Feeds:
Posts
Comentários

Archive for 4 de julho de 2009

A cara-de-pau dos homens “honrados”, que deveriam esboçar valores senis, é a mostra da pior das definições do vocábulo, indicativo para senador: decrépito – “coisa em ruína”. Causa-me asco ver a própria mídia divulgar como algo comum, os vergonhosos acordos, conchavos, negociatas políticas do toma-lá-dá-cá. Verdadeira novela para público romano pós-moderno. Epa! Nós não somos romanos, só latinos (com ene e não eme… Bom, mesmo que fosse, diz o ditado: “Cachorro que late não morde!). 

Enquanto isso o povo mantém o ‘equilíbrio’, como verdadeiros malabaristas, para aceitar tamanha imoralidade – se bem que está mais para palhaço da corte. O coronel Sarney, desde os militares no poder – odiados pela esquerda governista –, é o retrato do enguiço político, entrelaçado ao PT, à moda das serpentes do deus esculápio. Quem sabe eram cobras PíTons. Os objetivos das cobras se repetem: levar o povo à queda no paraíso chamado Brasil. 

Congresso Nacional (foto: ©Câmara dos Deputados)

Congresso Nacional (foto: ©Câmara dos Deputados)

O Mercante, opa, desculpe-me, o Mercadante, homem de quem se pensava possuir reservas de uma boa formação e referencial, acaba de escancarar que não é bem assim, e desdisse o que disse, na maior cara-lavada. Aí está o circo: o pão é o Bolsa Família, o César é Lula, com inclusive a semelhança de perseguir cristãos, ao atacar seus princípios basilares e éticos. 

Falando nisso, a dona Dilma, candidata ao Governo do PT deu piti. Ela mostrou a cara, àquela antiga, à La’marca guerrilha, e saiu aos gritos com o colega de Governo. Cheio de medo, o homem não quer mais voltar ao trabalho. 

Forças da serpente do mal 

Em entrevista a Boris Casoy (Passando a Limpo, SBT, 26/11/00), o então presidente da República, Fernando Henrique Cardoso, ao falar das empresas que rejeitam candidatos mais velhos, explicou que isso “tem a ver com a nossa cultura que é ruim”, e que as dificuldades do país são de ordem social ou moral, pois “a sociedade cansou da falta de ética”. O que é isso? Pergunta-se hoje… talvez é-ti-tica, jamais conceitos básicos de moral, do  bem e ao mal, que norteiam a conduta de um povo. 

FHC mostra ainda outra afirmação de Weber: O político lida com “forças demoníacas”, conforme definiam os primeiros cristãos que “sabiam muito bem que o mundo é governado pelos demônios e quem se dedica à política, ou seja, ao poder e força como um meio, faz um contrato com as potências diabólicas…” (Max Weber, A política como vocação?, citado pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, em seu livro A arte da política – a história que vi, Civilização Brasileira, 2006, RJ). 

Ruy Barbosa ainda fala 

“A falta de justiça, senhores senadores, é o grande mal da nossa terra, o mal dos males, a origem de todas as nossas infelicidades, a fonte de todo nosso descrédito, é a miséria suprema desta pobre nação. A sua grande vergonha diante do estrangeiro é aquilo que nos afasta os homens, os auxílios, os capitais. 

Rui Barbosa (foto: ABL)

Rui Barbosa (foto: ABL)

A injustiça, senhores, desanima o trabalho, a honestidade, o bem; cresta em flor os espíritos dos moços, semeia no coração das gerações que vêm nascendo a semente da podridão, habitua os homens a não acreditar senão na estrela, na fortuna, no acaso, na loteria da sorte, promove a desonestidade, promove a venalidade, promove a relaxação, insufla a cortesania, a baixeza, sob todas as suas formas. 

De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto”. (Discurso de Ruy Barbosa proferido em 1914 no Senado). 

Luz a Sal da Terra 

Como a Igreja reage diante dessa realidade? Alheia, passiva, inerte? Embora não dê para traçar paralelos entre tais circunstâncias e a ação dos profetas, quando condenam líderes de Israel, pois não somos uma nação judaica e tampouco semelhante a ela, podemos tomar exemplos de empregos de rejeição de obras das trevas. 

Porém, aos que querem obter força entre políticos, temos um exemplo bíblico, perfeitamente aplicável hoje: “…Herodes temia a João Batista, sabendo que era varão justo e santo; e guardava-o com segurança, e fazia muitas coisas, atendendo-o, e de boa vontade o ouvia” (Mc 6.20). 

Luz e sal da Terra 

Rev. Martin Luther King Jr.

Rev. Martin Luther King Jr.

A ação da Igreja com relação ao mundo é a de luz e sal. Luz inibe as trevas e o sal afasta o homem do apodrecimento moral, de tornar-se imprestável. Como dizia pastor Martin Luther King: “O que me preocupa não é o avanço dos fortes, mas o silêncio dos justos”. 

A preservação da candura da ética é marca inegociável da posição da Igreja do Senhor, conforme Romanos 13.12-14: “A noite é passada, e o dia é chegado. Rejeitemos pois as obras das trevas, e revistamo-nos das armas da luz. Andemos honestamente, como de dia, não em glutonarias, nem em bebedeiras, nem em desonestidade, nem em dissoluções, nem em contendas e inveja. Mas revesti-vos do Senhor Jesus Cristo…”. 

Anúncios

Read Full Post »