Feeds:
Posts
Comentários

Archive for 25 de junho de 2015

Depois de outros exemplos de tentativa de corrigir erros e rumos, o líder da Igreja Católica Apostólica Romana, papa Francisco, anunciou a aprovação do divórcio.

Nada poderia comentar se a fonte de tal informação fosse tão somente Igreja Católica Apostólica Romana, pois é uma religião como qualquer outra. Mas, quando esta tenta incluir-se também como igreja cristã, leva-nos a possíveis comentários.

Muita coisa já se alterou nas estruturas doutrinais romanas: Leitura bíblica, antes visceralmente proibida; queda da absurda infabilidade papal; imitação dos louvores cristãos e formas de culto (evangélicos) são algumas das mudanças.

Porém, a permanência em sua base doutrinária do louvor e adoração a imagens, ídolos, contrariando as Sagradas Escrituras, mostra-se abominável: ‘Vós bem sabeis que éreis gentios, levados aos ídolos mudos, conforme éreis guiados’ (gentios, leia-se pagãos) e ‘Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis; porque, que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas? E que concórdia há entre Cristo e Belial? Ou que parte tem o fiel com o infiel? E que consenso tem o templo de Deus com os ídolos? Porque vós sois o templo do Deus vivente, como Deus disse: Neles habitarei, e entre eles andarei; e eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo. Por isso saí do meio deles, e apartai-vos, diz o Senhor; E não toqueis nada imundo, E eu vos receberei; E eu serei para vós Pai, E vós sereis para mim filhos e filhas, Diz o Senhor Todo-Poderoso’, 2Co 12.2; 6.14-18.

DIVÓRCIO

O próprio SENHOR Jesus falou do divórcio, estabelecido por Moisés, embora com crítica ao rompimento dos princípios da natureza humana, desde a Criação.

Ele enfatiza e ratifica a natureza humana preestabelecida por Deus e seus respectivos e únicos gêneros ao fazer a crítica

‘Ele, porém, respondendo, disse-lhes: Não tendes lido que aquele que os fez no princípio macho e fêmea os fez, E disse: Portanto, deixará o homem pai e mãe, e se unirá a sua mulher, e serão dois numa só carne? Assim não são mais dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem. Disseram-lhe eles: Então, por que mandou Moisés dar-lhe carta de divórcio, e repudiá-la? Disse-lhes ele: Moisés, por causa da dureza dos vossos corações, vos permitiu repudiar vossas mulheres; mas ao princípio não foi assim. Eu vos digo, porém, que qualquer que repudiar sua mulher, não sendo por causa de fornicação, e casar com outra, comete adultério; e o que casar com a repudiada também comete adultério’, Mt 19.4-9.

ORDINÁRIO

Embora bastante vulgarizado, a contemplar um dos sinais fatídicos do Fim dos Tempos: ‘E, como foi nos dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do homem. Porquanto, assim como, nos dias anteriores ao dilúvio, comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca’ (Mt 24.37-38) – casavam e davam-se em casamento: casavam, descasavam e casavam novamente -, o divórcio faz parte do egoísmo e maldade humanos.

MOTIVOS POSSÍVEIS

Fica claro a possibilidade do divórcio motivado por traição, deixando o cônjuge pecador fora da possibilidade de novo casamento, portanto, sob condições.

Apóstolo Paulo também ratifica o mesmo, incluindo a punição, mas no caso de o cônjuge ser abandonado, em especial pelo não crente (infiel e não filho de Deus), fica livre para novo enlace:

‘Se, porém, se apartar, que fique sem casar, ou que se reconcilie com o marido; e que o marido não deixe a mulher. Mas, se o descrente se apartar, aparte-se; porque neste caso o irmão, ou irmã, não esta sujeito à servidão; mas Deus chamou-nos para a paz’, 1Co 7.11,15.

JUSTIFICATIVAS

As justificativas para adotar sistemas que nada tem que ver com as regras cristãs, em especial pelo catolicismo romano, são as tradições.

Nele, as tradições recebem autoridade acima da determinação bíblico-cristã, conforme alertado pela própria Palavra:

‘E dizia-lhes: Bem invalidais o mandamento de Deus para guardardes a vossa tradição’ e
‘Sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que por tradição recebestes dos vossos país’, Mc 7.9 e 1Pd 1.18.

Por essas e outras atitudes de religiosidade, que andam na contramão da piedade (cristã), o SENHOR também dissera: ‘Errais, não conhecendo as Escrituras, nem o poder de Deus’, Mt 22.29.

Read Full Post »