carlos e Moisés Malafaia, conhecidos pastores da AD do ministério Madureira.

Pastor Gilberto Malafaia sempre se mostrou participativo e impetuoso nas convenções da denominação. Jamais deixou de ocupar o microfone para deixar, de forma evidente, suas convicções. Sua história ministerial se efetivou na AD em Jacarepaguá, bairro do Rio de Janeiro.

SINAIS DA VOLTA DE JESUS

Com um comentarista à altura, a Lição-CPAD deste domingo, indica facilidade de ministração, em função de tudo quanto estamos vivendo atualmente. O tema confere com a atualidade. Vivemos tempos do Fim, período que antecede à Volta de Jesus.

Pastor Elinaldo Renovato tem propriedade, conhecimento, sabedoria e valores, a indicar-lhe credenciais para tal assunto.

Por sugestão de um colega, ofereço subsídios e trechos retirados de meu livro sobre Escatologia, FRONTEIRA FINAL, editado pela CPAD.

TRÊS PERGUNTAS

“E, estando assentado no Monte das Oliveiras, chegaram-se a Ele os seus discípulos, em particular, dizendo: Quando serão essas coisas; e que sinal haverá da tua Vinda e do Fim do mundo?”, Mt 24.3.

O texto mateano registra a conversa do SENHOR com os discípulos, no capítulo 24, a partir do verso 3, e começa com três perguntas básicas, a nortear meu comentário:

  • Quando será isso;
  • Qual é o sinal da tua Vinda;
  • E do Fim.

Suntuoso e representativo, o Templo dos Judeus é o assunto central, e sua destruição o alarde que catapulta o discurso escatológico (do grego eschaton, ‘Fim’) de Jesus.

Aos judeus, o Templo é a Casa de Deus terminado por volta do ano 26, e que levara 46 anos para ser concluído, conforme João 2.20. Figurava como orgulho de Israel, sua principal maravilha. Estão todos admirados com a construção de Herodes, o Grande, tão maluco quanto empreendedor político.

Segundo Josefo, sua construção envolveu cerca de 10 mil trabalhadores e quando o cerco Romano começou, em 66, ainda havia resquícios de construção no Monte do Templo.

Era a maior representação religiosa: a estrutura física que empolga e orgulha, mexe com os desejos e fervilha a busca do poder temporal humano das riquezas representadas em tais estruturas representativas. Os discípulos estão assustados e fazem a tríplice pergunta em particular ao SENHOR.

Observe que a adoração no Novo Testamento muda e perde a localidade nacional, para a representatividade pessoal, do prédio temporal para o templo eternal, dos chamados ‘para fora’ (do mundo), daí eclésia (igreja). Cada membro do Corpo (de Cristo) figura como templo do Espírito (de Cristo). As estruturas externas e físicas, que atraem e criam disputas, perdem-se, tanto que os primeiros templos apareceram somente no final segundo século.

TEMPOS DIFERENTES

Pela composição frasal das perguntas, os discípulos unem como um mesmo evento, a Vinda do SENHOR (Parousia, presença ‘em glória’) e o Fim. Mas, nas respostas, o SENHOR separa os dois momentos.

RESUMO DE TUDO

No primeiro texto de resposta, dos versos 4 ao 14, o SENHOR resume a resposta a todas as perguntas, culminando com o Fim, quando o Juízo Final se estabelecerá.

O FIM

Por isso, não significa que o Evangelho terá de ser pregado em todo o mundo, como causa pétrea para que o SENHOR volte à Igreja. Caso isso fosse objetivo doutrinal próprio, não haveria a necessidade de a anunciação pelos anjos e ainda pelos judeus (Is 66.19), na Grande Tribulação, e no Milênio, respectivamente.

Esta justificativa está firmada em 1Coríntios 15.23-24: ‘Mas cada um na sua ORDEM: Cristo as primícias, depois os que são de Cristo, na sua Vinda. DEPOIS virá o Fim, quando tiver entregado o Reino a Deus, ao Pai, e quando houver aniquilado todo o império, e toda potestade e força” (grifos meus. Leia até o 26, e o 54).

PRIMEIRA PERGUNTA

A primeira resposta diz respeito à ‘essas coisas’, aquilo que estava em discussão, com respeito ao Templo, especificamente.

Também o SENHOR separa os fatos, para que os judeus não se firmassem na crença de que o sofrimento a que estavam submetidos e que teriam de passar depois, seriam sinais próprios da manifestação em glória do SENHOR, próximo daquele momento.

Como estavam em submissão ao Império Romano, acreditavam que o Messias iria libertá-los brevemente. O próprio apóstolo Paulo cria assim e até diz: “Depois nós, os que ficarmos vivos…” (1Ts 4.17). Portanto esse sentimento passou para a Igreja Primitiva, que também fora terrivelmente perseguida por Roma, até Constantino, por volta de 338dC, quando ele assume a liderança da Igreja e a oficializa como religião do Império, criando a Igreja Católica (Mundial, Universal) – até aí não havia discordância contida –, mas Católica ROMANA, isto é, de Roma.

ABOMINAÇÃO DA DESOLAÇÃO

Os versos seguintes ainda dizem respeito aos judeus (15-20), a destruição do Templo, que ocorreu no ano 70, quando também os judeus foram perseguidos e mortos, pois o cerco a Jerusalém permaneceu de 66 a 70. Daí o alerta: Fujam para os montes; não voltem para casa; ai das grávidas; e que a fuga não seja no inverno ou no sábado (dia de adoração dos judeus).

QUANTO À VOLTA DO SENHOR

As notícias que precedem a Volta de Cristo estão em evidência hoje. Suas predições começam no verso 21 e vai até o 27, quando o Filho do Homem volta à Igreja (somente). Veja Cantares 3.6.

ESPÍRITO OPOSITOR

Temos versículos paralelos da tentativa de mudanças de leis, costumes e posturas humanas (cf Daniel 7.25), como vemos atualmente,  em oposição à natureza (humana), preestabelecida pelo Criador, como na questão de tentativa do atual Governo brasileiro e seu grupo partidário de

  • mudar o gênero de crianças (MEC), por imposição da ONU e sob o patrocínio de Ongs, como o Instituto Ford, e o Rockfeller, dentre outros;
  • a questão da mudança do casamento entre macho e fêmea;
  • da tentativa de alterar a constituição de família, de pai, mãe, filhos e irmãos), para pessoas associadas por laços de aproximação, não importando os gêneros envolvidos ou se há filhos, homem ou mulher, a incluir ainda cachorro, gatos etc.

Buscam a destruição das bases naturais da dualidade: Deus-Diabo; Céu-Inferno; Condenação-Salvação; Bem-mal; Certo-Errado…, para a pluralidade.

Também querem tirar a adoração ao SENHOR (Dn 8.11 e 2Ts 2.4; Dn 11.37 e 1Tm 4.3).

ERA DA MENTIRA

Temos ainda o tempo aberto à mentira, pois a ideia de que ‘todos mentem até que se prove contrário’ é universal, infelizmente, e até alguns dos que deviam ser puros e não emanar dúvidas são também incluídos nessa lista de João 8.44 e 2Tessalonicenses 2.9.

Construção de justificativas, escamotear a verdade, e outras formas parecidas e ainda que até não correspondem à mentira direta, também são mentiras (Ap 21.27; 22.15).

O FIM

A terceira resposta está nos versos seguintes, do 29 ao 31, quando o SENHOR aparece, em Segunda Vinda, com a Igreja em glória, após galardoá-la nos Céus. Então todos verão o Filho do Homem em poder e glória (v30). Leia agora Cantares 6.10.

SINAIS

Conhecimento: Dobra a cada 4 anos.

Por causa do esfriamento de desejos por busca de religiosidade, muitos templos católicos romanos estão à venda na Europa. O motivo principal é simples: Não há mais fiéis.

Temos notícias de templos assembleianos, pasmem, sendo vendidos em Catanduva e São José do Rio Preto-SP, pelo mesmo motivo, além de problemas relacionados a divisões, motivadas por administrações pecaminosas, protecionismo, paternalismo, personalismo religioso e simonia, interesses de grupos, divisões, pecados públicos de líderes, esquemas políticos de domínios etc.

SUPERAQUECIMENTO E CATÁSTROFES

(extraído do livro FRONTEIRA FINAL)

NOTÍCIAS QUE ATÉ PARECEM PROFECIAS (Note suas datas e perceba o quanto elas já foram superadas por novas ocorrências)

O Globo, 5/11/90: “No próximo século os termômetros vão aumentar”

Esta manchete não foi construída para compor esta página, mas produzida na Conferência Mundial sobre o clima, em Genebra-Suíça, com a participação de 18 países, em 1990.

Eles discutiram os efeitos nocivos da emissão de dióxido de carbono, o efeito estufa e destruição da camada de ozônio.

A previsão é de que com o aumento de calor haverá nos próximos anos mais chuvas e tempestades, erosões na terra, incêndios em florestas. Com essa previsão sombria, os representantes de países participantes pediram “Providências imediatas”.

Aumento será de 2 a 5 graus no próximo século, desencadeando uma mudança radical com aumento do nível dos mares entre 35 e 65cm.

Folha de São Paulo (Folha Ciência), 12/7/00: Polo Norte deve derreter até 2050, dizem cientistas

“A calota de gelo do pólo norte está derretendo tão rapidamente que poderia sumir totalmente durante o verão a partir de 2050, segundo cientistas da Universidade de Bergen, Noruega. O derretimento, segundo a equipe, não causaria aumento do nível do mar”.

(Da Reuters) – Folha de São Paulo, Ciência, 20/3/02: Aquecimento global quebra geleira gigante

“Uma plataforma de gelo antártica sete vezes maior que Cingapura se desintegrou pelo efeito do aquecimento global, dizem cientistas britânicos.

O grupo, pertencente ao Serviço Antártico Britânico (BAS), previu a desintegração da plataforma gigante Larsen B (com 3.250km quadrados quatro anos atrás, mas ficou surpreso com a velocidade da quebra. Ela é uma das cinco que está se quebrando por conta dos efeitos do aquecimento da Terra”.

“Sabíamos que os que sobrou iria acabar colapsando, mas a velocidade foi assustadora’, disse o glaciologista David Vaughan, do BAS. A península Antártica aqueceu 2,5º C nos últimos 50 anos, mais rápido do que qualquer outra parte do globo”.

Cientistas dizem que grandes cidades serão as mais prejudicadas (Globo, 22nov2000)

“Haia, Holanda. As mortes em decorrência das ondas de calor podem dobrar em todo o mundo nos próximos 20 anos. A alerta foi dada ontem, pela Organização Meteorológica Mundial, durante a 6ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas. Que acontece em Haia, Holanda. Segundo Godwin Obasi, representante da Instituição, o aquecimento global, atribuído ao aumento da emissão dos gases de efeito estufa na atmosfera, prejudicará principalmente as grandes cidades.”

“(…) Segundo os especialistas, o efeito estufa pode provocar uma elevação de até seis graus na temperatura média do planeta nos próximos cem anos.”

Segundo a matéria nas principais 15 cidades norte-americanas morrem por ano 1,5 mil pessoas, em decorrência do calor. As autoridades alertam que o número pode dobrar nos próximos anos. Além dos EUA o efeito será ainda maior também no Canadá, Grécia e Espanha.

 Cheias Matam 26 na França: O título é do Diário de Pernambuco, de 16/11/99 (Mundo), ao lado da matéria sobre o segundo terremoto de 7,2 graus, em três meses, que matou 452 pessoas na Turquia.

DESERTIFICAÇÃO: Cerca de 20% do total da área do Nordeste já foram atingidas pela desertificação. Ou seja, dos 1,5 milhão de quilômetros quadrados conta com 300 mil de área atingidos. A informação foi transmitida na Conferência das Nações Unidas de Combate à Desertificação, que já afeta a qualidade de vida de 8 milhões de brasileiros.

A notícia foi divulgada pela coluna Diário Político, de Divane Carvalho, no Diário de Pernambuco, à página A2, de 16/11/99. A colunista informa ainda que as estiagens tiveram início no século 16.

“O estado do mundo 2000”: Este é o título de um relatório sobre o meio ambiente que alerta para a continuidade de catástrofes climáticas, com acentuação dramática nos próximos anos. O documento foi divulgado em janeiro de 2000, em Washington, produzido pela ONG norte-americana Worldwatch Institute.

O Globo, 20/1/2000, página 35 (O Mundo): Onda de frio castiga EUA

Pelo menos oito pessoas morreram e temperatura chega a 36 graus negativos

Os EUA mergulharam, nos últimos três dias, num frio que não se via há anos.

No Nordeste do país, a temperatura atingiu 36 graus Celsius negativos. Washington ficou coberta de neve. Na gélida Nova York, três pessoas morreram de frio nos últimos dias. Pelo menos outras cinco morreram em outras regiões do país. Esta onda de frio pode aumentar a epidemia de gripe que desde o Natal lota os hospitais do país. Cientistas do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA alertaram que o frio deve elevar o número de casos, pois deixa as pessoas mais vulneráveis a complicações respiratórias e as obriga a passar mais tempo em ambientes fechados.

Custos das desordens

O custo provocado por catástrofes, doenças, violência, pelo uso de drogas autorizadas, como fumo e álcool, que ocasionam a necessidade do aumento dos investimentos em saúde pública, incêndios, é um preço que o homem tem de pagar sem ter como evitá-lo. Esse desgaste desencadeia outros investimentos, como o de prevenção e, por fim, chega-se a mais uma agravante que empurra o atual sistema financeiro para fora do cenário e pede outro.

A Folha de São Paulo (Opinião, 14/1/2000), informou: Estados Unidos gastam US$ 100 bilhões por ano no diagnóstico e tratamento de câncer, conforme o José Aristodemo Pinotti, em O Câncer e a mulher no próximo milênio.

A cada catástrofe o mundo recebe um novo abalo no seu sistema econômico. Além dos desdobramentos sociais, com furto, assalto e estupro de vítimas, abandono do dever, roubo de produtos destinados às vítimas, obtenção de lucros, conforme lista de casos divulgada pela Corte Suprema do Povo, na China, que contabilizou “17,6 milhões de casas submersas ou destruídas”, e as “perdas econômicas já são estimadas em US$ 24 bilhões”. (Folha de São Paulo, 14/8/98).

O progresso leva o mundo para um afunilamento sem fim. O crescimento e avanços do homem transformam tudo em uma bola de neve, que o arrebata para um inferno, varrido todos os dias por catástrofes.

A violência também tem a sua parte, tanto no custo quanto nos índices que chegam a ser catastróficos. As perdas vão além dos custos públicos, pois as pessoas atingidas direta ou indiretamente pela violência, segundo informações do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), registram perda da capacidade produtiva.

Segundo o mesmo órgão, conforme informações divulgadas em junho de 2007, a violência consome no Brasil 5% do PIB. O custo da violência chega a R$ 92,2 bilhões, com relação ao ano de 2006, mas se for lançado para 2007, o custo subiria para cerca de 117 bilhões de reais.

Somente nos Estados de São Paulo e Rio de Janeiro, os investimentos na Saúde para tratar das vítimas da violência consomem 60% do orçamento destinado ao setor. Somente no trânsito o custo da violência chega a 22 bilhões de reais.

A destruição total do mundo, na época de Noé, pelo Dilúvio, ocorreu a partir da multiplicação da maldade entre os homens, com ela, a Terra se encheu de violência (Gn 6.5,13).

Resumo de índice do livro FRONTEIRA FINAL

04) As Pedras (de gelo) Anunciam o Fim

05) Superaquecimento e Catástrofes

06) Meio Ambiente: Qual a nossa Mordomia?

07) Nova Era – A Construção Sobre Areia

08) Explosão de Conhecimento – O Avanço Tecnológico

09) Falência do Sistema Financeiro

10) Globalização – O Aparecimento do Último Império

11) A Besta e o Controle por um Líder Universal

12) Profecia de Oséias: O Grande e Terrível Dia do Senhor!

13) Fidelidade da Palavra

14) Revelação às Igrejas da Ásia

15) Plano Divino – O Futuro e o Arrebatamento

16) O Alerta dos Pólos

17) Assim como o Planeta, Mudamos muito Também

18) Penúltima Página

19) Última Página

Conforme reconheceu o Programa do Jô), Rede Globo, 19/11/15), a chanceler alemã, Angela Merkel é a líder mais sensata em toda a Europa, incluindo também na lista, o líder norte-americano, Barak Obama.

Também durante o mesmo programa, em que se apresentaram as chamadas ‘Garotas do Jô’, citou-se o empenho de seu pai e pastor, para que ela fosse educada sob princípios bíblicos-cristãos.

Sempre expondo suas crenças, agora ela conclama a comunidade europeia a voltar aos cultos e à Bíblia.

Sua declaração mexeu com muita gente, tendo em vista que nenhuma comunidade cristã exortou o povo europeu, tão ateu e materialista, com tanta ênfase.

Segundo ela, a melhor resposta ao terrorismo islâmico está na ‘coragem de ser cristão, de fomentar o diálogo (com os muçulmanos), de voltar à Igreja, de se aprofundar de novo na Bíblia’.

Angela Merkel enfatizou que na Alemanha a frequência à igreja caiu significativamente e que uma criança não seria capaz de responder o que significa Pentecostes.

Berço da Reforma Protestante, de destacados teólogos cristãos, célebres pregadores e do próprio reformador Martinho Lutero, Merkel sugeriu que em vez de o povo demonstrar medo, as pessoas deveriam voltar para as raízes do continente. ‘Nossa tradição é assistir a um culto na igreja e aprender alguns fundamentos bíblicos’, disse.

Fontes consultadas: Evangelical Focus e Gospel Prime (Jarbas Aragão)

Ninguém disse, mas a banda cantava ‘Beije o Diabo’, no momento dos tiros em Paris

Conforme Louis Sahagun e Steve Appleford, do blog de música Pop & Hiss, do Los Angeles Times, ‘no teatro Le Bataclan, a banda tinha sete canções em um concerto esgotado quando o seu desempenho de ‘Beije o Diabo’ foi interrompido por tiros. Os membros da banda escaparam através de uma saída de bastidores, e no sábado, cancelou os restantes 20 datas na turnê europeia, segundo promotores'” da banda norte-americana Eagles of Death Metal (Águias da Morte de Metal).

Também segundo O CORREIO DE DEUS, a partir da mesma fonte de LA, que também registro e citada por ele, ‘A música que estava sendo tocada no minuto em que os assassinos começaram a dispara se chama ‘Kiss the Devil’ (Beije o Diabo) e sua letra é grotesca:
– Quem vai cantar a música do diabo?
– Eu vou cantar.
– Quem vai dar um beijo de língua no diabo?
– Eu vou beijar o diabo”‘.

ESTILO MUSICAL

A banda de rock é conhecida por sua irreverência, melodias sexuais e tocava o seu principal sucesso no momento dos tiros: ‘Chase the Devil’, Persiga o Diabo.

Entre as vítimas estava Nick Alexander, de Londres, que havia sido contratado para trabalhar na turnê da banda.

HUMANOS, MAS DESPREZÍVEIS

Obviamente que a provável evocação satânica ‘desapercebida’, como serpente que se esgueira sob sua astúcia, não é motivo que possa levar o ser humano a tamanho horror, como no caso desses homens animalizados pelo fanatismo religioso.

Por outro lado, fica o exemplo da resposta à busca pelos comportamentos mais radicais possíveis, de forma sabida e notória em oposição ao SENHOR e Criador!

‘… porque não receberam o amor da verdade para se salvarem. (…) … antes tiveram prazer na iniquidade’, 2Ts 2.

O SENHOR não pune ninguém, as pessoas é que escolhem, por livre arbítrio, os caminhos mais perigosos e espinhosos.

‘O diabo é culpado por todos os desvios, mas nós somos culpados por optar segui-los’ (Augusto Andrade).

Fonte: http://www.latimes.com/entertainment/music/posts/la-et-ms-paris-eagles-of-death-metal-cancels-tour-20151114-story.html

“Doutra maneira, que farão os que se batizam pelos mortos, se absolutamente os mortos não ressuscitam? Por que se batizam eles então pelos mortos?”, 1Co 15.29.

Neste versículo, o que o apóstolo dos Gentios, afinal, quer indicar?
Com certeza, é um dos textos bíblicos, que faz coro a outros de difícil explicação, e somente o que se encontra nas entrelinhas nem sempre satisfaz por completo.

Estudiosos e exegetas tem se debruçado nesse texto, sem, contudo, chegar à definição que satisfaça a todos. São cerca de 40 conclusões sobre a referida passagem, por diferentes estudiosos.

José Luiz Piñeiro, bacharel em Teologia e pós-graduado em Metodologia do Ensino Religioso religioso pela Universidade Regional/Blumenau-SC, fala de
J.W.Horsley, Newbery House Magazine (Junho de 1890), que alinhou nada menos que 36 diferentes explanações a respeito; todavia, a “maioria delas pouca atenção teve, e algumas poucas merecem séria atenção”.

REGISTRO DESSA HERESIA
Segundo pastor Samuel Guedes Correia, graduado em Teologia pelo Ibad, citando Lourenço Gonzal, ‘Assim Diz o Senhor’, além desse costume herético ter sido registrado no começo da Igreja, em que pessoas vivas eram batizadas em favor dos mortos – amigos ou parentes não batizados -, pensando os tais seriam salvos como que por procuração.

Samuel cita ainda Crisóstomo que explica como esse ritual era praticado em seu tempo: “Depois que um catecúmeno (alguém que ainda não fora batizado, mas que já estava preparado para o batismo) falecia, punham um homem vivo oculto debaixo de seu leito; então, aproximando-se do leito do morto, falavam com ele e indagavam se ele queria receber o batismo. Não dando ele resposta, o outro respondia em seu lugar. Assim batizavam ‘o vivo pelo morto.’” (O Novo Testamento Interpretado Versículo por Versículo, vol. 4, pág. 256, Russel Norman Champlin).

‘OS QUE SE BATIZAM’
Vejo luz nesse texto, quando faz indicação clara de quem são os tais batizandos: ‘os que SE batizam pelos (por) mortos’ (os que são batizados [tendo como referência testemunhal] os mortos).

Hering cita a preposição ‘hyper’, com o sentido de ‘em nome de’ ou ‘ao invés de’ (HERING, [ARRINGTON, F. L.; STRONSTAD, R. (Eds.) Comentário Bíblico Pentecostal: Novo Testamento. 1 ed., RJ: CPAD, 2003, p. 1054].

Fica então mais indicativo que tais batismos ocorreram envolvendo pessoas que ‘se batizavam’ por influência de quem já havia morrido, motivadas pelo testemunho de um crente já falecido, parente ou amigo.

Noto que meu entendimento está alinhado ao que poderia estar acontecendo em Corinto. A comunidade cristã teria se formado dentro da orientação comum de sepultar seus membros com memorial.

Consistia-se em uma sociedade que valorizava a inumação, formada de um grupo de voluntários que buscava a construção de epitáfio (tumular) de seus membros (Comentário Bíblico [Diane Bergant, CSA; Robert J. Karris, OPM, orgs], Vol. 3, 3 ed: set 2001, Ediçoes Loyola, São Paulo, 1999).

RESSURREIÇÃO:
CENTRO DO CONTEXTO
A indagação paulina lança para essa conclusão:
‘se absolutamente os mortos não ressuscitam? Por que se batizam eles então pelos mortos?’ Entendo que o apóstolo quer dizer o seguinte: ‘Se não há ressurreição, qual o valor desse batismo, tendo como força referencial o testemunho de crentes já mortos?’

Quanto ao possível rito na história da Igreja do SENHOR, não existe nenhum registro de tal fato. Não há tampouco como estruturar doutrina, pois só existe essa passagem e nada mais para dar suporte a uma possível forma doutrinal.

BATISMO COMO IMPRESCINDÍVEL
PARA A SALVAÇÃO
Também somente séculos depois de Paulo, após surgir o catolicismo romano é que surgiu a doutrina, de exclusividade católica romana, tornando o batismo como meio equivalente à salvação e, então, esse tipo de batismo, feito em nome de um morto, seria justificado.

Como ritual, esse sacramento destina-se aos fiéis romanos ‘para eles receberem a graça de Deus’.

Portanto, na doutrina do catolicismo romano, os sacramentos são imprescindíveis e se igualam ao valor sacrificial de Cristo para a salvação dos crentes por conferirem a graça de Deus, “o perdão dos pecados, a adoção de filhos de Deus, a conformação a Cristo Senhor e a pertença à Igreja”

Mesmo batizado ainda bebê, sem ter consciência ou decisão quanto ao fato, o ‘iniciado’ passa a ter sua salvação garantida.

SEM POSSIBILIDADE
Por fim, podemos mostrar a doutrina bíblica, a indicar que o pós-morte encerra toda e qualquer possibilidade de intercâmbio com a (os da) Terra.

Jesus mostrou essa doutrina quando trata do fato (e não parábola, como indica o título do texto – fora da canonicidade bíblica – de Lucas 16.19-31, com ênfase a partir do versículo 26: ‘E, além disso, está posto um grande abismo entre nós e vós, de sorte que os que quisessem passar daqui para vós não poderiam, nem tampouco os de lá passar para cá.
E disse ele: Rogo-te, pois, ó pai, que o mandes à casa de meu pai Pois tenho cinco irmãos; para que lhes dê testemunho, a fim de que não venham também para este lugar de tormento.
Disse-lhe Abraão: Têm Moisés e os profetas; ouçam-nos.
E disse ele: Não, pai Abraão; mas, se algum dentre os mortos fosse ter com eles, arrepender-se-iam. Porém, Abraão lhe disse: Se não ouvem a Moisés e aos profetas, tampouco acreditarão, ainda que algum dos mortos ressuscite’, 26-31.

Moisés – a Torá -, e Os Profetas fazem parte da divisão das Sagradas Escrituras, o Velho Testamento, restando Os Escritos (Históricos) em que os Poéticos estão inclusos.

Essa questão de possível ligação entre vivos e mortos é fechada, dentre outros textos, desde o VT, com Hebreus 9.27: ‘E, como aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo’.

João Huss foi um nobre pensador e teólogo, influenciado por John Wycliffe. Nasceu em 1369 e morreu queimado vivo, pelo Igreja Católica Romana (Sacro Império Romano), em 6 de julho de 1415, aos 46 anos, a exemplo de outros reformadores cristãos e igualmente piedosos.

Sua pregação bíblico-cristocêntrica, contrariava interesses do Império Romano, transformado em Império Romano Sacro, após Constantino. Este foi o primeiro líder-maior da Igreja Católica, desde 338 e proclamado papa (o primeiro).

Huss influenciou João Calvino, John Wesley, Martinho Lutero.

Com domínio mundial, após assumir a sequência do Império Romano, batizado de Sacro Império, o catolicismo romano penalizava mantinha uma polícia clerical para caçar, prender e matar todo e qualquer acusado de contrariar as suas regras.

Embora verdadeira seita, a partir de Constantino, a Igreja romana detinha a palavra final.

Huss foi condenado em 1410, pelo Concílio romano de Constança e sentenciado à morte na fogueira.

Esse cristão morreu cantando ao SENHOR: ‘Jesus filho de Davi tem misericórdia de mim’.

HOMEM INTELECTUAL
Dentre suas obras, figura uma que entrou para a história literária checa e ainda produziu documento literário que introduziu o uso ‘de acentos na língua checa por modo a fazer corresponder cada som a um símbolo único'”.

Fato semelhante ocorreu com Lutero, em função de sua tradução da Bíblia do latim para
o alemão (Bíblia do Dr. Martinho Lutero, que mantenho uma cópia original em minha coleção).

PREGAÇÃO
Hus pregava o Sacerdócio Universal dos Crentes, no qual qualquer pessoa pode comunicar-se com Deus sem a mediação sacramental e eclesial, incluída nas 95 teses de Lutero.

PROFECIA
“Antes de ser queimado, Hus disse as seguintes palavras ao carrasco: ‘Vocês hoje estão queimando um ganso (Hus significa ganso na língua boêmia), mas dentro de um século, encontrar-se-ão com um cisne. E este cisne vocês não poderão queimar”‘.

CHEGA O CISNE!
Após 102 anos, essa profecia cumpriu-se em Martinho Lutero. Ele pregou suas 95 teses na porta da igreja católica romana em Wittenberg. O Cisne havia chegado.

Fonte consultada:
https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Jan_Hus

Confesso que, antes de analisar com devoção a situação geral da relutância quanto à mulher no Obra do SENHOR, mantive-me resistente.

Mesmo os textos do apóstolo Paulo, visto por muitos críticos como machista, desmentido pelos seus próprios escritos, defendem a participação feminina na Causa divina, sem discriminação e sem alterar suas funções, como seu papel e suas características próprias da feminilidade, ainda como esposa e mãe e os demais aspectos ímpares da natureza do sexo feminino.

Paulo enfatiza, sem demonstrar nenhuma trava, a participação feminina no ministério cristão, nas mesmas proporções masculinas.

Isto quer dizer que o processo é o mesmo: a mulher deve passar pela mesma capacitação, desde a chamada pelo SENHOR e não ser privilegiada por atalhos e desprezíveis nomenclaturas.

Também quer dizer que não é um meio de fazer política ou média com o sexo oposto ou usar títulos como forma de adequação humana ou cala-boca.

PAULO É MACHISTA?

Apóstolo Paulo quer afirmar justamente o contrário.

Ele rompe com a Lei e se depara com quebras de paradigmas, pois a Igreja não iria sobreviver sob a Lei e sem outra diretriz, justamente por causa das não judias também.

Não deixa de realçar nuances, como também quebra de paradigmas da interpretação judaica, para os fins da atividade da mulher e as emprega na Causa do Mestre.

Ele prega muito bem isso em Romanos 12.9-10, quando os judeus querem supremacia sobre os gentios na igreja em Roma. Ele diz: amem-se como vocês fossem consanguineos, literalmente ‘como se tivessem saído do mesmo ventre’.

TEXTO COMO PRETEXTO

Se o texto usado para que a mulher seja tolhida é o seguinte: ‘A mulher aprenda em silêncio, com toda a sujeição. Não permito, porém, que a mulher ensine, nem use de autoridade sobre o marido, mas que esteja em silêncio’, 1Tm 2.11-12, é só pretexto mesmo.

1) Veja que Paulo está tratando da liturgia do culto e não de temas gerais;

2) Aquelas (mulheres) na Lei não tinham nenhuma participação e, portanto, nada de conhecimento ou interesse pelo mesmo, pois eram preteridas neste aspecto;

3) Por outro lado, em situação semelhante quanto ao conhecimento, ‘as mulheres de Corinto’, chamadas por esta frase depreciativa, por causa do alto índice de promiscuidade na cidade, muitas delas eram ex-sacerdotisas e até cortesãs – as prostitutas ‘chiques’ de cabeça rapada, outras que atuavam em outro tipo de escravidão, agora convertidas;

4) Havia a necessidade com a inserção de mulheres, desde o
Ministério de Jesus, recrudescendo com o próprio Paulo (vide Romanos 16, a partir do verso 1, com a diaconisa Febe), de ordenar essa participação na liturgia;

5) Nesse cenário, Paulo precisava dar corpo a essa participação;

6) Temos a possibilidade para a interpretação de ter havido muita indagação dessas mulheres aos maridos, durante o culto, para tomarem conhecimento (aprender) e Paulo fala para que perguntem aos maridos em casa; até hoje isso é feio, não é mesmo?!;

6) o que Paulo diz em termos de cabeça (não o marido, pois ele acabara de falar que Cristo é o Cabeça, até do varão), mas das cabeças das próprias mulheres se inseridas à liturgia, pois deveriam ter domínio da situação (domínio/cabeça/careca… e apresentação adequada e diferente da dos cultos pagãos etc;

7) Por fim, o texto clareia tudo ao usar ‘segal’, traduzido por ‘caladas’, pois esse termo não indica ‘silêncio completo’, porém em curtas situações…

8) temos ainda a intercação dos dois versículos, perdidos no
meio do texto e do contexto, de forma notória;

9) O Reducionismo do Sexo, como afirma Judson Santos, não faz parte desse contexto, desde a Criação, pois “a mulher de Adão, Eva, é descrita em termos opostos/desafiadores. Ela é uma ‘ajudante que é oposta a ele’. Até a palavra ajudante é uma tradução fraca. O uso de עֵזֶר (ezer) no Hebraico Bíblico expressa uma intervenção ativa em favor de outra pessoa, especialmente no contexto militar!”‘

VISÃO DE PAULO SOBRE A LEI

‘O insensatos gálatas! quem vos fascinou para não obedecerdes à verdade, a vós, perante os olhos de quem Jesus Cristo foi evidenciado, crucificado, entre vós?
Só quisera saber isto de vós: recebestes o Espírito pelas obras da lei ou pela pregação da fé?
Sois vós tão insensatos que, tendo começado pelo Espírito, acabeis agora pela carne?’, Gl 3.1-3.

Aos Gálatas Paulo está em debate com judaizastes, que insistem em impor a Lei a esse povo.

‘De maneira que a lei nos serviu de aio, para nos conduzir a Cristo, para que pela fé fôssemos justificados.
Mas, depois que veio a fé, já não estamos debaixo de aio.
Porque todos sois filhos de Deus pela fé em Cristo Jesus.
Porque todos quantos fostes batizados em Cristo já vos revestistes de Cristo.
Nisto não há judeu nem grego; não há servo nem livre; não há macho nem fêmea; porque todos vós sois um em Cristo Jesus.
E, se sois de Cristo, então sois descendência de Abraão, e herdeiros conforme a promessa’, Gl 3.24-39.